Uso de antiflamatórios não esteroidais em pacientes diagnosticados com hipertensão arterial: uma revisão integrativa / Use of non-steroid anti-flamatory agents in patients diagnosed with arterial hypertension an integrative review

Vitória Maria Rocha Nunes, Patrício Francisco da Silva

Abstract


A hipertensão arterial é uma condição que atinge uma grande quantidade de pessoas por todo o mundo, acarretando um alto custo na saúde pública, impactando diretamente no desenvolvimento socioeconômico, além de ser um fator para o desenvolvimento de outras condições clínicas como doenças cardiovasculares. As medicações não esteroidais (AINEs), são a classificações de medicações mais prescritas no mundo incluindo os analgésicos e antipiréticos que muitas vezes são utilizados em problemas cardiovasculares como é o caso da Hipertensão. Possuem funções antiinflamatórias agem no processo de dor e inchaço, O objetivo dessa pesquisa foi abordar quais são os anti-inflamatórios não esteroidais usados pelos pacientes diagnosticados com hipertensão. Trata-se de uma revisão integrativa. Foi realizado levantamento dos artigos na literatura a partir das bases de dados das ciências da saúde em geral SciELO (Scientific Electronic Library Online), LILACS (Literatura Latino-Americana e do Caribe), MEDLINE (National Library of Medicine, Estados Unidos) . A busca eletrônica foi realizada por meio da combinação dos Descritores em Ciências da Saúde (DeCS): “medicamentos não esteriodais” e “portadores de hipertensão” e se baseou na adoção do critério de inclusão referente à indexação de artigos nas bases de dados publicados entre 2016 e 2021. Após leitura dos títulos e resumos foram selecionados 12 artigos para fundamentar os resultados e discussão. Os resultados apontaram que a prevalência da Hipertensão Arterial é uma das cardiopatias congênitas mais prevalentes em neonatos, principalmente em prematuros. Os anti-inflamatórios não esteroidais são usados profilaticamente e como primeira linha no tratamento farmacológico para o fechamento do canal arterial. Por isso, a escolha do melhor fármaco para cada caso é de grande importância. Diante disso, a relevância do tema se baseia nessa melhor escolha que leva em consideração a eficácia, os efeitos colaterais, a via de administração de cada um.


Keywords


antiflamatórios, não esterodais, pacientes, hipertesão arterial.

References


ABRAHÃO, Lúcia Ana. Atenção e cuidado em saúde no ambiente familiar: aspecto da visita domiciliar. Rev. APS., v. 14, n. 4, p. 472-480, out./dez, 2015.

ALENCAR, T.O.S. et al. Dispensação farmacêutica: uma análise dos conceitos legais em relação à prática profissional. Revista de Ciências Farmacêuticas Básicas e Aplicada, v. 32, n. 1, p. 89-94, 2011.

AMARO, S. Visita Domiciliar: Guia para uma abordagem complexa. Porto Alegre. AGE. 2014.

AURÉLIO, M.; FONSECA, V.; MENDONÇA, D. Perfil epidemiológico dos pacientes com hipertensão Arteriais sistêmicos acompanhados por um programa saúde da família de São Sebastião-DF, Brasil. Revista APS, v. 17, n. 3, 2014.

BARDANZELLU F, et al. Paracetamol in patent ductus arteriosus treatment: efficacious and safe? BioMed Research International, 2017; 2017.

BARRETO, N. D. M. et al. Prevalência da hipertensão arterial nos indivíduos de raça negra. Arquivos Brasileiros de Medicina, v. 67, n. 6, 2011.

BASTOS, C. R. G.; CAETANO, R. As percepções dos farmacêuticos sobre seu trabalho nas farmácias comunitárias em uma região do estado do Rio de Janeiro. Ciência & Saúde Coletiva, . Rio de Janeiro. v. 15, n. 3, p. 3541-3550, 2010.

CAPURUÇO C, MOTA C. Patência do canal arterial no recém-nascido prematuro: revisão do diagnóstico e tratamento. Revista Nascer e Crescer, 2014; 23 (4): 201-2016.

COSTA RN, et al. Tratamento Percutâneo vs. Cirúrgico da Persistência do Canal Arterial em Crianças e Adolescentes. Revista Brasileira de Cardiologia Invasiva, 2012; 20 (3): 315-323.

CUZZOLIN L, et al. The dark side of ibuprofen in the treatment of patent ductus arteriosus: could paracetamol be the solution? Expert Opinion on Drug Metabolism & Toxicology, 2018; 14 (8): 855-868.

DE SOUSA, Luís Manuel Mota et al. A metodologia de revisão integrativa da literatura em enfermagem. Nº21 Série 2-Novembro 2017, v. 17, 2017.

