Movimentos identitários de professores do ensino superior / Identity movements of higher education teachers

Rodrigo Toledo, Rodnei Pereira

Abstract


O objetivo do presente texto é analisar os movimentos identitários de professores de Cursos Superiores de Tecnologia. Foram entrevistados sete participantes de Instituições de Ensino Superior privadas, da cidade de São Paulo, aos quais se solicitou que escrevessem uma carta contendo um conjunto de recomendações a professores iniciantes, e que atuavam em cursos superiores de formação tecnológica. A discussão dos dados teve como referencial teórico autores como Souza e Placco (2017), Kohlrausch (2015), Blommaert e Hampton (2011), Dubar (2009), Zabala (1997). Os resultados sugerem que os movimentos identitários docentes dos participantes são fortemente ancorados em modelos de gestão empresarial que são a maior referência para o seu desenvolvimento profissional docente. Nesse sentido, os processos de formação de professores para o ensino superior, sobretudo daqueles que não frequentaram cursos de licenciatura em sua formação inicial, precisam ser objeto de atenção por parte das políticas educacionais e das Instituições de Ensino Superior.


Keywords


formação de professores, cursos superiores de formação tecnológica, movimentos identitários de professores.

References


BLOMMAERT, J.; RAMPTON, B. Language and superdiversity. Diversities, v. 13, n.2 (2011). Disponível em: www.unesco.org/shs/diversities/vol13/issue2/art1. Acesso em 24 julho 2021.

BOUTINET, J-P. A imaturidade da vida adulta. Porto: Portugal: Rés, 1999.

CANDELA, A.; COLL, C.; ROCKWELL, E.¿Qué demonios pasa en las aulas? La investigación cualitativa del aula. CPU-e, Revista de Investigación Educativa , 8. jan./jun. 2009. Disponível em: . Acesso em 24 julho 2021.

CASTELLS, M. A transformação do trabalho e do mercado de trabalho: trabalhadores ativos na rede, desempregados e trabalhadores com jornadas flexíveis. In: A sociedade em rede. A era da informação: economia, sociedade e cultura. São Paulo: Paz e Terra, 1999. v. I.

CHIZOTTI, A. Pesquisa qualitativa em ciências humanas e sociais. Petrópolis: Vozes, 2008.

CIAMPA, A. C. A estória do Severino e a história da Severina. Psicologia Social. São Paulo: Brasiliense, 2001.

COLL, C. et al. O construtivismo na sala de aula. São Paulo: Ática, 1997.

DEJOURS, C. Uma nova visão do sofrimento humano nas organizações. In: CHANLAT, Jean-François (Coord.). O indivíduo na organização: dimensões esquecidas. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1996. p. 152.

DEJOURS, C. A banalização da injustiça social. Rio de Janeiro: FGV, 1999.

DUBAR, C. A crise das Identidades: a interpretação de uma mutação. São Paulo: Edusp, 2009.

DUBAR, C. A socialização: construção das Identidades sociais e profissionais. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

KOHLRAUSCH, R. Gênero epistolar: a carta na literatura, a literatura na carta, rede de sociabilidade, escrita de si. Letrônica, 8(1), 148-155, 2015. Disponível em: https://doi.org/10.15448/1984-4301.2015.1.21361. Acesso em 24 julho 2021.

LÜDKE, M.; BOING, L. A. Caminhos da profissão e da profissionalidade docentes. Educ. Soc., Campinas, v. 25, n. 89, p. 1159-1180, dez. 2004.

MORAES, A. A. A. Tarrafa de pescaria: o uso de carta na pesquisa. Interface - Comunic., Saúde, Educ,. v. 10, n. 19, p. 169-84, jan./jun. 2006.

SILVA, J.Q.G. Um estudo sobre o gênero carta pessoal: das práticas comunicativas aos indícios de interatividade na escrita dos textos. Tese (Doutorado em Letras: Estudos Linguísticos). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2002.

SOUZA, V.T.T.; PLACCO, V.M.N. de S. Um, nenhum e cem mil: a identidade do coordenador pedagógico e as relações de poder na escola. In: PLACCO, V.M.N. de S.; ALMEIDA, L.R. de. (Orgs). O coordenador pedagógico e a legitimidade de sua atuação. São Paulo: Loyola, 2017.

TARDIF, M.; LESSARD, C. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. Petrópolis: Vozes, 2009.

TOLEDO, R. De não-professor a professor: uma reflexão sobre a construção da identidade profissional de professores de cursos de formação superior tecnológica. Dissertação de Mestrado. Programa de Mestrado em Educação. São Paulo: Universidade Cidade de São Paulo, 2011.

TOLEDO, R.; PEREIRA, R. Entre recomendações aos outros, revelam-se os ‘si mesmos’: notas sobre a construção da identidade profissional de um grupo de professores de cursos superiores de tecnologia da cidade de São Paulo. In: DIAS, E.T.D.M. Psicologia e Educação: fronteiras do conhecimento. Jundiaí: Paco Editorial, 2015.

ZABALA, A. Os enfoques didáticos. In: COLL, César et al. O construtivismo na sala de aula. São Paulo: Ática, 1997. p. 160-161.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n6-048