O papel do farmacêutico junto a estratégia da saúde da família (ESF) no atendimento ao paciente com depressão: uma revisão integrativa / The role of the pharmacist with the family health team (ESF) in care for patients with depression: an integrative review

Dan Ferreira do Nascimento, Rafaela Maianna Cruz de Castro Freitas

Abstract


O presente estudo teve por objetivo analisar depressão, elucidando o papel do profissional farmacêutico no atendimento de pacientes com referida patologia quando imerso na Estratégia da Saúde da Família (ESF), tendo como base achados da literatura científica no loco temporal entre 2012 e 2022. Para a realização de presente estudo foi utilizada a metodologia de revisão integrativa, de cunho técnico descritivo e exploratório, a qual incluiu análise crítica, interpretação literária e compreensão de textos selecionados referentes ao tema do presente estudo. Como resultados foram identificados 19.748 conteúdos, dos quais, após seleção minuciosa por título e resumos disponíveis, permaneceram 173; desses foram excluídos 128 por serem publicações do “tipo” editorial ou cartas, duplicatas ou por não possuírem relação clara com o objetivo desejado; ao fim seguiram para leitura integral 21 conteúdos científicos de molde artigo, dos quais somente 5 foram selecionados a serem base a modular a discussão do estudo em si. Com base nos resultados aferidos conclui-se que o papel do profissional farmacêutico no atendimento de pacientes com depressão quando imersos em ESF recai sob o ato de: 1) garantir que a terapia indicada ao uso é conveniente, segura, adequada e efetiva; 2) instruir/ educar acerca do Uso Racional de Medicamentos (URM), dos Problemas Relacionados a Medicamentos (PRM) e de meios a minimizar agravos em saúde vide uma maior e mais assertiva autonomia no autocuidado; 3) garantir a aplicação, ampla e correta, da farmacovigilância na dispensação de psicofármacos, e 4) ceder meios a que o tratamento psicofarmacológico prescrito possa deter o melhor resultado possível.


Keywords


depressão, atenção primária em saúde, atenção farmacêutica, uso racional de medicamentos, estratégia saúde da família.

References


ALVES, D. N. et al. Estratégia para promoção do uso racional de medicamentos na educação de jovens e adultos. REDACS. 2020; vol. 8(1): 49-56. (http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/refacs/article/view/3878/pdf).

ANGONESI, D.; RENNÓ, M. U. P. Dispensação farmacêutica: proposta de um modelo para a prática. Ciênc. saúde coletiva. 2011; vol. 16(9). Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232011001000024. Acesso 24/02/2022.

BARROS, F. P. C. A incorporação dos conhecimentos em saúde coletiva nas políticas e práticas municipais do SUS - a perspectiva do CONASS. BIS, Bol. Inst. Saúde (Impr.). 2012; vol. 13(3): 223-229. (http://periodicos.ses.sp.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1518-18122012000300005&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt).

BECK, A. T.; ALFORD, B. A. Depressão: causas e tratamentos. São Paulo: Artemed, 2011.

BISSON, M. P. Farmácia Clínica & Atenção Farmacêutica. 3.ed. Rio de Janeiro: Manole, 2016.

BORGES, M. V. O papel do farmacêutico clínico na atenção farmacêutica hospitalar. Graduação (Bacharelado em Farmácia). São Paulo: FAEMA, 2019, 39f. Disponível em: https://repositorio.faema.edu.br/bitstream/123456789/2490/1/Maria %20ok_assinado_assinado_assinado.pdf. Acesso 10/10/2021.

BRASIL. Uso racional de medicamentos: temas selecionados. Brasília: Ministério da Saúde, 2012. 158f. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/uso_racional_medicamentos_temas_selecionados.pdf. Acesso 23/02/2022.

Cuidado farmacêutico na atenção básica: Caderno 1 – Serviços farmacêuticos na atenção Básica a Saúde. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência. Farmacêutica e Insumos Estratégicos, 2014. 108f. (Cuidado farmacêutico na atenção básica; caderno 1). Publicado 2014. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/servicos_farmaceuticos_atencao_basica_saude.pdf. Acesso 23/02/2022.

CALADO, D. S.; TAVARES, D. H. C.; BEZERRA, G. C. O papel da atenção farmacêutica na redução das reações adversas associados ao tratamento de pacientes oncológicos. Rev. Bra. Edu. Saúde. 2019; vol. 9(3): 94-99. (https://www.gvaa.com.br/revista/index.php/REBES/article/view/6606/6355).

