Fungetur e pandemia: análise das operações de crédito contratadas pelos clusters turísticos brasileiros de 2018 a 2020 / Fungetur and pandemic: analysis of credit operations contracted by brazilian tourism clusters from 2018 to 2020

Fátima Mottin, Ellen Corrêa Wandembruck Lago, Maria Lucia Figueiredo Gomes de Meza, Inácio Andruski Guimarães

Abstract


O turismo possui grande importância para as nações, pois contribui para o crescimento econômico, auxilia na diminuição das desigualdades e promove o desenvolvimento local e regional. Um importante impulsionador econômico de algumas regiões brasileiras, o turismo foi um dos setores mais atingidos pela pandemia, sendo assim o presente estudo tem por objetivo identificar as operações de crédito contratadas pelos clusters turísticos no Fundo Geral do Turismo (Fungetur) no período de 2018 a 2020 a fim de analisar se as políticas públicas de enfrentamento ao coronavírus tiveram indícios de maior alcance nos clusters turísticos e nos municípios em 2020. Para isso, o estudo utilizou-se de informações da Categorização dos Municípios Turísticos e das operações contratadas no Fungetur no período de 2018 a 2020. A análise dos dados possibilitou identificar que o número de regiões turísticas que buscaram recursos aumentou significativamente de 2018 a 2020, e ainda, as operações em 2020 foram utilizadas basicamente para enfrentamento da crise para assegurar a manutenção dos empreendimentos turísticos existentes e a cobertura de despesas.


Keywords


turismo, desenvolvimento econômico, fungetur, pandemia.

References


ALEKSANDROVA, A. Yu. Typologyof countries ofthe world accordingtothedevelopmentlevelofinternationaltourism. Geographyand Natural Resources, v. 37, n. 1, p. 18-25, 2016. Disponível em: . Acesso em: 24 fev. 2021.

BARDAL, R.; ALBERTON, A.; CAMPOS, L. M. de S. As dimensões e métodos de mensuração da sustentabilidade e o turismo: uma discussão teórica. Revista de Gestão Social e Ambiental, v. 4, n.2, p. 138-155, maio/ago. 2010.

BARRETO, M. Manual de iniciação ao estudo do turismo. 17 ed. Campinas: Papirus, 2006.

BO, Z.; BI, Y.; HENGYUN, L.; HAILIN, Q. The spillovereffectofattractions: EvidencefromEastern China. TourismEconomics, v. 23, n. 4, p. 731-743, 2017. Disponível em: . Acesso em: 03 nov. 2019.

BOYER, R. Estado, mercado e desenvolvimento: uma nova síntese para o século XXI?. Economia e Sociedade, v. 8, n. 1, p. 1-20, 1999. Disponível em: . Acesso em: 24 fev. 2021.

BRASIL. Casa Civil. Decreto Lei nº 1.191 de 27 de outubro de 1971. Disponível em: . Acesso em: 14 fev. 2021.

_____. _____. Lei nº 11.771 de 17 de setembro de 2008. Disponível em: . Acesso em: 18 fev. 2021.

_____. Ministério do Turismo. Turismo rural: orientações básicas. / Ministério do Turismo, Secretaria Nacional de Políticas de Turismo, Departamento de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico, Coordenação Geral de Segmentação. – 2.ed – Brasília: Ministério do Turismo, 2010. 68p. Disponível em: . Acesso em: 22 nov. 2020.

_____. _____. Fundo Geral do Turismo, 2021. Disponível em: . Acesso em: 16 fev. 2021.

_____. _____. Categorização dos municípios, 2019a. Disponível em: . Acesso em: 14 fev. 2021.

_____. _____. O que é a Categorização?, 2019b. Disponível em: . Acesso em: 23 fev. 2021.

_____. _____. Categorização dos Municípios das Regiões Turísticas do Mapa do Turismo Brasileiro: PERGUNTAS E RESPOSTAS, 2019c. Disponível em: . Acesso em: 23 fev. 2021.

BRESSER-PEREIRA, L. C.; GALA, P. Macroeconomia estruturalista do desenvolvimento. BrazilianJournalofPoliticalEconomy, v. 30, n. 4, p. 663-686, 2010. Disponível em: . Acesso em: 24 fev. 2021.

BRITTO, J.; ALBUQUERQUE, E. M. Clusters industriais na economia brasileira: umaanálise exploratória a partir de dados da RAIS. Estudos Econômicos, São Paulo, v. 32, n. 1, p. 71-102, 2002. Disponível em: . Acesso em: 05 jan. 2021.

CEF. Caixa Econômica Federal. FUNGETUR, 2021. Disponível em: . Acesso em: 16 fev. 2021.

• CNC. Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo. Turismo no Brasil aumenta faturamento em 2,2%, em 2019, 2020. Disponível em: . Acesso em: 30 jan. 2021.

• CNI. Confederação Nacional da Indústria. Fungetur: Fundo Geral do Turismo. Como as empresas podem se beneficiar, 2020. Disponível em: . Acesso em: 21 fev. 2021.

