Alopecia frontal fibrosante / Frontal fibrosing alopecia

Silvestre Júlio Souza da Silveira, Ana Beatriz Gonçalves de Souza, Bruna Carolina Miranda de Carvalho, Jean Matheus Guedes Cardoso, Jullya Alves Lourenço

Abstract


A alopecia cicatricial é um tipo de alopécia caracterizada pela queda de cabelo de forma irreversível, que pode ser desencadeada por uma malformação, dano ou destruição dos folículos. É dividida em primária, quando ocorre uma destruição inflamatória direta, e secundária, quando o processo inflamatório ou dano acontece no tecido circundante. Dentro das alopecias primárias existem as linfocíticas, neutrofílicas e mista, sendo essa classificação dependente do tipo de células predominante no infiltrado inflamatório. O trabalho aborda os principais pontos a respeito da alopecia frontal fibrosante, desde a etiologia até os tratamentos com maior eficácia. Trata-se de uma revisão literária nas bases de dados bibliográficos PubMed, Scientific Electronic Library Online (SciELO) e Literatura Latino-America e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS). Os artigos escolhidos foram selecionados entre os anos 2015 e 2020 e teve como auxílio o uso de descritores em ciências da saúde (DeCS). Foram destacados como principais acometidos as mulheres em período de menopausa, além disso, pontuou-se a relevância dos métodos diagnósticos e sua atuação de forma precoce, a fim de evitar a perda irreversível do folículo. No que diz respeito ao tratamento, apesar de não existir um específico, foi feito um compilado das principais intervenções, que apresenta como empecilho a etiologia obscura na maioria dos casos. É notório que a doença apresenta uma tendência de elevação dos casos, entretanto, questões a respeito da etiologia, diagnóstico precoce e tratamento ainda se apresentam de forma desajustada, logo é substancial a busca por novas pesquisas para avançar em intervenções inovadoras e eficazes e, por efeito, regressão dessa patologia.


Keywords


alopecia cicatricial, tratamento, alopecia frontal fibrosante.

References


ANZAI, ALESSANDRA et al. Pathomecanismos de alopecia imuno-mediada. Imunologia internacional, v. 31, n. 7, p. 439-447, 2019.

A. ROBINSON GUERREIRO DR.; CH. MARIANA KAHN DRA. Alopeciais. REV. MED. CLINI. CONDES, v. 22, n. 6, p. 775-783, 2011. https://doi.org/10.1016/S0716-8640(11)70490-4

CID, P. MALDONADO et al. Alopecia frontal fibrosante: estudio retrospectivo de 15 pacientes. Actas Dermosifiliogr., v. 111, n. 6, p. 487-495, 2020.

KANTI, VARVARA et al. Cicatricial alopecial. JDDG: Journal Der Deutschen Dermatologischen Gesselschaft, v. 16, n. 4, p. 435-461, 2018. DOI: 10.1111/ddg.13498.

MIRMIRANI, PARADI et al. Frontal Fibrosing Alopecia: An Emerging Epidemic. Skin Appedage Discord, v. 5, p. 90-93, 2019. https://doi.org/10.1159/000489793.

QI JI, GARZA L.A. An overview of alopecias. Cold Spring Harb Perspect Med, v. 1, n. 3, 2014. doi: 10.1101/cshperspect.a013615.

CRANWELL, W. C.; SINCLAIR, R. Frontal fibrosing alopecia: Regrowth following cessation of sunscreen on the forehead. Australasian Journal of Dermatology, v. 60, n. 1, p. 60–61, 12 jun. 2018.

FERTIG, R.; TOSTI, A. Frontal fibrosing alopecia treatment options. Intractable & Rare Diseases Research, v. 5, n. 4, p. 314–315, 2016.

GAMRET, A. C. et al. Frontal fibrosing alopecia: efficacy of treatment modalities. International Journal of Women’s Health, v. Volume 11, p. 273–285, abr. 2019.

HARRIES, M. J. et al. Lichen Planopilaris and Frontal Fibrosing Alopecia as Model Epithelial Stem Cell Diseases. Trends in Molecular Medicine, v. 24, n. 5, p. 435–448, maio 2018.

Heppt M V, Letulé V, Laniauskaite I, et al. Frontal fibrosing alopecia: a retrospective analysis of 72 patients from a German academic center. Facial Plast Surg. [Internet]. 2018;34(1):88-94. Disponível em: https://www.thiemeconnect.com/products/ejournals/abstract/10.1055/s-0037-1615281

IMHOF, R. L. et al. Frontal Fibrosing Alopecia in Women: The Mayo Clinic Experience With 148 Patients, 1992-2016. Mayo Clinic Proceedings, v. 93, n. 11, p. 1581–1588, nov. 2018.

RAKOWSKA A;GRADZIŃSKA A;OLSZEWSKA M;RUDNICKA L. Efficacy of Isotretinoin and Acitretin in Treatment of Frontal Fibrosing Alopecia: Retrospective Analysis of 54 Cases. Journal of drugs in dermatology : JDD, v. 16, n. 10, 2017.

Soares VC, Mulinari-Brenner F, Souza TED. Lichen planopilaris epidemiology: a retrospective study of 80 cases. Anais brasileiros de dermatologia. [Internet]. 2015;90(5):666-670. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0365- 05962015000500666&script=sci_arttext

STRAZZULLA, L. C. et al. Prognosis, treatment, and disease outcomes in frontal fibrosing alopecia: A retrospective review of 92 cases. Journal of the American Academy of Dermatology, v. 78, n. 1, p. 203–205, jan. 2018.

TAVAKOLPOUR, S. et al. Frontal fibrosing alopecia: An update on the hypothesis of pathogenesis and treatment. International Journal of Women’s Dermatology, v. 5, n. 2, p. 116–123, jun. 2019.

TOLKACHJOV, S. N. et al. Reply to: “Updated diagnostic criteria for frontal fibrosing alopecia”. Journal of the American Academy of Dermatology, v. 78, n. 1, p. e23–e24, jan. 2018.

TZIOTZIOS, C. et al. Frontal fibrosing alopecia: reflections and hypotheses on aetiology and pathogenesis. Experimental Dermatology, v. 25, n. 11, p. 847–852, 28 out. 2016.

VAÑÓ-GALVÁN, S. et al. Updated diagnostic criteria for frontal fibrosing alopecia. Journal of the American Academy of Dermatology, v. 78, n. 1, p. e21–e22, jan. 2018.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n6-025