Aspectos de governança para o desenvolvimento de cidades inteligentes e sustentáveis / Governance aspects for the development of smart and sustainable cities

Antonio Armando Cordeiro Fraga, Cilene Magda Vasconcelos de Souza, José Luiz Alves

Abstract


A busca pelo desenvolvimento sustentável tem exigido que as cidades adotem um estilo inovador de governança colaborativa para projetar políticas públicas, visando à melhoria da qualidade de vida dos cidadãos, garantindo o crescimento econômico sem comprometer as futuras gerações. Este artigo tem como propósito procurar demonstrar e avaliar os indicadores e dados sobre o ranking de cidades inteligentes em relação ao fator da governança e sua conexão com as políticas públicas. Para melhor entendimento será apresentado uma análise conceitual sobre a sustentabilidade, fazendo uma revisão de literatura, referenciando os principais conceitos que compõem o desenvolvimento sustentável. O método utilizado foi a pesquisa documental e bibliográfica, seguida da análise das informações dos dados secundários, obtidos no site do Connected Smart Cities (CSC). Na seção de resultados, analisou-se o ranking relativo ao eixo de governança nos seguintes aspectos: primeiro referente à classificação das 10 primeiras cidades inteligentes no Brasil; em seguida, foi analisada as 10 cidades consideradas inteligentes na região Nordeste do Brasil e, em terceiro, as cidades classificadas como inteligentes no Estado de Pernambuco. Os conceitos e análises obtidos nesta pesquisa demonstraram a busca de um modelo de sustentabilidade que incorpore a ideia da urgência da transformação da capacidade ambiental, associada à capacidade humana de se auto sustentar, por meio de ações do poder público, das organizações e da sociedade transformando a maneira de agir das cidades proporcionando o acréscimo das cidades inteligentes.


Keywords


sustentabilidade, governança, cidades inteligentes, desenvolvimento econômico, políticas públicas

References


ALBINO, V.; BERARDI, U.; DANGELICO, R. M. Smart cities: Definitions, dimensions, performance, and initiatives. Journal of urban technology, 22, n. 1, 2015.

ALMEIDA, F. O bom negócio da sustentabilidade. 1. ed., Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 2002.

ALMEIDA, P. R. de. Sobre Políticas de Governo e Políticas de Estado: distinções necessárias. Instituto Millenium – Centro de pensamento. 07/04/2016. Disponível em: http://www.institutomillenium.org.br/artigos/sobre-politicas-de-governo-e-politicas-de-estado-distincoes-necessarias. Acesso em: 21 abr. 2022.

AUMOND, J. As perspectivas do desenvolvimento sustentável. In: BENEVIDES, Mario; VALDEZ, Silvia (Orgs.). Nós e a sustentabilidade. Florianópolis: Relata, 2012.

AYRES, R.U. Sustainability economics: Where do we stand? EcologicalEconomics, v. 67, n. 2 p. 281-310, 2008.

BARBOSA, G. S.; DRACH, P. R.; CORBELLA, O. D. A Conceptual Review of the Terms Sustainable Development and Sustainability. International Journal of Social Sciences, v. 3, n. 2, 2014.

BATAGAN, L. Smart Cities and Sustainability Models. Informática Econômica, v. 15, n. 3, 2011.

BECKER, D. F. A contradição em processo: o local e o global na dinâmica do desenvolvimento regional. em becker, d. f.: wittmann, m. l (orgs). Desenvolvimento regional: abordagens interdisciplinares, 2. ed. Santa Cruz do Sul: Edunisc, p. 103, 2008.

BOFF, L. Sustentabilidade: o que é – o que não é. Petrópolis, RJ: Vozes. p. 14, 2012.

BORJA, R.; GAMA, K. Middleware para cidades inteligentes baseado em um barramento de serviços. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, 10., 2014, Londrina. Anais Londrina: SBSI, p. 584-590, 2014.

BRASIL. Decreto 9.203, de 22 de novembro de 2017.Dispõe sobre a política de governança da administração pública federal direta, autárquica e fundacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2017/Decreto/D9203.htm. Acesso em: 21 abr. 2022.

BRASIL. Tribunal de Contas da União. Dez passos para a boa governança. 2 ed. Brasília: TCU, Secretaria de Controle Externo da Administração do Estado, 2021.

BRASIL. Tribunal de Contas da União. Referencial básico de governança aplicável a organizações públicas e outros entes jurisdicionados ao TCU / Tribunal de Contas da União. 3 ed. - Brasília: TCU, Secretaria de Controle Externo da Administração do Estado – Sec. Administração, 2020.

BRASIL. Tribunal de Contas da União. Referencial para avaliação de governança em políticas públicas. Brasília: TCU, 2014.

BRUNACCI, A.; PHILIPPI JR, A. A dimensão humana do desenvolvimento sustentável. In: PHILIPPI JR, A. PELICIONI, M.C.F. Educação Ambiental e sustentabilidade. 2. ed. rev. e atual. Barueri, SP: Manole, 2014.

