O crescimento do consultório farmacêutico entre os anos 2017 a 2020 na cidade de Imperatriz-MA / The growth of the pharmaceutical consulting between 2017 and 2020 in the city of Imperatriz-MA

Geisa Sousa Pessoa, Marcos Diego Pereira da Silva

Abstract


O consultório farmacêutico é um espaço onde o farmacêutico pode atender as pessoas preservando a individualidade da consulta. Suas atividades englobam a orientação do paciente sobre como usar medicamentos prescritos, avaliação do conjunto de medicamentos usados pelo paciente quanto a dosagem, horário de consumo e possíveis interações, comunicação com outros profissionais da saúde. O objetivo desse trabalho foi analisar o crescimento do consultório farmacêutico entre os anos 2017 a 2020 na cidade de Imperatriz-MA. O presente trabalho caracterizou-se por um estudo exploratório descritivo com caráter qualitativo, onde também se caracterizou como uma pesquisa de campo. Como instrumentos de coleta de dados foram realizadas entrevistas estruturadas com 05 (cinco) destes gestores, entre os meses de março a abril do ano de 2022. Para a realização da análise de dados dos discursos obtidos das entrevistas com os gestores, foi utilizado o software Qualiquantisoft®, que consiste basicamente em analisar o material verbal coletado em pesquisas que têm depoimentos como sua fonte de informação, extraindo-se de cada um destes materiais obtidos informações, formulado assim o Discurso do Sujeito Coletivo (DCS). Através das análises nos quadros, os resultados apontaram que todos os participantes apontaram que a Assistência Farmacêutica é uma das principais estratégias para o crescimento do consultório farmacêutico, pois proporciona assim uma maior atenção e educação em saúde. Foi ressaltado que quando se adota uma boa política de atendimento torna-se o cliente ainda mais fidelizado nos serviços e produtos dos consultórios farmacêuticos.. Observou-se a importância das tecnologias para um processo mais rápido de atendimento ao cliente, vendas mais fidelizadas e colaboradores mais participativos no âmbito do consultório farmacêutico.


Keywords


consultório farmacêutico, crescimento, farmacêutico.

References


ABUGHOSH, Susan M.; WANG, Xin; SERNA, Omar.; HENGES,C.; MASILAMANS. APharmacist Telephone Intervention to Identify Adherence Barriers and Improve AdherenceAmong Nonadherent Patients with Comorbid Hypertension and Diabetes in a MedicareAdvantage Plan. Journal Of Managed Care & Specialty Pharmacy, [s.l.], v. 22, n. 1, p.63-73, jan. 2010.

ALBRECHT, A. C. (Org). Marketing de Varejo. Itu: Ottoni, 2010.

ALENCAR, T.O.S. et al. Dispensação farmacêutica: uma análise dos conceitos legais em relação à prática profissional. Revista de Ciências Farmacêuticas Básicas e Aplicada, v. 32, n. 1, p. 89-94, 2011.

ALOMAR, Muaed Jamal. Factors affecting the development of adverse drugreactions(Review article). Saudi Pharmaceutical Journal, [s.l.], v. 22, n. 2, p.83-94, abr. 2014.

AMARO, S. Visita Domiciliar: Guia para uma abordagem complexa. Porto Alegre. AGE. 2014.

AMES, Delyth H.; FRENCH, David P.. The development of the Self-MedicatingScale(SMS): a scale to measure people’s beliefs about self-medication. PharmacyWorld&Science, [s.l.], v. 30, n. 6, p.794-800, 31 maio 2018.

AURÉLIO, M.; FONSECA, V.; MENDONÇA, D. Perfil epidemiológico dos pacientes com hipertensão Arteriais sistêmicos acompanhados por um programa saúde da família de São Sebastião-DF, Brasil. Revista APS, v. 17, n. 3, 2014.

BARRETO, N. D. M. et al. Prevalência da hipertensão arterial nos indivíduos de raça negra. Arquivos Brasileiros de Medicina, v. 67, n. 6, 2011.

BASTOS, C. R. G.; CAETANO, R. As percepções dos farmacêuticos sobre seu trabalho nas farmácias comunitárias em uma região do estado do Rio de Janeiro. Ciência & Saúde Coletiva, . Rio de Janeiro. v. 15, n. 3, p. 3541-3550, 2010.

BERNARDO, A. F. B.; Associação entre atividade física e fatores de risco cardiovasculares em indivíduos de um programa de reabilitação cardíaca. Revista brasileira de Medicina do esporte. Presidente Prudente, V. 19, n. 4, p.231-235. 2015.

