A moral judaico-cristã e o apequenamento do homem moderno: a possibilidade de compreensão de nossa epocalidade na crítica de Nietzsche ao “último homem” / The Judeo-Christian morality and the diminution of modern man: the possibility of understanding our epochality in Nietzsche's critique of the "last man"

Dalila Miranda Menezes

Abstract


 A postura ultraconservadora dos adultos brasileiros em relação a temas polêmicos como direitos iguais entre homens e mulheres, aceitar ou não um filho homossexual, ou dar importância à virgindade, não causaria maiores espantos a qualquer interlocutor mediano, mas a postura ultraconservadora da maioria dos jovens entre 18 e 24 anos sobre estes mesmos temas causaria, sim, torpor. Como explicar que antigos preconceitos continuam pautar a conduta tanto de nossos adultos como de nossos jovens em pleno fluxo do século XXI? Para respondermos este problema iremos recorrer às análises de Nietzsche sobre o modo como concebia o homem do seu tempo, ou seja, o homem presente na modernidade tardia do final do século XIX, tipificado por Nietzsche como o “último homem”. O objetivo deste artigo é sugerir que a chave interpretativa para compreendermos aspectos comportamentais, modos de vida e referencial valorativo decadente do homem contemporâneo inserido no século XXI em curso, deve recuperar o conceito de “último homem” presente em alguns argumentos referenciais de Friedrich Nietzsche (1844-1900) e depurar, a partir da leitura imanente de passagens sugestionais, o possível vínculo existente entre o modo de vida moderno tardio vazio, envolvido em “pequenos prazeres” e nós contemporâneos, pacatos acolhedores da vida bestializada.


Keywords


último homem, moral judaico-cristã, pequenos prazeres, corpo, nietzsche.

References


ANSELL-PEARSON, Keith. Nietzsche como pensador político: uma introdução. Tradução de Mauro Gama, Claudia Martinelli. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Ed., 1997.

LEFRANC, Jean. Compreender Nietzsche. Tradução de Lúcia M. Endlich Orth. Petrópolis: Editora Vozes, 2005.

MÜLLER-LAUTER, Wolfgang. A doutrina da vontade de poder em Nietzsche. Tradução de Oswaldo Giacóia Junior. São Paulo: Anablume, 1997.

MACHADO. Roberto. Nietzsche e a verdade. Rio de Janeiro: Graal, 2002.

_______________. Zaratustra: tragédia nietzschiana. 4° edição: Rio de Janeiro: Zahar, 2011.

NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. Sämtliche Werke. Kritische Studienausgabe (KSA). Organizada por Giorgio Colli e Mazzimo Montinari. Berlin, New York, Munique: Gruyter & Co., 1967-77.

_______________. Obras incompletas. Tradução Rubens Rodrigues Torres Filho. São Paulo: Abril Cultural, 1974. (Coleção Os Pensadores).

_______________. A gaia ciência. Tradução de Paulo César de Sousa. São Paulo: Companhia das letras, 2001.

_______________. Além do bem e do mal. Tradução de Paulo César de Sousa. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

_______________. Assim falou Zaratustra. Tradução de Paulo César de Sousa. São Paulo: Companhia das Letras, 2011

_______________. Aurora. Tradução de Paulo César de Sousa. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

_______________. A grande política, fragmentos. Introdução, seleção e tradução de Oswaldo Giacoia. Campinas: editora Unicamp, 2002.

_______________. Crepúsculo dos Ídolos. Tradução de Paulo César de Sousa. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

_______________. Ecce Homo: como alguém se torna o que é. Tradução de Paulo César de Sousa. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

_______________. Fragmentos do Espólio: julho de 1882 a inverno de 1883/ 1884. Seleção, Tradução e Prefácio de Flávio R. Kothe. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2004.

_______________. Fragmentos do Espólio: primavera de julho de 1884 a outono de 1885. Seleção, Tradução e Prefácio de Flávio R. Kothe. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2008.

_______________. Fragmentos Finais. Seleção, Tradução e Prefácio de Flávio R. Kothe. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2007.

_______________. Fragmentos Póstumos: 1887-1889. Volume VII. Tradução de Marco Antônio Casanova. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012.

_______________. Genealogia da moral. Tradução de Paulo César de Sousa. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

_______________. Humano, demasiado humano. Volume I. Tradução de Paulo César de Sousa. São Paulo: Companhia das letras, 2005.

_______________. Humano, demasiado humano. Volume II. Tradução de Paulo César de Sousa. São Paulo: Companhia das letras, 2008.

_______________. O Anticristo. Tradução de Paulo César de Sousa. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

_______________. O nascimento da tragédia. Tradução, notas e posfácio: J. Guinsburg. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

OLIVEIRA, Manfredo. Ética e sociabilidade. São Paulo: Ed. Loyola, 1993.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n5-466