O direito a políticas públicas de saúde de um paciente com transtorno do espectro autista e sua consequência nas relações familiares: um relato de caso / The right to public health policies for a patient with autistic spectrum disorder and its consequence in family relations: a case report

Thiago Augusto Pereira de Moraes, Sânia Mendonça da Fonseca Lisboa Das Chagas, Emanuella Pinheiro de Farias Bispo, Laércio Pol Fachin, Valdemiro Amaro da Silva Júnior

Abstract


Objetivo: Realizar um estudo de um paciente com transtorno do espectro autista, evidenciando a consequência nas relações familiares, bem como o seu acesso a políticas públicas de saúde. Métodos: Foi realizada uma entrevista semiestruturada, a qual se caracterizou por um relato de caso apoiado pela análise qualitativa dos dados coletados com membros da família de uma criança autista, com o médico Psiquiatra que o assiste, bem como um médico Neuropediatra reconhecido na comunidade científica sobre o referido tema. O estudo foi aprovado por Comitê de Ética em Pesquisa. Resultados: Foram extraídas 25 respostas das entrevistas, agrupadas em 2 unidades temáticas: O acesso a políticas públicas de saúde; consequências nas relações familiares. Conclusão: É necessário se colocar em prática o apoio jurídico oferecido à família da criança com Transtorno do Espectro. Sugere-se o desenvolvimento de grupos para pais baseados na troca de experiências que auxiliem e orientem a família neste assunto, bem como a necessidade de investigações futuras sobre outras esferas, tais como a inclusão escolar e a inserção no mercado de trabalho dos indivíduos com TEA.


Keywords


legislação, estratégias de saúde, desenvolvimento infantil

References


AGUIAR AAR, et al. Autismo: o ideal e o real na efetivação da decisão jurisdicional que implementa políticas públicas. Revista Educação Especial, 2010; 23: 241-256.

BLUMBERG SJ, et al. Changes in Prevalence of Parent-reported Autism Spectrum Disorder in School. National Health Statistics Reports, 2013;65:1–11.

CAMARGO SPH, et al. Desafios no processo de escolarização de crianças com autismo no contexto inclusivo: diretrizes para formação continuada na perspectiva dos professores. Educação em Revista, 2020; 36: e214220.

CAMARGO SPH, BOSA CA. Competência social, inclusão escolar e autismo: revisão crítica da literature. Revista Psicologia e Sociedade, 2009; 21: 65-74.

DEFENSE-NETVRAL DA, FERNANDES FDM. A oferta da terapia fonoaudiológica em locais de assistência a indivíduos com Transtornos do Espectro do Autista (TEA). Journal of Communication Disorders, Audiology and Swallowing, 2016; 28: 459-462.

DILLENBURGER K. et al. Staff Training in Autism: The One-Eyed Wo/Man... International Journal of Environmental Research and Public Health, 2016; 13: 716.

DUARTE AEO. Aceitação dos pais para o transtorno do espectro autista do filho. Revista Internacional de Apoyo a laInclusión, logopedia, sociedad y multiculturalidad, 2019; 5:53-63.

GOMES PTM, et al. Autism in Brazil: a systematic review of family challenges and coping strategies. Jornal de Pediatria do Rio de Janeiro, 2015; 91: 111-121.

GRACIOLO MM, BIANCHI RC. Educação do autista no ensino regular: um desafio à prática pedagógica. Nucleus, 2014; 11: 125-138.

HERBES NE, DALPRÁ LR. Crianças com autismo, família e espiritualidade. REFLEXUS- Revista de Teologia e Ciências das Religiões, 2016; 15: 127-148.

IRIBARRY IN. Aproximações sobre a transdisciplinaridade: algumas linhas históricas, fundamentos e princípios aplicados ao trabalho de equipe. Revista Psicologia: Reflexão e Crítica, 2003; 16: 483-490.

JORGE RPC, et al. Diagnóstico de autismo infantil e suas repercussões nas relações familiares e educacionais. Brazilian Journal of Health Review, 2019; 2: 5065-5077.

KIQUIO TCO, GOMES KM. O estresse familiar de crianças com transtorno do espectro autismo-TEA. Revista de Iniciação Científica, UNESC, 2018: 16; 1-12.

LEOPOLDINO CB, COELHO PFC. O processo de inclusão de autistas no mercado de trabalho. Revista Economia e Gestão, 2017; 17: 141-156.