BOONE, Louis E.; KURTZ, David L. Marketing Contemporâneo. 8. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2012.

BORGES, Anna Paula de Sá et al. Avaliação econômica de pacientes ambulatoriaisportadores de diabetes melito tipo 2 assistidos por umserviço de atençãofarmacêutica. Arquivo Brasileiro de Endocrinologia Metabólica, [s.i], v. 9, n. 55, p.686-691, mar. 2018.

BRASIL, Ministério da saúde. Cuidados com a HAS. 4 Ed. Brasília, 2007.

BRASIL, Ministério da saúde. Hipertensão arterial sistêmica. 1 Ed. Brasília, 2006.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução n° 306, de 07 de dezembro de 2004. Dispõe sobre o Regulamento Técnico para o gerenciamento de resíduos de serviços de saúde. Diário Oficial da União. Brasília (DF), 10 de dezembro de 2009.

BRASIL. Conselho Federal de Farmácia. Resolução nº 577 de 25 de julho de 2013, disponível em http://www.cff.org.br/userfiles/file/resolucoes/577.pdf> acessado 10 de março de 2022.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2488, de 21 de Outubro de 2015. Redefine a atenção domiciliar no âmbito do Sistema único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União, Brasília, DF, n.208, 28 out. 2015. Seção 1.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações. Programáticas Estratégicas. Política nacional de atenção integral à saúde da mulher: princípios e diretrizes. Brasília: Ministério da Saúde, 2013.

BRASILa. Conselho Federal de Farmácia. Resolução nº 499, de 17 de dezembro de 2013. Dispõe sobre a prestação de serviços farmacêuticos em farmácias e drogarias e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília (DF), 23 de dezembro de 2013.

CARRILHO, R. F.; RIBEIRO, W. Implantação do Método Dáder em Atenção Farmacêutica em drogaria no município de Monteiro Lobato – SP. XIV INIC / X EPG. Universidade do Vale do Paraíba – UNIVAP, 2010.

CARVALHO, Luiz Calos Pereira. Teoria microeconomia: São Paulo: atlas, 2010.

CARVALHO, Nilson José; CRUZ, José Anderson Santos, A venda consultiva e gestão do conhecimento como ferramenta estratégica de negociação. Mato Grosso do Sul: Comunicação & Mercado Unigran, 2016.

CFF, CONSELHO FEDERAL DE FARMÁCIA. Atividades do Farmacêutico na Farmácia Comunitária. Manual II. Brasília, fevereiro 2009. Disponível em: www.cff.org.br. Acesso em: 17 de março de 2021.

CHAU, Sek Hung et al. Clinical medication reviews in elderly patients with polypharmacy: across-sectional study on drug-related problems in the Netherlands. International Journal OfClinical Pharmacy, [s.l.], v. 38, n. 1, p.46-53, 23 nov. 2015.

CHURCHILL, Gilbert A.; PETER JUNIOR, Paul. Marketing: Criando Valor Para os Clientes. São Paulo: Saraiva, 2000.

CONSELHO FEDERAL DE FARMÁCIA. Exercício profissional diante dos desafiosdafarmácia comunitária. 4ªed. CFF. p. 20. Brasília. 2013.

COSTA, Cíntia C. Rezende et al. O adoecimento do portador de esclerose múltipla: percepções e vivências a partir da narrativa de dois casos clínicos. Fortaleza: RBPS, 2005.

COSTA, J. M. B.; SILVA, M. J. F.; CARVALHO, E. F. Avaliação da implantação da atenção à hipertensão arterial pelas Equipes de Saúde da Família do município do Recife (PE, Brasil). Ciência e Saúde Coletiva, v. 16, n. 2, p. Recife - PB, 2011.

CRUZ, M. M.. A visita domiciliária na Estratégia de saúde da Família: conhecendo as percepções das famílias. Saúde Soc. São Paulo, v.19, n. 3, p. 605-613, 2016.

DIAS, Sergio Roberto. Gestão de Marketing. São Paulo: Saraiva, 2018.

DORNELAS, José Carlos Assis. Empreendedorismo: transformando idéias em negócios. Rio de Janeiro: Campus, 2001.

DORNELAS, José. Transformando Ideias Em Negócio. 4° edição. São Paulo, editora campus, 2001.

DRULLA, A. G. l. A visita domiciliar como ferramenta ao cuidado familiar. CogitareEnferm, v. 14, n. 4, p. 667-74, out./dez., 2016.

ESTEFAN IJS. O ensino de Farmácia. Rev. Caderno de Saúde Pública, vol.2, nº.4, p.511-532. 2018.

