Caracteristicas das mães e recém-nascidos em um estado da Amazônia legal / Characteristics of the mothers and newborns in a state of the legal Amazon

Aline Dias do Amaral, Flaviani Thoze de Oliveira, Jaqueline Monte Stevanato, Sibeli Balestrin, Josiane Bruna Mesquita

Abstract


Introdução: o reconhecimento das características socioeconômicas das mães e seus recém-nascidos e das condições de assistência à gestação e ao parto são importantes para a identificação de situações de risco à saúde materno-infantil. Objetivo: identificar as características das mães e recém-nascidos nas Regiões de Saúde do estado de Rondônia no ano de 2019, a partir do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos. Metodologia: estudo exploratório descritivo, que utilizou o Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos para coleta de dados. A análise das variáveis maternas, de assistência à gestação e ao parto e dos recém-nascidos para o estado e suas regiões de saúde foi realizada por meio do cálculo de proporções. Resultados: os principais resultados apontam que o estado e suas regiões de saúde obtiverem percentuais elevados de número insuficiente de consultas no pré-natal e partos cesáreo, o que somado às características socioeconômicas maternas como gestantes adolescentes, com baixa escolaridade, solteiras e não brancas podem ter influenciado nos percentuais de prematuridade, baixo peso e baixa vitalidade dos recém-nascidos em algumas regiões de saúde. Conclusão: o Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos contribuiu de forma eficiente para a coleta de dados e a análise dos mesmos aponta para necessidade de planejamento e implementação de medidas para melhorar a rede de atenção à gestação, parto e puerpério, espera-se que isso reflita de forma positiva nas demais variáveis.


Keywords


estatísticas vitais, sistemas de informação, nascidos vivos.

References


ANJOS, J. C; BOING, A. F. Diferenças regionais e fatores associados ao número de consultas de pré-natal no Brasil: análise do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos em 2013. Rev. Bras. Epidemiol, v.19, n.4, p.835-50, 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbepid/a/fWsgnnQVHNYBSbrYv5ZR8NJ/?lang=pt&format=pdf Acesso em: 31 mai. 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Atenção ao pré-natal de baixo risco. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2012. Disponível em:

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Diretoria de Apoio Administrativo ao Sistema de Saúde. Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos – SINASC [online]. Brasília: Ministério da Saúde, 2019. Disponível em: http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php?area=0205&id=6936&VObj=http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?sinasc/cnv/nv. Acesso em: 28 de março de 2021.

CAMPOS, D. A; PEIXOTO, M. do S. R. M. e; MEDEIROS, B. G. de S. et al. Fatores genéticos: prevalência de mortalidade neonatal e anomalias congênitas. Journal Of Biology e Pharmacy And Agricultural Management, Campina Grande - Pb, v. 13, n. 2, p. 1-10, 2017. Semestral. Disponível em: https://scholar.google.com.br/scholar?hl=pt-BR&as_sdt=0%2C5&as_ylo=2017&q=prevalencia+de+mortalidade+neonatal+e&btnG=#d=gs_qabs&u=%23p%3DWQ-3OTfoNyAJ. Acesso em: 11 maio 2021.

COELHO, V. C; ANDRADE, M. S; SENA, C. D. et al. Caracterização dos óbitos maternos em três regiões de saúde do Centro-Norte Baiano. Cogitare Enferm, v.21, n.1, p. 01-08, 2016. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/42475 Acesso em: 31 mai. 2021.

DIAS, E. G; OLIVEIRA, C. K. N. de; SOUZA, E. L. S. Barreiras encontradas por mães adolescentes para adesão precoce ao pré-natal. Journal Health Npeps, v.5, n.1, p.160-173, 2020. Disponível em: https://periodicos.unemat.br/index.php/jhnpeps/article/view/4435/3604. Acesso em: 14 abr. 2021.

DONDÉ, J. P; SONCINI, T. C. B; NUNES, R. D. Fatores associados ao baixo índice de Apgar no quinto minuto de vida em recém-nascidos. AMB, v.49, n.3, p.69-80, 2020. Disponível em: http://www.acm.org.br/acm/seer/index.php/arquivos/article/view/760/456 Acesso em: 17 de maio 2021.

