Perfil de mulheres em situação de abortamento atendidas em um hospital maternidades de referência na Cidade de Manaus, Amazonas: um estudo transversal / Profile of women in abortion situation assisted in a reference maternity hospital in Manaus, Amazonas: a cross-sectional study

Adriely Lais de Souza Pereira, Milaine Nunes Gomes Vasconcelos, António Manuel Sousa

Abstract


Desde o final do século XIX, as mulheres mobilizaram-se na luta pelos direitos civis, políticos e sociais. Após a conquista dos anticoncepcionais, a taxa de gravidez indesejada e aborto diminuíram, mas não se pode extinguir o oferecimento de cuidados para o abortamento nos centros de saúde (World’s Health Organization, 2013; Governo do Estado, 2017). A presente pesquisa buscou descrever o perfil de mulheres em situação de abortamento, visando compreender suas realidades e quantificar os abortos registrados, classificando-os de acordo com os critérios da OMS (2013). Trata-se de um estudo transversal quanti-qualitativo desenvolvido em uma maternidade de referência da cidade de Manaus. A coleta de dados ocorreu após a assinatura do TCLE, pela técnica de urna. Estatística descritiva foi utilizada para descrever a amostra e as frequências observadas. De acordo com os resultados, a maioria da amostra é parda, com renda até três salários mínimos e no máximo o ensino médio completo, desempregadas, têm entre 20 e 34 anos, em união estável e vivem com o parceiro. Em 58% dos casos, os abortos foram considerados espontâneos, 34% possivelmente induzidos e 8% induzidos. Mais da metade não utilizava método anticoncepcional e o mais comum foi o preservativo. Sobre abortos induzidos, metade afirma ter utilizado Cytotec/Misoprostol e o restante, de chás ou mistura de ervas. Consideram-se satisfatórios os resultados encontrados. Disparidades regionais importantes foram encontradas, com notável influência da medicina empírica. Faz-se necessário a realização de pesquisas mais abrangentes, bem como da preparação dos profissionais de saúde para lidar com as adversidades da região e falta de conhecimento acerca de métodos contraceptivos.


Keywords


aborto espontâneo, interrupção involuntária da gravidez, aborto ilegal, aborto induzido, saúde sexual e reprodutiva.

References


Centro Brasileiro de Estudos da Saúde (CEBES). Em defesa das ações de saúde sexual e reprodutiva no contexto da pandemia da covid-19. Portal CEBES, jun 2020. Disponível em: < cebes.org.br/2020/06/em-defesa-das-acoes-de-saude-sexual-e-reprodutiva-no-contexto-da-pandemia-da-covid-19 >. Acesso em 17 jun 2020.

CÓDIGO PENAL BRASILEIRO. Decreto-Lei nº 2848/40, de 7 de dezembro de 1940. Art. 124-128 do Código Penal. [S. l.], 7 dez. 1940. Disponível em: https://presrepublica.jusbrasil.com.br/legislacao/91614/codigo-penal-decreto-lei-2848-40#art-124. Acesso em: 23 abr. 2019.

CONSTITUIÇÃO FEDERAL. Art. 5, inciso X da Constituição Federal de 88. [s.l], 1988. Disponível em: https://www.jusbrasil.com.br/topicos/10730704/inciso-x-do-artigo-5-da-constituicao-federal-de-1988. Acesso em: 23 abr. 2019.

DINIZ, Debora; MEDEIROS, Marcelo; MADEIRO, Alberto. Pesquisa Nacional de Aborto (PNA) 2016. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 22, n. 2, p. 653-660, fev. 2017. Disponível em . Acesso em 17 abr. 2019. http://dx.doi.org/10. 1590/1413-81232017222.23812016.

FERREIRA, Thayane Pereira da Silva; COSTA, Carmen Teresa. Saúde e redes vivas de cuidado integral na atenção básica: articulando ações estratégicas no território/Health and networks live of primary care: articulating strategic actions in the territory. Revisbrat, Rio de Janeiro, v. 1, n. 3, 2017. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/ribto/article/view/4750. Acesso em 24 abr. 2019.

GOVERNO DO ESTADO. Principais Lutas e Conquistas das Mulheres. Portal Gov.-BR, Cidadania e Justiça, 2017. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/cidadania-e-justica/2017/03/conheca-as-principais-lutas-e-conquistas-das-mulheres. Acesso em 24 abr. 2019.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Indígenas, gráficos e tabelas. Portal IBGE, Censo Demográfico 1991-2010. Acesso em 17 jun 2020. Link de acesso: < indigenas.ibge.gov.br/graficos-e-tabelas-2 >.

MARTINS-MELO, Francisco Rogerlândio et al. Tendência temporal e distribuição espacial do aborto inseguro no Brasil, 1996-2012. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 48, n. 3, p. 508-520, jun. 2014. Disponível em: < scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102014000300508&lng=en&nrm=isso> . Acesso em 17 abr. 2019.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Atenção Humanizada ao Abortamento: norma técnica. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Brazília: MS, 2005. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/atencao_humanizada_abortamento.pdf. Acesso em: 23 abr. 2019.

NUNES, Maria das Dores; MADEIRO, Alberto; DINIZ, Debora. Histórias de aborto entre adolescentes em Teresina, Piauí, Brasil. Rev. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 18, n. 8, p. 2311-2318, ago. 2013. Disponível em . Acesso em 21 de abril de 2019. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232013000800015.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Abortamento seguro: orientação técnica e de políticas para sistemas de saúde – 2ª ed. Sitio web da OMS: [s. n.], 2013. Disponível em: < https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/70914/9789248548437_por.pdf?sequence=7 >. Acesso em: 21 abr. 2019.

RAMOS, Karla da Silva; FERREIRA, Ana Laura Carneiro Gomes; SOUZA, Ariani Impieri de. Mulheres hospitalizadas por abortamento em uma Maternidade Escola na Cidade do Recife, Brasil. Rev. esc. enferm. USP, São Paulo, v. 44, n. 3, p. 605-610, set. 2010. Disponível em . Acesso em 17 abr. 2019.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n6-007