LEOPOLDINO CB. Cooperação e Antagonismo no Atendimento ao Autismo no Brasil: Mapeamento da Rede de Atores. Revista Interdisciplinar de Gestão Social, 2017; 6: 137-154.

MACIEL NGP. Abordagem do autismo infantil na atenção básica: Revisão integrativa. Revista Interdisciplinar em Saúde, 2020; 7: 466-481.

MAGALHÃES JM et al. Assistência de enfermagem à criança autista: revisão integrative. Revista Eletrônica Trimestral de Enfermagem, 2020; 57: 541-550.

MAHER GM, et al. Association of Hypertensive Disorders of Pregnancy With Risk of Neurodevelopmental Disorders in Offspring: A Systematic Review and Meta-analysis. JAMA Psychiatry, 2018;75: 809-819.

MAPELLI LD, et al. Criança com transtorno do espectro autista: cuidado na perspectiva familiar. Escola Anna Nery, 2018; 22: e20180116.

MINATEL MM, MATSUKURA TS. Familiares de crianças e adolescentes com autismo: percepções do contexto escolar. Revista Educação Especial, 2015; 28: 429-442.

MONTEIRO SAS, RIBEIRO PR. A inclusão do aluno com transtorno do espectro autista na sala de aula. Revista Online de Política e Gestão Educacional, 2018; 22: 905-919.

NASCIMENTO MA, et al. Autismo infantil: Acolhimento e tratamento pelo sistema único de saúde. Revista Valore, 2017; 2: 155-167.

NUERNBERG AH, MATTOS LK. Reflexões sobre a inclusão escolar de uma criança com diagnóstico de autismo na educação infantil. Revista Educação Especial, 2011; 24: 129-142.

NUNES F, ORTEGA F. Ativismo político de país de autistas no Rio de Janeiro: Reflexões sobre o direito ao tratamento. Saúde e Sociedade,2016; 25: 964-975.

OLIVEIRA BDC, et al. Políticas para o autismo no Brasil: entre a atenção psicossocial e a reabilitação. Revista de Saúde Coletiva, 2017; 27: 707-726.

ONZI FZ, GOMES RF. Transtorno do espectro autista: A importância do diagnóstico e reabilitação. Caderno pedagógico, 2015; 12: 188-199.

PIECZKOWSKI SI, et al. Transtorno do espectro autista (TEA) e aprendizagem escolar. Revista do Seminário de Educação de Cruz Alta - RS, 2020; 7: 300-308.

PINTO AS, CONSTANTINIDIS TC. Revisão Integrativa sobre a Vivência de Mães de Crianças com Transtorno de Espectro Autista. Revista Psicologia e Saúde, 2020; 12: 89-103.

PORTESE J, et al. Mapeamento dos serviços que prestam atendimento a pessoas com transtorno do espectro autista no Brasil. Cadernos de Pós-Graduação em Distúrbios do Desenvolvimento, 2019; 17: 79-91.

REIS FFS, et al. A transdisciplinaridade no tratamento do transtorno do espectro autista. Revista Anápolis Digital, 2018; 7: 1-11.

RIBEIRO NMF. Viver com o autismo: necessidades dos pais de crianças com perturbação do espetro do autismo. Dissertação (Mestrado Integrado em Medicina) – Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar. Universidade do Porto, Porto, 2012; 31 p.

SEIZE MM, BORSA JC. Instrumentos para Rastreamento de Sinais Precoces do Autismo: Revisão Sistemática. Psico-USF, 2017; 22: 161-176.

SILVA RS, CHAVES EF. Autismo, reações e consequências nas relações familiares. Revista Valore, 2017; 2: 155-167.

SMEHA LN, CÉZAR PK. A vivência da maternidade de mães de crianças com autismo. Revista Psicologia em Estudo, 2011; 16: 43-50.

SOUZA AP, et al. Assistência de enfermagem ao portador de autismo infantil: uma revisão integrative. Brazilian Journal of Health Review, 2020; 3: 2874-2886.

SPÍNOLA GO. Autismo: o ideal e o real na efetivação da decisão jurisdicional que implementa políticas públicas. Revista Brasileira de Políticas Públicas, 2014; 4: 60-68.

SPROVIERI MHS, JÚNIOR FBA. Dinâmica familiar de crianças autistas. Arquivos de Neuro-psiquiatria, 2001; 59: 230-237.

ZANOA RB, et al. Identificação dos Primeiros Sintomas do Autismo pelos Pais. Revista Psicologia: Teoria e Pesquisa, 2014; 30: 25-33.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n6-006