FERRARI, A. P; ALMEIDA, M. A. M; CARVALHAES, M. A. B. L. et al. Efeitos da cesárea eletiva sobre os desfechos perinatais e práticas de cuidado. Rev. Bras. Saúde Mater. Infant. v. 20, n. 3, p. 889-98, 2020. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbsmi/a/GDFLb8rFvqSSBpHdDhcDwbg/?lang=pt&format=pdf Acesso em: 17 de maio 2021.

FRANÇA, E. B; LANSKY, S; REGO, M. A. S. et al. Principais causas da mortalidade na infância no Brasil, em 1990 e 2015: estimativas do estudo de Carga Global de Doença. Rev Bras Epidemiol, n.20, supl 1, p.46-60, 2017. Disponível em: https://www.scielosp.org/pdf/rbepid/2017.v20suppl1/46-60/pt Acesso em: 20 de maio de 2021.

GAIVA; M. A. M; LOPES, F. S. P; FERREIRA, S. M. B. et al. Óbitos neonatais de recém-nascidos de baixo peso ao nascer. Revista Eletrônica de Enfermagem, [S. l.], v. 20, 2018. DOI: 10.5216/ree.v20.47222. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/fen/article/view/47222. Acesso em: 25 de maio 2021.

GAIVA, M. A. M; MODES, P. S. S. dos A; STEVANATO, J. M. Fatores associados à prematuridade: análise dos dados do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos. J Nurs UFPE on line, v. 9, n.12, p.1110-7, 2015. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/10814/11994 Acesso em: 25 de fevereiro de 2021.

GOUDARD, M. J. F; SIMÕES, V. M. F; BATISTA, R. F. L. et al. Inadequação do conteúdo da assistência pré-natal e fatores associados em uma coorte no nordeste brasileiro. Ciência & Saúde Coletiva, v.21, n.4, p. 1227-38, 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/j/csc/a/NyZgXRT8LZbvFm47gXRQp7c/?lang=pt&format=pdf Acesso em: 31 mai. 2021.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Densidade demográfica. IBGE, Censo Demográfico 2010, Área territorial brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 2011. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ro/panorama Acesso em: 05 de março de 2021.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. População estimada. IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais, Estimativas da população residente com data de referência 1º de julho de 2020. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ro/panorama Acesso em: 05 de março de 2021.

PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO. Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). PNUD, 2010. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ro/panorama Acesso em: 05 de março de 2021.

JANUÁRIO, G. da C; VIEIRA, C. S; NUNES, F. D. D. et al. Características maternas e neonatais a partir das declarações de nascidos vivos. Rev. Enferm UFPE [online], v.10, n.9, p. 3313-9, 2016. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/11411/13191. Acesso em: 19 de fevereiro de 2021.

LEAL, M. do C; GAMA, S. G. N. da; PEREIRA, A. P. E. et al. A cor da dor: iniquidades raciais na atenção pré-natal e ao parto no Brasil. Cad. Saúde Pública, n 33, sup. 1, p. 01-17, 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/j/csp/a/LybHbcHxdFbYsb6BDSQHb7H/?lang=pt&format=pdf Acesso em: 17 de maio 2021.

MALLMANN, M. B; BOING, A. F; TOMASI, Y. T. et al. Evolução das desigualdades socioeconômicas na realização de consultas de pré-natal entre parturientes brasileiras: análise do período 2000-2015. Epidemiol. Serv. Saude, v. 27, n. 4, p. 01-11, 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ress/a/9cSHcRVQKmqhXkqgQz4NxTf/?lang=pt&format=pdf Acesso em: 17 de maio 2021.

MARINHO, F; ARAÚJO, V. E. M. de; PORTO, D. L. et al. Microcefalia no Brasil: prevalência e caracterização dos casos a partir do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (Sinasc), 2000-2015. Epidemiol. Serv. Saude, v. 25, n. 4, p. 701-712, 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ress/a/nwGLZsdg3K5Ff7Zxn4cwkYh/?lang=pt&format=pdf Acesso em: 31 mai. 2021.

MARTINS, I. P. M; NAKAMURA, C. Y; CARVALHO, D. R. Variáveis associadas à mortalidade materna e infantil: uma revisão integrativa. Revista de Atenção À Saúde, São Caetano do Sul, Sp, v. 18, n. 64, p. 149-165, abr. 2020. Disponível em: https://seer.uscs.edu.br/index.php/revista_ciencias_saude/article/view/6576 Acesso em: 03 mar. 2021.

