Percepção do consumidor paranaense sobre sustentabilidade na cadeia produtiva de leite / Parana’s consumer perception on the milk production chain sustainability

Carla Aparecida de Barros, José Antônio Fregonesi, Ediane Zanin, Higo Forlan Amaral, Tatiane Vito Camiloti

Abstract


A sociedade tem se preocupado com a produção mundial de alimentos de forma a não prejudicar o meio ambiente. Assim, a produção sustentável supre as necessidades do presente sem comprometer as oportunidades das futuras gerações. A percepção sobre a sustentabilidade na cadeia produtiva de leite foi avaliada entre consumidores do estado do Paraná através da aplicação de um questionário dividido em três segmentos: o perfil de consumo de lácteos; percepção sobre sustentabilidade e disposição em pagar a mais por produtos sustentáveis e o perfil sociodemográfico. As questões foram construídas de forma objetiva e discursiva, utilizando-se a escala Likert, graduada de 1 a 5. O questionário foi aplicado em cidades do estado, seguindo a indicação do IBGE sobre o estrato de Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM). Os dados foram analisados de forma descritiva, usando o programa Action Stat (2014) e nos casos de comparação de cenários, utilizou-se o teste não paramétrico Kruskal-Wallis, com 5% de significância (P<0,05). Os resultados mostraram que os consumidores paranaenses consomem leite fluido, mesmo considerando diferenças de escolaridade, renda e idade. Os consumidores pagariam a mais por produtos que levassem em conta a proteção do meio ambiente, mas não consideram a certificação como garantia de qualidade. A pesquisa revelou que o consumidor preocupa-se com as questões ambientais e reconhece as responsabilidades das propriedades rurais em produzir de forma sustentável. No entanto, a consciência ecológica não parece ser um pensamento responsável da maioria dos consumidores, visto que uma parte expressiva dos consumidores não pagaria por produtos sustentáveis e não identifica as atribuições da responsabilidade social das empresas sustentáveis.


Keywords


consumido consciente, intenção de compra, lácteos.

References


AGENDA 21. A Ciência para o Desenvolvimento Sustentável,1992. Disponível em: . Acesso em novembro de 2020.

AKATU. Pesquisa Akatu 2018: preço é percebido como forte barreira na adoção de práticas sustentáveis. Disponível em:< https://akatu.org.br/pesquisa-akatu-2018-preco-e-percebido-como-forte-barreira-na-adocao-de-praticas-sustentaveis/>. Acesso em novembro de 2020.

AKATU. Relatório de atividades. 2009. Relatório Anual. Disponível em: . Acesso em setembro de 2020.

ASSADOURIAN, E. Ascensão e queda das culturas de consumo. In: WORLDWATCH INSTITUTE. Estado do Mundo, 2010: estado do consumo e o consumo sustentável. Salvador: Uma Ed., 2010.

ATLAS BRASIL. Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil de 2013. Paraná, PNUD, IPEA, Fundação João Pinheiro, 2013.

BORINELLI, B.;COLTRO, F.L.Z.; MORIYA, I.; SANTOS, L.M.L et al. Environmental regulation and sustainable consumption: a discussion based on the perception of consumers from Londrina – PR. Revista Capital Científico. Guarapuava, PR, v.8 n.1, jan./dez., 2010.

CAMPOS, F. L.; MORAES, R. C; GOMES, D. C.; ARAUJO, L. F.; VILARINHO, R. C. et al. Percepção sobre o consumo de leite e derivados por participantes do Congresso Internacional do Leite em Porto Alegre. Revista Científica de Medicina Veterinária, Garça, v. 14, n. 27, jul., 2016.

CÔRTES, P. L.; MORETTI, S. L. A. Consumo verde: um estudo transcultural sobre crenças, preocupações e atitudes ambientais. REMark - Revista Brasileira de Marketing, São Paulo, v. 12, n. 3, p. 45-76, jul./set., 2013.

DIAS, C. G., ROCHA, O, C.; TEIXEIRA, M., M. Bebidas vegetais alternativas ao leite. Life style, 7(1), p.15-25, 2020.

ECKERT, R. G.; ROMAN, J. A.; FERRI, P. et al. Perfil dos consumidores de leite no município de Cascavel – Paraná. Cascavel. 2009. Monografia. Especialização em Segurança de Alimentos. União Pan-Americana de Ensino.

EQUIPE ESTATCAMP. Software Action. Estatcamp. Consultoria em estatística e qualidade. São Carlos, 2014. Disponível em: http://www.portalaction.com.br/. Acesso em fevereiro de 2020.

