Estudo comparativo sobre a eficácia de filtros solares químicos e físicos em formulações infantis / Comparative study on the effectiveness of chemical and physical sun filters in infant formulations

Elissandra Silva Pereira, Fabiana de Oliveira Pereira

Abstract


O fotoenvelhecimento é o envelhecimento prematuro da pele causado pela exposição repetida à radiação ultravioleta (UV), principalmente do sol, mas também de fontes artificiais de UV. Esta exposição pode chegar até a derme papilar e ocasionar alterações às fibras de elastina e de colágeno. Assim, a necessidade de uso dos fotoprotetores é uma realidade, as classes de filtros solares existentes, os denominados orgânicos e os inorgânicos, ou filtros químicos e físicos. Este trabalho objetivou-se em trazer informações comparativas sobre os filtros solares químicos e físicos, demostrando as características que os tornam mais seguros e eficazes para utilização em formulações infantis. O presente estudo é uma pesquisa de caráter qualitativa explorativo, tanto que foram necessário a utilização de ferramentas de pesquisa como Scielo, PubMed e Google Acadêmico. O critério de aceitação foi para documentos bibliográficos que se adequaram a temática abordada. Os filtros solares inorgânicos, representados por ZnO e TiO2, são os mais seguros e eficazes para proteger a pele, pois proporcionam baixo potencial de irritação, sendo inclusive, os filtros solares recomendados no preparo de fotoprotetores para uso infantil, como também em pessoas com peles sensíveis. Filtros solares infantis, em principal com filtros físicos ou minerais são mais recomendados por apresentar poucas reações alérgicas e serem substancias inertes ao organismo. Conclui-se que o uso de fotoprotetores de forma tópica está relacionado com a prevenção de efeitos agudos da radiação solar UVA ou UVB. Assim, o uso de filtros deve ser iniciado já na infância com o cuidado de evitar substâncias tóxicas com finalidade de evitar patologia futuras. Assim, garantir uma pele saudável e com benefícios ao longo prazo por meio de produtos eficazes e seguros.


Keywords


formulações infantis, filtros solares, UVA, UVB e eficácia de protetores.

References


ANTONELLI, Amanda Buonomo et al. COSMÉTICO INFANTIL. Simpósio de Assistência Farmacêutica. São Paulo. 2014.

ARAÚJO, T. S.; DE SOUZA, S. O. Protetores solares e os efeitos da radiação ultravioleta. Scientia plena, v. 4, n. 11, 2008.

ASSATHIANY R, FAY-CHATELARD F, BEAUCHET A, NAVEL M, MAHÉ E. Sun protection and pediatricians: results of a survey. Arch Pediatr. 2010; 17:908-9.

BALK SJ; Council on Environmental Health; Section on Dermatology. Ultraviolet radiation: a hazard to children and adolescents. Pediatrics. 2011;127: e791-817.

CABRAL, L D S; PEREIRA, S O; PARTATA, A K. Filtros solares e fotoprotetores - uma revisão: ciências farmacêuticas. Infarma, S.I, v. 25, n. 2, p. 107-110, 2013.

COBEIROS, N; BRA, M. C. P; BRA, J. M. Benefícios do uso de produtos cosméticos infantis na clínica pediátrica. Editora Limay. 2015

D'ORAZIO, J et al. A radiação ultravioleta e a pele. Jornal internacional de ciências moleculares, v. 14, n. 6, pág. 12222-12248, 2013.

FLOR, Juliana; DAVOLOS, Marian Rosaly; CORREA, Marcos Antonio. Protetores solares. Química Nova, [S.L.], v. 30, n. 1, p. 153-158, fev. 2007. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/s0100-40422007000100027.

FRIZZO, Marcela Sagrilo et al. Encapsulação de nanopartículas de óxido de zinco via polimerização em miniemulsão para aplicação em protetores solares. 2016.

GONÇALVES, M. C. et al. Estudos preliminares da citoxicidade e propriedades fotoprotetoras de derivados de benzofenonas e lactonas. Rev. Virtual Quim, v. 10, p. 600-608, 2018.

MACHADO, Jane K. et al. Materiais híbridos orgânico-inorgânicos (ormosil) obtidos por sol-gel com potencial uso como filtro solar. Química nova, v. 34, p. 945-949, 2011.

MARTENDAL, Eduarda; BRANDES, Júlia. Efeitos cutâneos da radiação ultravioleta e a importância do filtro solar-revisão de literatura. Tecnologia em Cosmetologia e Estética-Pedra Branca, 2018.

MELO, T. G; ROSVAILER, M. S. C; CARVALHO, V. O. BANHO, MAQUIAGEM E PROTETOR SOLAR: O QUE AS CRIANÇAS USAM? Revista Paulista de Pediatria , v. 38, 2020.

MITCHNICK, Mark A.; FAIRHURST, David; PINNELL, Sheldon R. Microfine zinc oxide (Z-cote) as a photostable UVA/UVB sunblock agent. Journal of the American Academy of Dermatology, v. 40, n. 1, p. 85-90, 1999.

MOHANIA D. Ultraviolet Radiations: Skin Defense-Damage Mechanism. Adv Exp Med Biol. 2017; 996:71-87. doi: 10.1007/978-3-319-56017-5_7. PMID: 29124692.

Resolução da Diretoria Colegiada – RDC n° 48, de 16 de março de 2006, dispõe sobre Boas Práticas de Fabricação para Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 16 de mar. 2006. BRASIL.

SCHALKA S, REIS VMS. Fator de proteção solar: significado e controvérsias. Anais Brasileiros de Dermatologia. 2011; 86(3): 507-15.

SERPONE N. Sunscreens and their usefulness: have we made any progress in the last two decades? Photochem Photobiol Sci. 2021 Feb;20(2):189-244. doi: 10.1007/s43630-021-00013-1. Epub 2021 Feb 18. PMID: 33721254.

WOLBER, R et al. Pigmentation effects of solar‐simulated radiation as compared with UVA and UVB radiation. Pigment cell & melanoma research, v. 21, n. 4, p. 487-491, 2008.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n6-083