COSTA, Sinthya Pinheiro; SONAGLIO, Kerlei Eniele; WIESINIESKI , Lívia Barros. A emergência da resiliência no planejamento e gestão turística. Braz. J. of Develop., Curitiba, v.6, n.11,p.91653-91669nov.2020.ISSN 2525-8761.

CUNHA, S. K.; CUNHA, J. C. Competitividade e sustentabilidade de um cluster de turismo: uma proposta de modelo sistêmico de medida do impacto do turismo no desenvolvimento local. Revista de Administração Contemporânea, v. 9, n. SPE2, p. 63-79, 2005.

DC. DIÁRIO DO COMÉRCIO. Setor de Turismo movimentou R$ 238,6 bilhões no Brasil em 2019, aumento de 2,2%, 2020. Disponível em: . Acesso em: 27 fev. 2021.

ENDRES, A. V.; PAKMAN, E. T.. Desenvolvimento e turismo no Brasil (1960-1990). Ponta de Lança: Revista Eletrônica de História, Memória & Cultura, v. 10, n. 19, p. 5-26, 2016. Disponível em: . Acesso em: 14 de fev. 2021.

ERBER, F. S. Eficiência coletiva em arranjos produtivos locais industriais: comentando o conceito. Nova economia, Belo Horizonte, v. 18, n. 1, p. 11-31, 2008. Disponível em: . Acesso em: 06 out. 2020.

FREITAS, T. D.; DEPONTI, C. M. As Estratégias de Desenvolvimento Regional do COREDE do Vale do Rio Pardo – RS e a perspectiva das Liberdades e Capacidades. In: FREITAS, T. D.; DEPONTI, C. M.; SILVEIRA, R. L. L. (Org.). Políticas públicas e desenvolvimento regional: atores e estratégias em regiões do Brasil. São Carlos: Pedro & João Editores, 2020. p. 81-111.

HIRSCHMAN, A. O. The strategyofeconomicdevelopment. New Haven: Yale University Press, 1958.

IBGE. Concla, 2021. Disponível em: . Acesso em: 19 fev. 2021.

LASTRES, H. M. M.; CASSIOLATO, J. E. Glossário de arranjos e sistemas produtivos e inovativos locais. Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, novembro de 2003. Disponível em: Acesso em: 05 jan. 2017.

LIMA, A. C. C; SIMÕES, R. F. Teorias clássicas do desenvolvimento regional e suas implicações de política econômica: o caso do Brasil. RDE-Revista de Desenvolvimento Econômico, v. 12, n. 21, 2010. Disponível em: . Acesso em: 24 fev. 2021.

LIMA, M. A. G.; AZEVEDO IRVING, M; ABREU, M. M. Políticas públicas de cultura e turismo: uma relação mal resolvida? CULTUR - Revista de Cultura e Turismo, v. 11, n. 1, p. 174-201, 2017.

OMT. Organização Mundial do Turismo. Panorama OMT del turismo internacional, Edición 2017. Disponível em: . Acesso em: 12 mar. 2018.

_____. _____. Tourism in the 2030 Agenda, 2020. Disponível em: . Acesso em: 29 nov. 2020.

ONU. Organização das Nações Unidas. ONU destaca desenvolvimento rural em Dia Mundial do Turismo, 2020a. Disponível em: . Acesso em: 29 nov. 2020.

_____. _____.ONU aposta em turismo doméstico para revitalizar setor pós-pandemia, 2020b. Disponível em: . Acesso em 29 nov. 2020.

_____._____.Pandemia transforma 2020 no pior ano para o setor de turismo internacional, 2020c. Disponível em: . Acesso em 29 jan. 2021.

PANOSSO NETTO, A. O que é turismo. São Paulo: Brasiliense, 2010.

PIMENTEL, T. D.; CARVALHO, F. C. C.; OLIVEIRA, M. C. B. Centros de pesquisa em turismo no MERCOSUL: distribuição, ênfases e possíveis interações como fator de desenvolvimento. Revista Gestão Universitária na América Latina - GUAL, Florianópolis, p. 321-344, jan. 2018. Disponível em: . Acesso em: 09 abr. 2018.

PORTER, M. E. Clusters andthe new economicsofcompetition. Boston: Harvard Business Review, 1998.

SCÓTOLO, D; NETTO, A. P. Contribuições do turismo para o desenvolvimento local. CULTUR: Revista de Cultura e Turismo, v. 9, n. 1, p. 36-59, 2015.

SEBRAE. Talentos do Brasil: Catálogo de Produtos e Serviços. Porto Alegre, 2014.

SEBRAE. Porte das empresas, 2013. Disponível em: Acesso em: 24 fev. 2021.

SOHN, A. P.; SILVESTRINI, C.; FIUZA, T. F.; LIMBERGER, P. F. The elementsthatcharacterizethetourism cluster in Balneário Camboriú, Santa Catarina, Brazil. Rev. Bras. Pesq. Tur. [online]. 2017, vol.11, n.1 pp.154-174. Disponível em: Acesso em: 12 jul. 2017.

TRIOLA, Mario F. Introdução a Estatística. LTC. Rio de Janeiro – RJ, 1999.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n6-100