CIMINO, V. humanização em saúde. São Paulo: Contracorrente, 2016.

COSTA JÚNIOR, S. et al. Programa Saúde da Família: Cuidados Com o Câncer Bucal. São Paulo: Napoleão, 2012.

CUBAS, M. R.; NÓBREGA, M. M. L. Atenção Primária em Saúde. São Paulo: Elsevier, 2015.

DEEP, C. N. et al. Avaliação da intervenção cognitivo comportamental em gestão do stress em pacientes com fadiga oncológica, em radioterapia. Saúde Soc. 2014; vol. 23(1): 293-301. (https://www.scielo.br/pdf/sausoc/v23n1/0104-1290-sausoc-23-01-00293.pdf).

DIANA, J. Pesquisa descritiva, exploratória e explicativa. S/ d. Disponível em: https://www.diferenca.com/pesquisa-descritiva-exploratoria-e-explicativa/. Acesso 23/02/2022.

FEITOSA, M. P.; BOHRY, S.; MACHADO, E. R. Depressão: família e seu papel no tratamento do paciente. Revista de Psicologia. 2012; vol. 14(21). (https://revista.pgsskroton.com/index.php/renc/article/view/2499).

FERNANDES, L. L. A importância do farmacêutico hospitalar juntamente com a equipe multidisciplinar na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Revista FAROL. 2019; vol. 8(8): 5-21. (https://www.revistafarol.com.br/index.php/farol/article/view/167/131).

FERNANDES, E. T. P.; SOUZA, M. N. L.; RODRIGUES, S. M. Práticas de grupo do Núcleo de Apoio à Saúde da Família: perspectiva do usuário. Physis. 2019; vol. 29 (01). (https://www.scielosp.org/pdf/physis/2019.v29n1/e290115/pt).

FERREIRA, K. V. F.; MELO, N. I. Depressão em idosos: o papel do profissional farmacêutico. Revista Psicol Saúde e Debate. 2018; vol. 4(1):44-60. (http://psicodebate.dpgpsifpm.com.br/index.php/periodico/article/view/182/123).

GIOVANELLA, L. Atenção básica ou atenção primária à saúde?. Cad. Saúde Pública. 2018; vol. 34(8). (http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2018000800502&lng=es&nrm=iso&tlng=es).

GOMES, A. M. C. S; RIBEIRO, O. A influência do estado nutricional na depressão em doentes em cuidados paliativos. Publicado 2014. Disponível em: http://www.ipv.pt/millenium/Millenium46/9.pdf. Acesso 09/10/2021.

IBGE. Pesquisa Nacional de saúde: 2019. Rio de Janeiro: IBGE, 2020. 113f. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101764.pdf. Acesso 28/09/2021.

LASING A.; SOUZA, J.; FERNANDES, L. C.; CASTRO, L. C.; KAUFFMAN, C. O farmacêutico em serviço de atenção secundária a saúde: atuação em equipe multiprofissonal para promoção do uso racional de medicamentos. Revista Destaques Acadêmicos. 2017; vol. 9(3). (http://univates.br/revistas/index.php/destaques/article/view/1531/1218).

LAVRAS, C. Atenção Primária à saúde e a organização de redes regionais de atenção à saúde no Brasil. Rev Saúde Soc. 2011; vol. 20(4): 867-874. (http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12902011000400005).

LIMA, É. D.; SILVA, R. G.; RICIERI, M. C.; BLATT, C. R. Farmácia Clínica em Ambiente Hospitalar: Enfoque no Registro das Atividades. Bras. Farm. Hosp. Serv. Saúde. 2017; vol. 4(8): 18-24. (http://www.v1.sbrafh.org.br/public/artigos/2017080403001253ES.pdf).

MARQUES, L. A. M. Avaliação da efetividade da Atenção Farmacêutica pelo Método Dáder em pacientes ambulatoriais com depressão. Tese (Doutorado em Medicina). São Paulo: Universidade Federal de São Paulo, 2012. 135f. Disponível em: http://repositorio.unifesp.br/handle/11600/22135. Acesso 27/09/2021.

MENEZES, I. C.; JURUENA, M. F. Diagnóstico de Depressões Unipolares e Bipolares e seus especificadores. Medicina, Ribeirão Preto. 2017; vol. 50. (https://www.revistas.usp.br/rmrp/article/view/127540/124634).

OLIVEIRA, F. R. A. S. M.; FREITAS, R. M. Atenção farmacêutica a um portador de depressão. Revista Eletrônica de Farmácia. 2012; vol. 9(3): 54 - 66. (https://revistas.ufg.br/REF/article/view/16123/11984).