EURICH, J.; NETO, H. W.; ROCHA, C. H. et al. Índices emergéticos de sustentabilidade da produção leiteira em uma propriedade de base familiar em Palmeira, Paraná, Brasil. Ceres, Viçosa, v. 60, n. 3, maio/jun., 2013.

FIGUEIREDO, R.; ARAÚJO, E. A. Desempenho financeiro de empresas listadas no Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE): uma abordagem utilizando método multicritério. Relatórios de Pesquisa em Engenharia de Produção, Rio de Janeiro, v. 16, n. 1, p. 1-17, jan., 2016.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Demográfico, 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2011.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa de Orçamentos Familiares, 2018. Primeiros resultados. Rio de Janeiro: IBGE, 2019.

IPARDES. Sustentabilidade social; características econômicas sustentadas pelas atividades agroindustriais. Intituto Paraense de desenvolvimento econômico e social. Disponível em . Acesso em outubro de 2020.

LIMA, G. B. A. Notas de aula da disciplina Gestão Sustentável das organizações. 2008. Niterói. Dissertação. Mestrado em Engenharia de Produção. Faculdade de Engenharia, Universidade Federal Fluminense.

LOPES, V. N.; PACAGNAN, M. N. Marketing verde e práticas socioambientais nas indústrias do Paraná. Administração, São Paulo, v. 49, n. 1, jan./mar., 2014.

MAZZOTI., K.; BROEGA, A. C. Incentivo ao consumo consciente através de processos alternativos de criação em moda. In: Colóquio de moda, 8., 2012, Rio de Janeiro. Anais [...]. Rio de Janeiro: SENAI/CETIQT, 2012.

MOTTA, S. L. S.; ROSSI, G. B. Influência do fator ecológico na decisão de compra de bens de conveniência: um estudo exploratório na cidade de São Paulo. Revista Adm., São Paulo, v.38, n.1, p.46-57, jan./fev./mar., 2003

PEREIRA, B.; AYROSA, E. A. T.; FERNANDEZ, P. J. et al. Dois Estudos sobre o impacto do Argumento Ecológico em atitudes relativas ao produto e Intenção de compra. In: Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Curitiba, EnANPAD, 2004.

PEREIRA, S. J. N.; AYROSA, E. A. T. Atitudes Relativas a Marcas e Argumentos Ecológicos: um estudo experimental. Gestão.org – Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, v.2, n.2, mai./ago., 2004.

PESSOA, R. M. S.; GOIS, G. C.; SILVA, A. A. F.; CAMPOS, F. S.; LIMA, C. A. B.

et al. Perfil dos Consumidores de leite e derivados lácteos do município de Olho D’água – Paraíba. Nutritime, Viçosa, v. 15, n. 2, p. 42-46, mar/abr., 2018.

PREZZOTO, L. L. Agroindústria da agricultura familiar: regularização e acesso ao mercado. Brasília: CONTAG, 2016, 60 p.

SACHS, I. Desenvolvimento: includente, sustentável, sustentado. Rio de Janeiro: Garamond, 2008, 151 p.

SILVA, M. E.; NASCIMENTO, L. F. M. Atuação responsável ou jogo de mercado? Entendendo a relação empresa-mídia para a efetivação do consumo sustentável. Revista Administração. UFSM, Santa Maria, v.8, n.1, p.73-88, jan/mar., 2015.

SILVA, F. Q.; LIMA FILHO, D. O.; FREIRE, O. A influência da consciência ambiental e das atitudes em relação ao consumo sustentável na intenção de compra de carne bovina. Revista Administração. UFSM, Santa Maria, v.8, n.3, p.463-481. jul/set., 2015.

SILVA, C. A.; MARTINS, G. A. S. Alimentos Funcionais: tecnologia aliada a saúde. Revista Desafios, Tocantins, v. 5, n. 3, 2018. Disponível em . Acesso em novembro de 2020.

SILVA, A. M. M.; LOPES, W. G. R. Virtudes e Falácias do Marketing Verde e Consumo Sustentável: a percepção de servidores públicos de instituições de ensino em Teresina, Piauí. REDE – Revista Eletrônica do PRODEMA, Fortaleza, v.8, n.2, p.77-91, jul/dez., 2014.

STROBEL, J. S.; CORAL, E.; SELIG, P. M. Indicadores de sustentabilidade corporativa: uma análise corporativa. In: encontro anual da anpad, 28, 2004, Curitiba. Anais [...] Curitiba: ANPAD, 2004. CD-ROM.

TOMBINI, H. et al. Consumo de leite de vaca e derivados entre agricultores da região oeste do Paraná. Alimentos e Nutrição, Araraquara, v. 23, n. 2, p. 267-274, abr/jun., 2012.

TRIOLA, M. F. Introdução à estatística. 9ª. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2005, 656 p.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n6-144