A construção do estado democrático sob a perspectiva de gênero e os seus reflexos nas obrigações parentais / The construction of the democratic state from a gender perspective and its effects on parental obligations

Mariana Rabello Mendes Hohne, Lucas Trompieri Rodrigues

Abstract


O propósito desse trabalho é analisar de que maneira a igualdade de gênero manifesta-se nas obrigações parentais. Para tanto, seguiu-se a trajetória feminina até o Estado Democrático de Direito, de forma a delimitar em que momento surgiu a assimetria entre os deveres dos homens, como pais, e das mulheres, como mães. Com isso, foi possível entender em que monta essa desigualdade se presentificou na realidade contemporânea, quais são os mecanismos existentes para refutá-la e, por fim, o motivo de não haver o empenho na redução desse desequilíbrio.


Keywords


constitucionalismo, gênero, parentalidade.

References


BAGGENSTOSS, Grazielly Alessandra. RAMOS, Gabriela Neckel. Perspectivas da doutrina civil contemporânea brasileira acerca do status jurídico das mulheres no casamento in Direito das Mulheres./Coordenadora: Grazyelly Alessandra Baggenstoss. – 1 ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2017.

BAGGENSTOSS, Grazyelly Alessandra. Os Direitos Humanos na Perspectiva de Gênero: o Mínimo Existencial para a Garantia da Dignidade das Mulheres in Direito das Mulheres./Coordenadora: Grazyelly Alessandra Baggenstoss. – 1 ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2017.

BARBOZA, Estefânia Maria de Queiroz e DEMETRIO, André. Quando o gênero bate à porta do STF: a busca por um constitucionalismo feminista. Revista Direito FGV V.15 n.3/2019.

BRASIL, Superior Tribunal de Justiça, Recurso Especial no 1.159.242/SP, Terceira Turma, Relator: Min. Nancy Aldrighi, Julgado em 24/04/2012, DJe 10/05/2012. Disponível em: . Acesso em: 04/06/2020.

BRASIL. Código Penal Brasileiro.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça, Jurisprudência em Tese, Edição nº 125, item 7.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça, Quarta Turma, Recurso Especial nº 1.298.576/RJ, Relator Ministro Luis Felipe Salomão. Data de julgamento: 21/08/2021; Dispinibilizado no DJe em 06/09/2012.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal, Tribunal Pleno, ADPF 779, Relator Min. Dias Toffoli, julgada em 15/03/2021 e publicada no DJe em 22/03/2021.

CALDERÓN, Ricardo Lucas. Princípio da afetividade no direito de família. Rio de Janeiro: Renovar, 2013. Recurso digital.

CHAKIAN, Silvia. A construção dos direitos das mulheres: histórico, limites e diretrizes para uma proteção penal eficiente – 2ed. rev. e atual. – Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2020.

DIAS, Maria Berenice. Famílias modernas: (inter)seções do afeto e da lei. Disponível em Acesso em: 10/03/2021.

DIAS, Maria Berenice. Filhos do afeto. 2.ed. ver. atual. – São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2017.

DIAS, Maria Berenice. O direito dos filhos a seus pais. p. 1. Disponível em http://www.mariaberenice.com.br/manager/arq/(cod2_589)o_direito_dos_filhos_a_seus_pais.pdf. Acesso em: 12/05/2020.

FACHIN, Luiz Edson. Direito Civil: sentidos, transformações e fim. Rio de Janeiro: Renovar, 2015.

FACHIN, Luiz Edson. Repensando Fundamentos do Direito Civil Brasileiro Contemporâneo. Coordenação: Carmen Lucia Silveira Ramos. Rio de Janeiro: Renovar, 1998.

FARIAS, Cristiano Chaves de. Curso de direito civil: famílias. 12.ed.rev. e atual. – Salvador: Ed. JusPodivm, 2020.

FERRAZ, Carolina Valença. O direito privado e a opressão feminina nas relações sociais: como o patriarcado construiu relações nefastas de poder em face do gênero aproveitando os costumes de casa que foram à praça in Manual Jurídico Feminista. Ana Carolina Amaral de Pontes...[et al.]; organizado por Carolina Valença Ferraz – Belo Horizonte: Letramento; Casa do Direito, 2019.

Mais de 5,5 milhões de crianças nem sequer possuem o nome do genitor em seu registro de nascimento. Disponível em . Acesso em 17/03/2021.

MARTINS, Fernanda. Feminismos sem edição: o papel da mulher nos cenários jurídicos. Disponível em . Acesso em 05/04/2021.

MATOS, Giorgia. Carência Afetiva Infantil: A síndrome do abandono vivida por crianças e adolescentes e as consequências para a vida adulta. 1. ed. São Paulo: Editora Fontenele, 2018. Recurso digital.