BRUNDTLAND, G. H. Our Common Future: The Report of the World Commission on Environment and Development, Oxford University Press, Oxford, p.46, 1987.

BUARQUE, S. C. Construindo o Desenvolvimento Local Sustentável: metodologia de planejamento. Rio de Janeiro: Ed. Garamond. p. 58, 2002.

CAMARGO, A.; CAPOBIANCO, J.P.R.; OLIVEIRA, J.A.P. (Org) Meio ambiente Brasil: avanços e obstáculos pós-Rio-92. 2 ed. rev. São Paulo: Estação Liberdade: Instituto Socioambiental; Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2004.

CARAGLIU, A.; DEL BO, C.; NIJKAMP, P. Smart Cities in Europe. Journal of Urban Technology, p. 65-82, 2011.

CARNEIRO NETO, J. A.; GUEDES, D.R.; NASCIMENTO, D. A.; SOUSA, H. P. A. I. Governança Pública no Contexto de Implementação das Políticas Públicas. Razon y Palabra, v. 23, n. 104, p. 464, 2019.

CARVALHO, A. G. de. Governança Corporativa no Brasil em Perspectiva. Revista de Administração. São Paulo: USP, v. 37, n. 3, julho/setembro de 2002.

CASTIGLIONI, L.; MARIOTTI, S. Latin Language Vocabulary (Vocabolario Della Lingua Latina). Torino: Loescher, 1981.

CAVALCANTI, C. Sustentabilidade da economia: paradigmas alternativos de realização econômica. In: (org.). Desenvolvimento e natureza: estudos para uma sociedade sustentável. São Paulo: Cortez, 2003.

CHOURABI, H. et al. Understanding smart cities: an integrative framework. In: HAWAII INTERNATIONAL CONFERENCE ON SYSTEM SCIENCES, 45., 2012, Hawaii. Proceedings Washington: IEEE, p. 2289-2297, 2012.

CMMAD. Nosso Futuro Comum. New York: ONU, 1987.

COHN, A. Políticas e saúde: implicações e práticas. In: Campos GWS, Minayo MCS, Akerman M, Drumond-Júnior M, Carvalho YM, organizadores. Tratado de Saúde Coletiva. 2 ed. São Paulo, Rio de Janeiro: Ed. Hucitec, Ed Fiocruz; p. 219-246, 2008.

COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS – CVM. Recomendações da CVM sobre governança corporativa. Cartilha de Governança, 11 junho de 2002. Disponível em: http://www.cvm.gov.br/port/publ/cartilha/cartilha.doc. Acesso em: 21 abr. 2022.

CONNECTED SMART CITIES. Ranking Connected smart cities. Disponível em: https://ranking.connectedsmartcities.com.br/ranking-indicadores. 2021. Acesso em: 25 abr. 2022.

DEMPSEY, N. et al.The Social Dimension of Sustainable Development: Defining Urban Social Sustainability. Sustainable Development, v. 19, n. 5, p. 289-300, 2011.

ELKINGTON, J. Canibais com Garfo e Faca. São Paulo: Makron Books, 2001.

FREITAS, J. Sustentabilidade: direito ao futuro. 2. ed. Belo Horizonte, MG: Fórum. p. 41, 2012.

GAMA, K.; ALVARO, A.; PEIXOTO, E. Em direção a um modelo de maturidade tecnológica para cidades inteligentes. In: simpósio brasileiro de sistemas de informação, 8., 2012, São Paulo. Anais. São Paulo: SBSI, 2012.

GIL, A. C. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. São Paulo: Atlas, 2008.

GROBER, U. Deep Roots: A Conceptual History of “sustainable Development” (Nachhaltigkeit). Discussion papers, Wissenschaftszentrum Berlin für Sozialforschung. Berlin: WZB, 2007.

HILL, M; HUPE, P. Implementing public policy. London: Sage, 2002.

HOFER, R. History of the Sustainability Concept – Renaissance of Renewable Resources. In: HOFER, R. Sustainable Solutions for Modern Economies. Londres: Royal Society of Chemistry, 2009.

HORBACH, J. Indicator systems for sustainable innovation. 1. ed. Heidelberg: Physica-Verlag, 2005.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA – IBGC. Código das melhores práticas de governança corporativa. 4.ed. / Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. São Paulo, SP: IBGC, p. 73, 2009. Disponível em: http://www.ibgc.org.br/Download.aspx?Ref= Codigos & Codigo=47. Acesso em: 20 abr. 2022.

KUIKKANIEMI, K.; JACUCCI, G.; TURPEINEN, M.; HOGGAN, E.; MÜLLER, J. From space to stage: how interactive screens will change urban life. IEEE Computer Society, 2011.

LEAL, C. I. S. e FIGUEIREDO, P. N. Inovação tecnológica no Brasil: desafios e insumos para políticas públicas. Revista de Administração Pública. Rio de Janeiro, p. 512-53, mai/jun de 2021.