FERNANDES, M. A. A indústria farmacêutica e a introdução de medicamentos genéricos no mercado Brasileiro. Nexos Econômicos – CME-UFBA, v. 6, n. 2, dez. 2011.

GALATO, G. et al. Dispensação de medicamentos: uma reflexão sobre o processo para prevenção, identificação e resolução de problemas relacionados à farmacoterapia. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas. v. 44, n. 3, 2018.

GARCIA, M. Marketing Básico: São Paulo: Atlas, 2007.

GUMMESSON, E. Marketing de Relacionamento Total. São Paulo: Bookman, 2002.

HEPLER, M. SSTRAND. B et al. Farmacologia ilustrada. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2011.

IMS HEALTH, P., 2017 Administração de marketing: análise, planejamento, implementação e controle. 5. ed. São Paulo, Atlas.

KOTABE, Philip; HELSON. P.H. Marketing. São Paulo: Atlas S.A., 2013.

KOTHER, A. C. (Org). Gestão de Marketing no Varejo. São Paulo: Edições O.L.M., 2000.

KOTLER, Philip. Marketing para o século XXI: como criar, conquistar e dominar mercados. São Paulo: Ediouro, 2012.

LEVY, A. S. D. C., Fusões & Aquisições na Indústria Farmacêutica: O Caso da Empresa Novartis. Dissertação de Mestrado em Finanças, Instituto Universitário de Lisboa, Lisboa, Portugal, 2010.

LIMA, Rhanna Emanuela Fontenele; CASSIANI, Silvia Helena de Bortoli. POTENTIALDRUG INTERACTIONS IN INTENSIVE CARE PATIENTS ATATEACHINGHOSPITAL. Revista Latino Americana de Enfermagem, [s.l], v. 2, n. 17, p.14-22, 2019.

MACHLINE, C., AMARAL JÚNIOR, J. B. C., 2011, "Avanços Logísticos no Varejo Nacional: O Caso das Redes de Farmácias". Revista de Administração de Empresas, v. 38, n. 4, pp. 63-71.

MINAYO, M. C. S.,. Pesquisa social. 22. ed. Petrópolis: Vozes, 2013.

MINAYO, M. C. S.,. Pesquisa social. 22. ed. Petrópolis: Vozes, 2013.

NASCIMENTO, YONE ALMEIDA. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS - UFMG. Faculdade de Farmácia. Avaliação de resultados de um serviço de atenção farmacêutica em Belo Horizonte. 2014. 130 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Farmácia.

PALADINI, E. P. Gestão da qualidade: teoria e prática. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2015.

PARENTE, Juracy. Varejo no Brasil: Gestão e Estratégias. São Paulo: Editora Atlas S.A., 2000.

PEÇANHA, K. L.; MENESES, R. Administração de Marketing. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2010.

PINHO, J.B. Comunicação em Marketing. Summus. São Paulo. 2010.

REIS, M. S. Por que o farmacêutico se afastou das drogarias? Análise do interesse dos farmacêuticos da cidade de Santos (SP) em trabalhar com dispensação de medicamentos. Revista Infarma, Santos, SP, v.17,n.5/6,p.78-82, 2018

SANTANA, M. L. M. A estratégia e o cenário dos negócios para implementação e avaliação das estratégias corporativas. Rio de Janeiro, 2004.

SANTOS, E. C. dos; FERREIRA, M. A. A Indústria Farmacêutica e a Introdução de Medicamentos Genéricos no Mercado Brasileiro. Revista Nexos Econômicos, Salvador, v. 6, n. 2, p. 95-120, dez. 2009.

SANTOS, N., et al. Administração da produção. 3. ed. São Paulo, Atlas, 2010

SEBRAE 2016. Como montar uma drogaria. Disponível em: https://www.sebrae.com.br. Acesso em maio de 2020.

SILVA, Maria das Dores Graciano, Erros de dispensação de medicamentos em unidade pediátrica de um hospital universitário, 92 f. Dissertação Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde, da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2014.

SPAREMBERGER, A., ZAMBERLAN, L.. Marketing estratégico. (Unijuí Ed., pp. 212). Coleção educação à distância, série livro-texto. Ijuí, RS. 2008

TOFOLI, S.;. Farmácia Clínica e Atenção farmacêutica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, v.1, p.202- 222, 2008.

VALLE, B. M. Tecnologia da Informação no Contexto Organizacional. Ciência da Informação, v. 25, n. 1, 2012.

VIDOTI, Marcelo. SILVA, L. R. Farmácia clínica e atenção farmacêutica. 2. ed. São Paulo: Manole, 2016.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n6-105