MORAES, Maria Celina Bodin de. Na medida da pessoa humana: estudos de direito civil – Rio de Janeiro: Renovar, 2010, parte II: pessoa e liberdade.

MORAIS, Graziela Ramalho Galdino de. Roe versus Wade: uma perspectiva bioética da decisão judicial destinada a resolver um conflito entre estranhos morais. Universitas JUS, Brasília, n. 18, p.1-77, jan/jun.2009.

MOURA, Suellen. Ética da alteridade e desconstrução: para além da “essência feminista” in GOSTINSKI, Aline. Estudos feministas por um mundo menos machista/ Andrea Bispo... [et al.]; organizadoras: Aline Gostinski e Fernanda Martins. 1ª ed. – Florianópolis: Empório do Direito, 2016.

Mulheres negras e indígenas são as que mais morrem ao abortar. Carta Capital. 2020. https://www.cartacapital.com.br/saude/mulheres-negras-e-indigenas-sao-as-que-mais-morrem-ao-abortar/. Acesso em 17/03/2021.

NARVAZ, Martha Giudice; KOLLER, Sílvia Helena. Família e patriarcado: da prescrição normativa à subversão criativa. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Psicologia & Sociedade; 18 (1): 49-55; jan/abr. 2006.

No Brasil, 45% dos lares são sustentados por mães solo. Disponível em . Acesso em 17/03/2021.

No Brasil, ocorrem, em média, 5 casos de feminicídio ou violência contra a mulher por dia. Dados da Rede de Observatórios da Segurança. Disponível em < http://observatorioseguranca.com.br/rede-de-observatorios-registra-cinco-casos-por-dia-de-feminicidio-e-violencia-contra-mulher/>. Acesso em 20/03/2021.

Número de feminicídios aponta para epidemia de violência contra a mulher. Rádio Senado. 2020. Disponível em < https://www12.senado.leg.br/radio/1/noticia/2020/03/09/debatedoras-afirma-que-numero-de-feminicidio-aponta-para-epidemia-de-violencia-contra-a-mulher>. Acesso em 20/03/2021.

OLIVEIRA, Amanda Muniz. O papel da mulher no direito das famílias brasileiro: da fraqueza do entender à igualdade perante a lei? in Direito das Mulheres./Coordenadora: Grazyelly Alessandra Baggenstoss ... [et. al.]. – 1 ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2017.

OLIVEIRA, Ligia Ziggiotti de. Olhares feministas sobre o direito das famílias contemporâneo: perspectivas críticas sobre o individual e o relacional em família. – 2ed.- Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2020.

Projeto de Lei nº 1.737/2021. Câmara Legislativa do Distrito Federal. 2021. Consulta disponível em < https://www.cl.df.gov.br/pt/web/guest/proposicao-a-partir-de-2021>. Acesso em 20/03/2021.

SCHENEIDER, Valéria Magalhães; ZANATTA, Marília Cassol. Violência Contra as Mulheres: a Submissão do Gênero, do Corpo e da Alma in Direito das Mulheres./Coordenadora: Grazyelly Alessandra Baggenstoss ... [et. al.]. – 1 ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2017.

SILVA, Cristina Telles de Araújo. Direito à Igualdade de Gênero: Uma Proposta de Densificação do Art. 5º, I, da Constituição de 1988. R.EMERJ, Rio de Janeiro, v.21, n.3, p.169-204, set-dez, 2019.

SPANIOL, Claudia; SPANIOL, Mayra Muller e ARRUDA, Sonimary Nunes. Gravidez na adolescência e educação sexual: percepções de alunas do ensino médio de um município da Serra Catarinense. Cad. Pós-Grad. Distúrb. Desenvolv. [online]. 2019, vol.19, n.2, pp. 61-83. ISSN 1519-0307.< http://dx.doi.org/10.5935/cadernosdisturbios.v19n2p61-83>. Acesso em 10/03/2021.

Uma epidemia na pandemia: 58% dos feminicídios é cometido por companheiros das vítimas. Rede de Observatórios da Segurança. 2021. Disponível em . Acesso em 20/03/2021.

VAZ, José Eduardo Parlato Fonseca. Temas Contemporâneos de Direito de Família. Editora: ST5, 2017. Recurso digital

VIEIRA, Danilo Porfírio de Castro 1. Definição e natureza jurídica do princípio da afetividade. v. 2015. São Paulo: Revista de Direito de Família e das Sucessões, 2015.

VILAS-BÔAS, Renata Malta e BRUNO, Susana de Morais Spencer. Novas Tendências de Direito das Famílias – Volume I. – Brasília: Editora Kiron, 2015. Recurso Digital.

VILLELA, João Baptista. Desbiologização da Paternidade. Revista da Faculdade de Direito. Universidade Federal de Minas Gerais, v. 21, p. 400-419, 1979. Disponível em: . Acesso em: 01.06.2020, p. 400-401.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n6-101