A Flexibilidade arquitetônica como critério de habitação digna / Architectural flexibility as a criterion for decent housing

Clarianne Martins Braga Borges

Abstract


A habitação contemporânea padece de um olhar mais conectado com as transformações sociais, econômicas, urbanas e com o próprio indivíduo que habita o espaço privado. As propostas arquetípicas parecem não compreender os diversos grupos e indivíduos que necessitam habitar, nem a relação espacial que existe entre o ambiente individual e o coletivo. Uma habitação reformulada deveria buscar novos critérios e atender aos diversos estilos de vida, às diferentes fases de desenvolvimento socioeconômico da cidade e das pessoas, sendo fundamental manter-se adaptável às propostas mais recentes tanto no nível individual quanto no coletivo. Pensar projetos de habitação social, nos tempos atuais, requer compreender as necessidades individuais, a relação dos indivíduos com o meio e as possibilidades de mútua transformação. Quando o indivíduo se sente inserido em seu habitar, cria um sentimento de pertencimento e um elo evolutivo com espaço micro (individual) e macro (coletivo) que o circunda. Dessa forma, o ser humano tende a participar da construção da historicidade, vive a cidade e a moradia de maneira única, contribui, assim, para a construção da paisagem urbana. O estudo das questões habitacionais de caráter social se observa neste contexto atual e relevante de compreensão dos elementos fundamentais de produção da paisagem. A problemática habitacional pode ser considerada um dos principais desafios sociais urbanos, sendo tema de diversas discussões e debates acadêmicos. O artigo analisa a questão da flexibilidade como critério da habitação digna em projetos sociais. Nessa linha, o tema-problema que se desenvolveu diz respeito à possibilidade de se criar espaços plurais, destinados à construção cultural e histórica da habitação, por meio da inclusão participativa do indivíduo. A metodologia empregada no desenvolvimento da pesquisa se pautou em base bibliográfica, histórica, associada ao método hipotético-dedutivo.


Keywords


flexibilidade, habitação social, dignidade humana, direito à moradia, paisagem urbana.

References


AZEVEDO, S.; ANDRADE, L.A.G. Habitação e poder: da Fundação da Casa Popular ao Banco Nacional Habitação. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2011.

AZEVEDO, S. Desafios da Habitação Popular no Brasil: políticas recentes e tendências in Cardoso, A. L. (Org.). Habitação social nas metrópoles brasileiras: uma avaliação das políticas habitacionais em Belém, Belo Horizonte, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro e São Paulo no final do século XX. Porto Alegre: ANTAC. 2007.

AZEVEDO, S. O desempenho do poder público na área habitacional: um breve retrospecto. In: Déficit habitacional no Brasil.— Belo Horizonte: Fundação João Pinheiro, 1995.

BARROS, R. R. M. P. Brazilian Journal of Development, Curitiba, v.8, n.2, p.11259-11274.feb.2022

BONDUKI, N. Origens da Habitação Social no Brasil. 4ª. ed. São Paulo: Estação da Liberdade, 2004.

BRENNER, Neil. Espaços da urbanização: o urbano a partir da teoria crítica. Letra Capital Editora LTDA, 2018.

CARMO, E. C. A política habitacional no Brasil pós-Plano Real (1995-2002): diretrizes, princípios, produção e financiamento – uma análise centrada na atuação da Caixa Econômica Federal. 2006. Tese (Doutorado) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2006.

CORREIA, Telma de Barros. A construção do Habitat Moderno no Brasil – 1870-1950. São Carlos/SP. Rima. 2004.

COSTA, Heliara Aparecida; LOGSDON, Louise; FABRICIO, Márcio Minto. Flexibilidade em projetos de arquitetura: contribuições a partir de uma revisão sistemática da literatura. PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção, Campinas, SP, v. 8, n. 3, p. 144-160, set. 2017. ISSN 1980- 6809. Disponível em: http://dx.doi.org/10.20396/parc.v8i3.8650206. Acesso em: 16 jan. 2022.

CULLEN, Gordon. Paisagem urbana. São Paulo: Martins Fontes, 1983.

LEITE, Maria Angela Faggin Pereira. Destruição ou deconstrução. São Paulo: HUCITEC-FAPESP, 1994.

Luciano, F., & Mello, M. A questão da moradia na redemocratização do estado brasileiro. Élisée - Revista De Geografia Da UEG, 8(2), e82194. 2019.

MARICATO, Ermínia. As ideias fora do lugar e o lugar fora das ideias. In: ARANTES, Otília; VAINER, Carlos; MARICATO, Ermínia. A Cidade do Pensamento único, desmanchando consensos. 8 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

MARGUTI; B. O.; Políticas de Habitação. A nova agenda urbana e o Brasil: insumos para sua construção e desafios a sua implementação/organizadores: Marco Aurélio Costa, Marcos Thadeu Queiroz Magalhães, Cesar Buno Favarão. – Brasília: Ipea, 2018.

MONTEIRO, Adriana Roseno; VERAS, Antonio Tolrino de Rezende. A questão habitacional no Brasil. Mercator, Fortaleza, v. 16, e16015, 2017.

NAÇÕES UNIDAS. Declaração Universal dos Direitos Humanos. Disponível em: https://www.ohchr.org/EN/UDHR/Documents/UDHR_Translations/por.pdf. Acesso em: 16 jan. 2022.

PALLASMA, Juhani. Habitar. São Paulo. Editora Gustavo Gili. 2017.

ROSSI, Aldo. A arquitetura da cidade. 2 ed. Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

RYKWERT, Joseph. A Casa de Adão no Paraíso. São Paulo. Perspectiva. 2003.

SANTOS, Rafaela Amorim dos. Direito à moradia digna: análise jurídica à luz das jurisprudências brasileiras.2020. Trabalho de Conclusão de Curso. Faculdade Evangélica de Goianésia/GO. 2020.

SAULE JUNIOR, Nelson. A proteção jurídica da moradia nos assentamentos irregulares. Porto Alegre: SAFE, 2004.

SENNETT, Richard. Construir e Habitar. Ética para uma cidade aberta. Rio de Janeiro: Ed. Record. 2018.

TRAMONTANO, M. Habitações, metrópoles e modos de vida. Por uma reflexão sobre o espaço doméstico contemporâneo. 3º. Prêmio Jovens Arquitetos, categoria "Ensaio Crítico". São Paulo: Instituto dos Arquitetos do Brasil / Museu da Casa Brasileira, 1997. Disponível em: http://www.nomads.usp.br/site/livraria/livraria.html. Acesso em: 28 mai. 2022.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n6-009