Avaliação da rotulagem e do perfil nutricional de alimentos industrializados destinados para o público infantil / Evaluation of the labeling and nutritional profile of processed foods intended for children

Márcia Liliane Rippel Silveira, Vanessa Pires da Rosa, Andréia Cirolini

Abstract


A oferta de alimentos industrializados, especialmente os ultraprocessados, é desaconselhada nos primeiros anos de vida, uma vez que o consumo destes alimentos está associado à anemia, ao excesso de peso e a alergias alimentares. O objetivo do trabalho foi avaliar a conformidade dos rótulos de alimentos industrializados destinados para o público infantil frente à legislação brasileira vigente e analisar os teores de sódio, açúcares livres, edulcorantes e gorduras totais, saturadas e trans descritos no rótulo. Os nutrientes foram avaliados com base no Modelo de Perfil Nutricional da OPAS. Os resultados da avaliação mostraram que os rótulos apresentaram alguma não conformidade frente as normas exigidas pela legislação vigente sobre rotulagem de alimentos. Em relação ao perfil nutricional, a maioria dos produtos avaliados apresenta excesso de nutrientes críticos, principalmente açúcares livres, sódio e gorduras saturadas, o que torna muitos destes alimentos comercializados inadequados para o consumo, especialmente na alimentação infantil. Conclui-se que há necessidade de um maior controle por parte dos órgãos governamentais quanto ao cumprimento das exigências legais, para que os rótulos tenham informações fidedignas e não induzam os consumidores ao erro. Ressalta-se ainda a importância da implantação da nova legislação sobre rotulagem de alimentos que permita o consumidor ter clareza sobre a qualidade e a quantidade dos constituintes nutricionais nos produtos que adquire.


Keywords


rótulo, legislação, informação nutricional, alimentação infantil.

References


BRASIL. Ministério da Saúde. Guia alimentar para a população brasileira. Brasília: MS; 2014.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 259, de 20 de setembro de 2002. Aprova o Regulamento Técnico sobre Rotulagem de Alimentos Embalados. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 23 set. 2002.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 359, de 23 de dezembro de 2003. Aprova Regulamento Técnico de Porções de Alimentos Embalados para Fins de Rotulagem Nutricional. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, 26 dez. 2003a.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC n° 360, de 23 de dezembro de 2003. Aprova Regulamento Técnico sobre Rotulagem Nutricional de Alimentos Embalados, tornando obrigatória a rotulagem nutricional. Diário Oficial da República do Brasil, Brasília, 26 dez. 2003b.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Lei nº 10.674, de 16 de maio de 2003. Obriga que os produtos alimentícios comercializados informem sobre a presença de glúten, como medida preventiva e de controle da doença celíaca. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília,16 maio. 2003c.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC n° 26, de 02 de julho de 2015. Dispõe sobre os requisitos para rotulagem obrigatória dos principais alimentos que causam alergias alimentares. Diário Oficial da República do Brasil, Brasília, 03 julho. 2015.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC n° 136, de 08 de fevereiro de 2017. Estabelece os requisitos para declaração obrigatória da presença de lactose nos rótulos dos alimentos. Diário Oficial da República do Brasil, Brasília, 09 fevereiro. 2017.

BRITO, D. M. P. et al. Práticas inadequadas da alimentação complementar em lactentes, residentes em Belém-PA. Revista Paraense de Medicina, v. 27, n. 2, 2013.

OPAS. Organização Pan-Americana da Saúde. Modelo de Perfil Nutricional da Organização Pan-Americana da Saúde. Washington, DC: OPAS, 2016.

SANTIAGO, L. B. et al. Introdução de alimentos supérfluos no primeiro ano de vida e as repercussões nutricionais. Ciência, Cuidado e Saúde, v. 10, n. 3, p. 430-436, 2011.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n6-076