LEVY, W.; CARVALHO, R. da S.; ALOE, C.; BEZERRA, A. J. R. A literatura sobre cidades inteligentes e o lugar da democracia. Quaestio Iuris. vol.14, nº.04, p.1001-1038, 2021.

LIU, S.; LIU, Y.; NI, L. M.; FAN, J.; LI, M. Towards Mobility- Clu t n KDD’10, July 25–28, Washington, DC, USA, 2010.

LOZANO, R. Towards better embedding sustainability into companies’systems: an analysis of voluntary corporate initiatives. Journal of Cleaner Production, v.25, n.0, p.14-26, 2012.

MADEIRA, G. S.; GUIMARÃES, T.; MENDES, L. S. Construindo governança eletrônica de cidades: um modelo de implementação de soluções para inovação e otimização da gestão pública. Revista de Gestão dos Países de Língua Portuguesa, v. 16, n. 2, p. 55-71, 2017.

MAHIZHNAN, A. Smart cities: the Singapore case. Cities, v. 16, n. 1, p. 13-18, 1999.

MARINI, C.; MARTINS, H. F. Governança pública contemporânea. Instituto Publix, 2014.

MARQUES, M. C. C. Aplicação dos princípios da governança corporativa ao setor público. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba. v.11 n.2, abr./jun. 2007.

MARTINS, H. Reforma do Estado na era FHC: diversidade ou fragmentação da agenda de políticas de gestão pública? Revista Eletrônica sobre a Reforma do Estado. Brasil, 2007.

MATIAS-PEREIRA, J. Curso de Administração Pública: foco nas instituições e ações governamentais. 5 ed. São Paulo: GEN-Atlas, 2018.

MAY, Peter H. Economia do meio ambiente: teoria e prática. MAY Peter H., Maria Lustosa, Cecília, Vinha, Valéria da (orgs). Rio de Janeiro. Elsevier, p. 6, 2003.

MIGUEL, P. A. C. Metodologia de Pesquisa em Engenharia de Produção e Gestão de Operações. Rio de Janeiro: Elsevier, 2018.

MILLER, G. Tyler. Ciência ambiental. Tradução All Tasks. São Paulo. Thomson, 2007.

NAM, T.; PARDO, T. A. Conceptualizing smart city with dimensions of technology, people, and institutions. In: annual international digital government research conference on digital government innovation in challenging times, 12., 2011, Nova York. Proceeding Nova York: ACM Press, p. 282-291, 2011.

NAPHADE, M.; BANAVAR, G.; HARRISON, M.; PARASZCZAK, J.; MORRIS, R. Smarter cities and their innovation challenges. IEEE Computer Society, IBM, 2011.

NEIROTTI, P. et al.Current trends in smart city initiatives: some stylised facts. Cities, v. 38, p. 25-36, jun. 2014.

ONU – ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. World Urbanization Prospects, The 2011 revision. 2012. Disponível em: https://www.un.org/en/development/desa/population/publications/pdf/urbanization/WUP2011_Report.pdf. Acesso em: 04 mai. 2022.

PISANI, J. A. Sustainable development – historical roots of the concept. Environmental Sciences, v. 3, n. 2, 2006.

PROCOPIUCK, M. Políticas Públicas e fundamentos da administração pública: análise e avaliação, governança e rede de políticas públicas, administração judiciária. São Paulo: Atlas, 2013.

PRODANOV, C. C.; FREITAS, E. C. de. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. ed. Nova Hamburgo: Feevale, 2013.

RAY, D. Development Economics. Princeton: Princeton University Press, 1998.

SCHRAMM, A. M.; CORBETTA, J. M. Desenvolvimento sustentável e sustentabilidade: conceitos antagônicos ou compatíveis? In: SOUZA, Maria Cláudia da Silva Antunes de; ARMADA, Charles Alexandre. Sustentabilidade, meio ambiente e sociedade: reflexões e perspectivas [e-book]. Umuarama: Universidade Paranaense – UNIPAR, p. 34-35, 2015.

SGARBI, V.S et al. Os Jargões da Sustentabilidade: uma discussão a partir da Produção Científica Nacional, engema 2008.

SOUZA, V. O. de; MENELAU, A. S. Cidades Inteligentes e Indicadores: um estudo entre Metrópoles Brasileiras, p. 1-14, 2018.

URBAN SYSTEMS. Relatório Ranking Connected Smart Cities. Disponível em: http://urbansystems.rds.land/csc_urban_atual. ed. 2021. Acesso em: 25 abr. 2022.

WEISS, M. C.; BERNARDES, R. C.; CONSONI, F. L. Cidades inteligentes: casos e perspectivas para as cidades brasileiras. Revista Tecnológica da Fatec Americana, v. 5, n. 1, p. 1-13, 2017.

YIN, R. K. Estudo de Caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman, 2015.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n6-111