EL-FARRASH RA, et al. Efficacy and safety of oral paracetamol versus oral ibuprofen for closure of patent ductus arteriosus in preterm infants: a randomized controlled trial. The Journal of Maternal-Fetal & Neonatal Medicine, 2019; 32 (21): 3647-3654.

EL-MASHAD AER, et al. Comparative study of the efficacy and safety of paracetamol, ibuprofen, and indomethacin in closure of patent ductus arteriosus in preterm neonates. European Journal of Pediatrics, 2017; 176 (2): 233-240.

ESCOBAR HA, et al. Tratamiento farmacológico del conducto arterioso permeable en recién nacidos prematuros. Revista de la Facultad de Medicina, 2019; 67 (2): 333-339.

FERGUSON JM. Pharmacotherapy for patent ductus arteriosus closure. Congenital Heart Disease, 2019; 14 (1): 52- 56.

GALATO, G. et al. Dispensação de medicamentos: uma reflexão sobre o processo para prevenção, identificação e resolução de problemas relacionados à farmacoterapia. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas. v. 44, n. 3, 2008.

GIROTTO, J. P.. Prevalência e fatores de risco para hipertensão em uma população urbana brasileira. Arq. Bras. Cardiol. São Paulo, v. 94, n. 4, Abr. 2016.

GONÇALVES, H. R et al., Efeitos adversos do uso de anti-inflamatório nãoesteroidais (aines) no sistema gastrointestinal: revisão de literatura. Revista Saúde Viva Multidisciplinar da AJES, Juína/MT, v. 3, n. 4, jul./dez. 2020.

GUYTON, Arthur C.; HALL, John E. Tratado de Fisiologia Médica. 10. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002.

HEPLER, M. SSTRAND. B et al. Farmacologia ilustrada. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2011.

JULIÃO, N.A et al., Tendências na prevalência de hipertensão arterial sistêmica e na utilização de serviços de saúde no Brasil ao longo de uma década (2008-2019). Ciênc. saúde coletiva 26 (09) 27 Set 2021Set 2021

LACERDA, M. R. Atenção á saúde no domicílio: modalidades que fundamenta sua prática. Saúde e Sociedade, v.15, n. 2, p. 88, maio/ago., 2016.

LIMA, T.E et al., Hipertensão arterial: Uma revisão sistemática. Brazilian Journal of Health Review, Curitiba, v.4, n.4, p. 16417-16427 jul./aug. 2021

LUCAS, Guillherme Nobre Cavalcanti et al. Aspectos fisiopatológicos da nefropatia por anti-inflamatórios não esteroidais. Brazilian Journal of Nephrology, v. 41, p. 124-130, 2018.

Lynkon Tin Yang. A EVOLUÇÃO DO MERCADO DE ANTIINFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS (AINES) E O PAPEL DO FARMACÊUTICO FRENTE À AUTOMEDICAÇÃO. 2018.

MACHADO, Luis Eduardo; CAMPOS, Renata. O impacto da diabetes melito e da hipertensão arterial para a saúde pública. Saúde e meio ambiente: revista interdisciplinar, v. 3, n. 2, p. 53-61, 2014.

MILL, José Geraldo. Determinantes Sociais na Hipertensão Arterial. 2019. ANDRADE, Silvânia Suely de Araújo et al. Prevalência de hipertensão arterial autorreferida na população brasileira: análise da Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 24, p. 297-304, 2015.

MOURA, Ionara Holanda de et al. Prevalência de hipertensão arterial e seus fatores de risco em adolescentes. Acta Paulista de Enfermagem, v. 28, p. 81-86, 2015.

NASCIMENTO, D. M.; PIGOSO, Acácio Antônio. Interação medicamentosa entre anti-hipertensivos e anti-inflamatórios não esteroidais. Rev Cient da FHO/UNIARARAS, v. 1, 2013.

NOBRE, Fernando et al. Hipertensão arterial sistêmica primária. Medicina (Ribeirão Preto), v. 46, n. 3, p. 256-272, 2013.

RODRIGUES, Juliana Lima Gomes. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA DO USO INDISCRIMINADO DOS ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAS (AINES). Revista Ibero-Americana de Humanidades, Ciências e Educação, v. 7, n. 5, p. 330-342, 2021.

SANTOS, Sthefane Silva et al. Manejo de paciente hipertenso em atendimento clínico farmacêutico: Um relato de caso. Research, Society and Development, v. 10, n. 8, p. e9910816939-e9910816939, 2021.

SILVA, Elcimary Cristina et al. Prevalência de hipertensão arterial sistêmica e fatores associados em homens e mulheres residentes em municípios da Amazônia Legal. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 19, p. 38-51, 2016. KO,

SOARES, Cassia Baldini et al. Revisão integrativa: conceitos e métodos utilizados na enfermagem. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 48, p. 335-345, 2014. SANTOS, Isabelle Novaes Câmera; ESCOBAR, Otoniel Sampaio;




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n6-092