Atenção farmacêutica no âmbito hospitalar / Evaluation of turnera ulmifolia: phytochemical profile and pharmacological activities

Isaura Pereira de Carvalho, Patrício Francisco da Silva

Abstract


A evolução da Assistência Farmacêutica tem um papel fundamental e importante na reestruturação da profissão farmacêutica, pois esse profissional é qualificado para a garantia de qualidade dos medicamentos e apreciam as complexidades da cadeia de distribuição e renovação dos estoques para a melhoria e qualidade de vida dos pacientes. Portanto a pesquisa se justifica pelo fato de que o ambiente hospitalar é um local onde a falta de uma boa orientação pode causar eventos adversos relacionados ao medicamento e aumenta a utilização dos serviços de saúde. Sabe-se que, os serviços de atendimento pré-hospitalar, farmácia hospitalar e outros serviços de saúde, têm como característica fundamental contribuir no processo de cuidado à saúde, visando à melhoria da qualidade da assistência prestada ao paciente, promovendo o uso seguro e racional de medicamentos. O objetivo de pesquisa é analisar as contribuições da atenção farmacêutica no ambiente hospitalar. Tendo como metodologia uma pesquisa qualitativa bibliográfica com base em autores da área, como critérios de inclusão foram incluídos artigos de 2013 até 2020 com temas relacionados com atenção farmacêutica. Concluiu-se que a atenção farmacêutica no ambiente hospitalar é de suma importância para o atendimento da unidade. Essas atividades podem de acordo com a organização da assistência farmacêutica, compreendendo seleção de medicamentos; programação; aquisição; armazenamento; distribuição e dispensação com garantia de segurança do acompanhamento terapêutico e orientação aos pacientes e equipe de saúde.


Keywords


atenção farmacêutica, ambiente hospitalar, qualidade de vida.

References


ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE HOMEOPATIA. 2020. Quais são as principais diferenças entre a Homeopatia e a Medicina comum (alopatia)?. Disponível em: https://aph.org.br/quais-sao-as-principais-diferencas-entre-a-homeopatia-e-a-medicina-comum-alopatia/#:~:text=A%20Homeopatia%20trata%20o%20doente,tratamento%20visa%20principalmente%20a%20doen%C3%A7a. Acesso em 06 de maio de 2022.

BRASIL, 2016. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/pnpic.pdf. Acesso em 05 de maio de 2022.

BRASIL. MINISTERIO DA SAÚDE. Componente Especializado da Assistência Farmacêutica: Inovação para garantia do acesso a medicamentos no SUS. Brasília: Ministério da Saúde, 2014.

BRASIL, ministério da saúde. Resolução - rdc nº 67, de 8 de outubro de 2007. Dispõe sobre Boas Práticas de Manipulação de Preparações Magistrais e Oficinais para Uso Humano em farmácias.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Estratégica e Temática. Atenção Psicossocial a crianças e adolescentes no SUS: tecendo redes para garantir direitos. Brasília (DF); 2014.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Especializada e Temática. Centros de Atenção Psicossocial e Unidades de Acolhimento como lugares da atenção psicossocial nos territórios: orientações para elaboração de projetos de construção, reforma e ampliação de CAPS e de UA. Brasília: Ministério da Saúde, 2015b.

CORREIA, Maria Margarida Tojeiro Quintão Patrício. Relatório de Estágio em Farmácia Comunitária. 2013. 130f. Dissertação (Mestrado em Ciências Farmacêuticas) - Faculdade de Farmácia, Universidade do Porto. Porto. Disponível em: http://www.saocamilo-sp.br/novo/eventos-noticias/simposio/14/SCF001_14.pdf. Acesso em: 22 maio 2017.

CARVALHO, Felipe Dias; CAPUCHO, Helaine Carneiro; BISSON, Marcelo Polacow. Farmacêutico hospitalar: conhecimentos, habilidades e atitudes. Barueri, SP: Manole, 2014.

CHEHUEN-NETO, J. A. et al. Automedicação entre estudantes da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Juiz de fora. Revista Hu. v. 32, n. 3, p. 59-64, 2016.