PAULA, R. T.; SOUSA, M. E. F. P.; REIS, T. M.; SANTOS, L. A. C.; RESENDE, M. A. et al. A Atuação Do Enfermeiro Diante A Depressão Em Idosos Institucionalizados: Subsídios De Prevenção. REAS. 2018; vol. 11. (https://www.acervosaude.com.br/doc/REAS130.pdf).

PEREIRA, M. B. M.; AZEVEDO, J. M. Depressão e angústia: modos de expressão na contemporaneidade. Pretextos. 2017; vol. 2(3). (http://periodicos.pucminas.br/index.php/pretextos/article/view/14256).

PERON, N. B.; SARTES, L. M. A. Terapia cognitivo-comportamental no hospital geral: revisão da literatura brasileira. Rev. bras.ter. cogn. 2015; vol. 11(1). (http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rbtc/v11n1/v11n1a06.pdf).

PINTO, L. F.; GIOVANELLA, L. Do Programa à Estratégia Saúde da Família: expansão do acesso e redução das internações por condições sensíveis à atenção básica (ICSAB). Ciência & Saúde Coletiva. 2018; vol. 23(6): 1903-1913. (http://www.scielo.br/pdf/csc/v23n6/1413-8123-csc-23-06-1903.pdf).

PINTO, V. B. et al. Atenção Farmacêutica: Gestão e Prática. São Paulo: Atheneu, 2017.

QUEVEDO, J. et al. Depressão: Teoria e Clínica. 2.ed. São Paulo: ABP, 2018.

RODRIGUES, A. S.; PIPPER, S. O.; COSTA, F. R. N. A prática clínica do farmacêutico atuando no núcleo de apoio a saúde família com ênfase no uso irracional de medicamentos no período da pandemia: Uma Revisão Sistemática. Research, Society and Development. 2022; vol. 11(4): e22611427193. (https://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:y0aexotiYkIJ:https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/download/27193/23850/318871+&cd=3&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br)

SANTANA, D. P. H.; TAVEIRA, J. C. F.; LEÃO, A. M.; EDUARDO, N. A Importância da Atenção Farmacêutica na Prevenção de Problemas de Saúde. Revista Inic Cient e Ext. 2019; vol. 2 (1): 59-60. (https://revistasfacesa.senaaires.com.br/index.php/iniciacao-cientifica/article/view/235/176).

SANTANA, G. S.; OLIVEIRA, G. S.; RIBEIRO NETO, L. M. O farmacêutico no âmbito hospitalar: assistência farmacêutica e clínica. Ciências Farmacêuticas. 2014: 1-3. (http://www.saocamilo-sp.br/novo/eventos-noticias/simposio/14/SCF001_14.pdf).

SERRANO, M. A. M. O sistema Único de Saúde e suas diretrizes constitucionais. São Paulo: Verbatim, 2012.

SILVA. A. B. B. Mentes depressivas: As três dimensões da doença do século. São Paulo: PRincipium, 2016.

SILVA, J. N. M.; SOUZA, V. N.; SOUZA, E. N.; SANTOS, A. P. Atenção farmacêutica em drogarias: cuidados com a saúde do homem. REICEN. 2019; vol. 2(1). (https://revistasfacesa.senaaires.com.br/index.php/iniciacao-cientifica/article/view/238/178).

SINITOX. Estatística anual de casos de intoxicação e envenenamento. Fundação Oswaldo Cruz/ Centro de Informação Científica e Tecnológica. Rio de janeiro, 2011.

STORPIRTIS, S.; FERREIRA, E. I.; NICOLETTI, M. A.; ROSSI, M. S. P. N.; MORI, A. L. P. M. et al. Bases Conceituais do Novo Modelo de Atuação da Farmácia. Tese (Doutorado em farmácia). São Paulo: Universidade de São Paulo, 2016. 76f. Disponível em: https://kipdf.com/bases-conceituais-do-novo-modelo-de-atuaao-da-farmacia-universitaria-da-universi_5b3128ad097c473f3b8b47aa.html. Acesso 10/10/2021.

TELES, L. Depressão não é fraqueza: como reconhecer, prevenir e enfrentar a doença mais incapacitante do cérebro. São Paulo: Alaúde, 2019.

VIEIRA, T.; GIUGLIANI, R. Manual de Genética Médica para Atenção Primária à Saúde. São Paulo: Artmed, 2014.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n6-103