O feminismo jurídico e a (re)construção da narrativa feminina no direito / Legal feminism and the (re)construction of the female narrative in law

Thalita Raquel Neves Bebé, Henriete Karam

Abstract


O presente artigo tem como objetivo a análise da possibilidade do feminismo jurídico promover a (re)construção da narrativa feminina no Direito. Com o intuito de embasar essa análise, serão abordados os conceitos de narrativa, a partir das formulações de Jerome Bruner, e da polifonia, com base no estudo de André Karam Trindade e Henriete Karam. O método de pesquisa utilizado foi a revisão bibliográfica e, a conclusão alcançada deixa claro a possiblidade de construção de uma narrativa feminina no Direito, que contribuiria, inclusive, para o estabelecimento de uma narrativa processual polifônica, bem como para a legitimidade do Estado democrático de Direito.

 


 


Keywords


narrativa, polifonia, feminismo jurídico.

References


ARISTÓTELES. Poética. In: ARISTÓTELES; HORÁCIO; LONGINO. A poética clássica. São Paulo: Cultrix, 1997. p. 17-52.

BARTLETT, Katherine T. Feminist legal methods. Harvard Law Review. vol. 103. n. 4. p. 829-888. 1989. Disponível em: https://scholarship.law.duke.edu/faculty_scholarship/148/. Acesso em: 13 jan. 2021.

BRUNER, Jerome. Fabricando Histórias: direito, literatura, vida. Trad. De Fernando L. Cássio. São Paulo: Letra e Voz, 2014.

CALVO GONZÁLEZ, José. Por uma teoria narrativista do direito. In: CALVO GONZÁLEZ, José. Direito curvo. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2013. p. 41-57.

GERVÁSIO, Ana Laura Marques; ALMEIDA, Juliana Evangelista de. Gênero, poder e subjetividade: uma análise sobre o número de mulheres em situação de privação de liberdade no Brasil. Revista de Direito da Faculdade Guanambi, Guanambi, v. 6, n. 02, 267, jul./dez. 2019. Disponível em: http://177.38.182.246/revistas/index.php/Revistadedireito/article/view/267. Acesso em 13 jan. 2021.

GILLIGAN, Carol. Uma Voz Diferente: psicologia da diferença entre homens e mulheres da infância à idade adulta. Trad. De Nathanael C. Caixeiro. Rio de Janeiro: Editora Rosa dos Tempos, 1982.

HOOKS, Bell. O feminismo é para todo mundo: políticas arrebatadoras. Trad. De Ana Luiza Libânio. 1. ed. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2018. Recurso digital.

KARAM, Henriete. A linguagem e as mulheres. In: TIBURI, M.; MENEZES, M. de; EGGERT, Edla (org.). As mulheres e a filosofia. São Leopoldo: Unisinos, 2002. p. 183-191.

KARAM, Henriete. Espaço-tempo e memória: a subjetividade em “Le temps retrouvé”, de M. Proust. 2008. 607f. Tese (Doutorado em Letras) - Instituto de Letras, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2008.

KARAM, H.; AVELAR, G. R. F. A polifonia processual e a vulnerabilidade dialógica no sistema judicial brasileiro. Revista de Estudos Constitucionais, Hermenêutica e Teoria do Direito (RECHTD), v. 11,n. 2, p. 281-294, 2019.

KARAM, H.; CASTRO, R. Direito, narrativa e imaginário social. Revista de Direito da Faculdade Guanambi, v. 7, n. 02, p. e314, 11 fev. 2021.

SILVA, Salete Maria da. Feminismo jurídico: uma introdução. Salvador: Revista Cadernos de Gênero e Diversidade, v. 4., n. 1, p. 83-102, 2018. Disponível em: https://portalseer.ufba.br/index.php/cadgendiv/article/view/25806. Acesso em: 13 jan. 2021.

TELES, Maria Amélia de Almeida. Breve história do feminismo no Brasil e outros ensaios. São Paulo: Editora Alameda, 2017. E-book.

TRINDADE, André Karam. Processo e Polifonia. In: Jacinto Nelson de Miranda Coutinho (org.). Direito & Psicanálise: intersecções e interlocuções a partir de "Ensaio sobre a cegueira", de José Saramago. Rio de Janeiro: Lume Juris, 2017. p. 35-42.

TRINDADE, André Karam; KARAM, Henriete. Polifonia e verdade nas narrativas processuais. Revista Sequência: Estudos Jurídicos e Políticos. UFSC, Florianópolis. n. 80, p. 51-74, dez. 2018. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/sequencia/article/view/2177-7055.2018v39n80p51. Acesso em 13 jan. 2021.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n5-133