MENDES, I. C; JESUINO, R. S. A; PINHEIRO, D. da S. et al. Anomalias congênitas e suas principais causas evitáveis: uma revisão. Revista Médica de Minas Gerais, Minas Gerais, v. 28, p. 1-6, 2018. Disponível em: http://www.dx.doi.org/10.5935/2238-3182.20180011. Acesso em: 11 maio 2021.

MORAIS, S. S. F. de; LINARD; C. F. B. M; SILVA, F. R. da et al. Fatores associados ao óbito neonatal precoce em um estado do nordeste brasileiro. Research, Society And Development, [Internet], v. 10, n. 1, p. 2525-3409, 2021. Disponível em: http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v10i1.114683. Acesso em: 03 mar. 2021.

MOREIRA, K. F. A; BICALHO, B. O; SANTOS, L. C. S. et al. Perfil e evitabilidade de óbito neonatal em um município da Amazônia Legal. Cogitare Enferm, v.22, n. 2, p. e48950, 2017. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/48950/pdf Acesso em: 31 mai. 2021.

NASCIMENTO, I. B; PACHECO, V. C; SOUZA, M. L. R. et al. Assistência pré-natal e resultado perinatal. Rev. Bras. Promoç. Saúde, v.30, n.2, p. 187-94, 2017. Disponível em: https://periodicos.unifor.br/RBPS/article/view/5953 Acesso em: 31 mai. 2021.

NUNES, A. D. S; AMADOR, A. E; DANTAS, A. P. Q. M. et al. Acesso à assistência pré-natal no Brasil: análise dos dados da pesquisa nacional de saúde. Rev. Bras. Promoç. Saúde, v.30, n.3, p.1-10, 2017. Disponível em: https://periodicos.unifor.br/RBPS/article/view/6158 Acesso em: 31 mai. 2021.

OLIVEIRA, R. R; SANTOS, S. S. C; MELO, E. C. et al. Nascimento prematuro e assistência pré-natal: revisão integrativa à luz de Canguilhem. J. res.: fundam. care [online]. v.8, n.3, p. 4616-22, 2016. Disponível em: http://seer.unirio.br/cuidadofundamental/article/view/3149/pdf_1 Acesso em: mai. 2021.

OLIVEIRA, L. L. de; GONÇALVES, A. de C; COSTA, J. S. D. da. et al. Fatores maternos e neonatais relacionados à prematuridade. Rev Esc Enferm USP., v.50, n.3, p.382-89, 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/j/reeusp/a/7MGKxJcY8Ldgf8ynN69LWJk/?format=pdf〈=pt Acesso em: 08 de março de 2021.

OLIVEIRA, S. M; LÓPEZ, M. L. Panorama epidemiológico de malformações congênitas no Brasil (2013-2017). Revista Multidisciplinar (Mineiros), v.8, n.2, p.01-05, 2020. Disponível em: http://revistas.famp.edu.br/revistasaudemultidisciplinar/article/view/121/115 Acesso em: 20 de maio de 2021.

RIBEIRO, C. da C; PACHELLI, M. R. de O; AMARAL, N. C. de O. et al. Habilidades do desenvolvimento de crianças prematuras de baixo peso e muito baixo peso. CoDAS, v. 29, n.1, 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/j/codas/a/QYdQVQtxVNg5w9kbjb3L79F/?format=pdf〈=pt Acesso em: 15 de maio de 2021.

ROSA, M. W. R. Desfechos Neonatais em cesarianas eletivas em um hospital privado do sul do Brasil. 2018. 96 f. Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Faculdade de Medicina, Programa de Pós-graduação em Ciências da Saúde, Porto Alegre, RS, 2018. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/181085/001073659.pdf?sequence=1&isAllowed=y Acesso em: 31 mai. 2021.

SANTOS, N. C. P; VOGT, S. E; DUARTE, E. D. et al. Fatores associados ao baixo Apgar em recém-nascidos em centro de parto. Rev Bras Enferm., n. 72, Sup. 3, p.311-8, 2019. Disponível em: https://www.scielo.br/j/reben/a/ck7tN4vbpTLfd8FbG9bdwJL/?lang=pt&format=pdf Acesso em: 17 de maio 2021.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA. DEPARTAMENTO CIENTÍFICO DE NEONATOLOGIA. Prevenção da Prematuridade – uma intervenção da gestão e da assistência. Documento Científico, n2, 2017. Disponível em: https://www.sbp.com.br/fileadmin/user_upload/20399b-DocCient_-_Prevencao_da_prematuridade.pdf Acesso em: 20 de fevereiro de 2021.