FERREIRA, Anderson de Oliveira. Guia prático da Farmácia Magistral. 3.ed. São Paulo: Pharmabooks, 2008.

PRIETSCH, Rafael. F. Índice de aceitação de medicamentos manipulados no município de pelotas, rs. Revista eletrônica de farmácia. 2014.

IHERING, Rudolf Von. A luta pelo direito. Tradução: Pietro Nassetti. São Paulo: Martin Claret, 2018.

JUNIOR, Edson Lima G. Gestão da informação e do conhecimento. 3. ed. Curitiba: IESDE, 2019. 240 P.

LOYOLA-FILHO, A. I. et al. Prevalência e fatores associados a automedicação: resultados do projeto Bambuí. Revista de Saúde Pública. v. 36, n. 1, p. 55-62, 2012.

MUSIAL D.C.; DUTRA J.S.; BECKER T.C.A. A automedicação entre brasileiros. SaBios-Rev. Saúde e Biol., Campo Mourão, v. 2, n. 2, p. 5-8, 2017.

MORAIS, Teresa Márcia; SILVA, Antonio. Fundamentos da Odontologia em ambiente hospitalar/UTI. 1.ed. Rio de Janeiro: Elsevier,2015.405p. Disponível em: https://repositorio.faema.edu.br/bitstream/123456789/1232/1/CARVALHO,%20J.%20S.%20%20A%20IMPORT%C3%82NCIA%20DO%20PROFISSIONAL%20FARMAC%C3%8AUTICO%20NO%20%C3%82MBITO%20HOSPITALAR.pdf. Acesso em: 26 ago. 2021.

MOTA, Alexandre de. Constituição do Brasil Interpretada. 2. Ed. São Paulo: Atlas, 2003.

MIRANDA, Selmy. C. et al. Influência da homeopatia na qualidade de vida de seus usuários. R Enferm UERJ 2005; 13:313-8.

PINTO, Ana. P. B. A. Homeopatia: uma alternativa viável? Uma revisão sobre a investigação homeopática baseada em casos clínicos. Universidade Fernando Pessoa. 2018.

POLIGNANO, Fábio Konder. Afirmação histórica dos direitos humanos.3ª Ed são Paulo, Saraiva, 2015.

OMS, ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. O papel do farmacêutico no sistema de atenção à saúde: relatório do Grupo Consultivo da OMS. Nova Déli – Índia, 13 – 16 de dezembro de 1988. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; Conselho Federal de Farmácia, 2014.

ROSSATO, Angela Erna. Diagnóstico dos procedimentos relacionados à assistência farmacêutica das farmácias hospitalares dos hospitais de pequeno e médio porte do sul do estado de Santa Catarina-Brasil. 2008. 159f. Dissertação (Mestrado em Farmácia) - Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal de Santa Catarina.

SANTANA, Gabriela. S. et al. O farmacêutico no âmbito hospitalar: assistência farmacêutica e clínica. III SIMPÓSIO DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS Data: 23 a 25 DE OUTUBRO DE 2014.

SALOMÃO, A.J. Automedicação. Revista da Associação Médica Brasileira, v. 47, n. 4, Editorial, 2011. Disponível em . Acesso em: 02 nov. 2021.

SOUSA Hudson W. O.; Jennyff L. Silva; Marcelino S. Neto. A importância do profissional farmacêutico no combate à automedicação no Brasil. Recebido em 07/05/2018 - Vol. V (1), 67-72, 2018 Aceito em 03/06/2018 Curso de Farmácia da Faculdade de Imperatriz – FACIMP. Imperatriz - MA, Brasil.

SILVA, J. A. Curso de direito constitucional positivo. 32. ed. rev. e atual. São Paulo: Malheiros, 2017.

SOUZA, Alexandre de. Constituição do Brasil Interpretada. 2. Ed. São Paulo: Atlas, 2013.

SILVA, Caio Antony Menezes; COHEN, Juliana Frezza Vieira. Fisiopatologia de alopecia androgenética: uma revisão da literatura. Revista Saber Científico, Porto Velho, v. 7, n. 1, p. 1 –7, nov 2018.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n6-093