SILVA, C. R. A. da; PEREIRA; G. M; JESUS, M. B. de et al. Depressão pós-parto: a importância da detecção precoce e intervenções de enfermagem. Revista Brasileira Interdisciplinar de Saúde, Rebis [Internet], v. 2, n. 2, p. 12-19, 2020. Disponível em: https://revistarebis.rebis.com.br/index.php/rebis/article/view/82/115. Acesso em: 20 abr. 2021.

SILVA, B. A. B. da, ROSA; W de A. G; OLIVEIRA I. S. B. et al. Depressão em gestantes atendidas na atenção primária à saúde. Cogitare enferm. [Internet], v.25, 2020. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/69308/pdf Acesso em: 15 abr. 2021.

SIMÃO, C. R. Índice de Apgar e comorbilidades no recém-nascido Estudo retrospetivo de 2 anos no CHUCB. 2020. 50 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade da Beira Interior, Ciências da Saúde, Covilhã, PT, 2020. Disponível em: https://ubibliorum.ubi.pt/bitstream/10400.6/10687/1/7429_15852.pdf Acesso em: 16 de maio 2021.

STEVANATO, J. M; GAÍVA, M. A. M; MATHIAS, T. A. de F. Análise da qualidade do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos. Cienc Cuid Saude, v. 16, n. 2, 2017. Disponível em: https://periodicos.uem.br/ojs/index.php/CiencCuidSaude/article/view/36509/pdf Acesso em: 31 mai. 2021.

STEVANATO, J. M; GAÍVA, M. A. M; SILVA, A. M. C. da. Tendência da cobertura do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos em Mato Grosso, 2000 a 2012. Epidemiol. Serv. Saúde [online], v. 26, n. 2, p. 265-74, 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ress/v26n2/2237-9622-ress-26-02-00265.pdf. Acesso em: 15 de abril de 2021.

SZWARCWALD, C. L; LEAL, M. do C; ESTEVES-PEREIRA, A. P. et al. Avaliação das informações do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (SINASC). Brasil. Cad. Saúde Pública, v. 35, n.10, p. 01-13, 2019. Disponível em: https://www.scielosp.org/pdf/csp/2019.v35n10/e00214918/pt Acesso em: 05 março de 2021.

THEOPHILO, R. L; RATTNER, D; PEREIRA, E. L. Vulnerabilidade de mulheres negras na atenção ao pré-natal e ao parto no SUS: análise da pesquisa da Ouvidoria Ativa. Ciência & Saúde Coletiva, v.23, n.11, p.3505-16, 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/j/csc/a/MsvQjnbsTvS3cSvvrqyyCCz/?lang=pt&format=pdf Acesso em: 18 de maio de 2021.

TOMASI, E; FERNANDES, P. A. A; FISCHER, T. et al. Qualidade da atenção pré-natal na rede básica de saúde do Brasil: indicadores e desigualdades sociais. Cad. Saúde Pública, v.33, n.3, p. e00195815, 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/j/csp/a/Ltr3JY8CdWTkbxmhTTFJsNm/?format=pdf〈=pt Acesso em: 31 mai. 2021.

VILELA, A. C; NAZARIO, N. O; NUNES, R. D. Estudo comparativo dos resultados maternos e neonatais entre cesariana eletiva e cesariana de emergência. ACM, v. 48, n.4, p.140-51, 2019. Disponível em: http://www.acm.org.br/acm/seer/index.php/arquivos/article/view/587/383 Acesso em: 10 de maio de 2021.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Declaração da OMS sobre taxas de cesáreas. [internet]. Genebra, 2015. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/161442/3/WHO_RHR_15.02_por.pdf. Acesso em: 14 de maio de 2021.

ZANOTELLI, S. dos. S. A evolução da prematuridade no estado de Santa Catarina de 2011 a 2015. 2017. 110 f. Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Escola de Enfermagem, Programa de Pós-graduação em Enfermagem, Porto Alegre, RS, 2017. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/200504/001055687.pdf?sequence=1&isAllowed=y Acesso em: 31 mai. 2021.

ZANELLA, L. C. H. Metodologia da Pesquisa. 2 ed. Reimp – Florianópolis: Departamento de Ciências da Administração/UFSC, 2013.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n6-066