Covid-19 e ansiedade dos estudantes de medicina – o impacto da pandemia / Covid-19 and medical students' anxiety - the impact of the pandemic

Mariana Beatriz Arcuri, Fabio Aldeia da Silva, Lívia Vargas Fabbri, Karine Garcia Pires, Simone Rodrigues

Abstract


A avaliação dos níveis de ansiedade e do estado de bem-estar nos acadêmicos da área da saúde é fundamental para efetivo acompanhamento do percurso pedagógico dos estudantes durante sua formação. A ansiedade, estado emocional normal que é considerado importante na melhoria do desempenho, se presente em níveis muito altos e constantes transforma-se em patológico e pode desencadear fluxo de redução de performance. A inserção na vida universitária já é por si só marcante e vem acompanhada de várias mudanças. Especificamente nos cursos de graduação em medicina, estudos revelam alta prevalência de ansiedade. Este trabalho tem como objetivo avaliar os níveis de ansiedade dos estudantes, na semana de provas do Curso de Medicina do Unifeso. Em 2021 foram avaliados o traço e o estado de ansiedade dos acadêmicos de Medicina do primeiro ao oitavo períodos através da aplicação do Inventário de Ansiedade Traço-Estado (IDATE). Relata-se neste trabalho o impacto da Pandemia de Covid-19 na coleta dos dados e nos resultados.


Keywords


ansiedade de desempenho, estudantes de medicina, avaliação educacional.

References


Lantyer, A.S, Varanda, C.C, Souza, F.G, Padovani, R.C, Viana, M.B. (2016). Ansiedade e Qualidade de Vida entre Estudantes Universitários Ingressantes: Avaliação e Intervenção. Rev. Bras. de Ter. Comp. Cogn., XVIII (2), 4-19.

Chaves, E.C.L., Lunes, D.H., Moura C.C., Carvalho L.C., Silva A.M., Carvalho E.C. (2015). Anxiety and spirituality in university students: a cross-sectional study. Rev Bras Enferm. 68(3):444-9.

Ferreira, L.M., Almondes, K.M., Braga, L.P., Mata, N.S., Lemos, C.A., Maia, E.M.C. (2009). Universidade, contexto ansiogênico? Avaliação de traço e estado de ansiedade em estudantes do ciclo básico. Ciência & Saúde Coletiva, 14(3):973-981.

Cardozo MQ et al. Fatores associados à ocorrência de ansiedade dos acadêmicos de Biomedicina. Saúde e Pesquisa ISSN 2176-9206 9.2 (2016): 251-262.

Bezerra BPN et al. Prevalência da disfunção temporomandibular e de diferentes níveis de ansiedade em estudantes universitários. Revista Dor 13.3 (2012): 235-242.

Osser CMC, Costa II. Saúde mental e qualidade de vida na moradia estudantil da Universidade de Brasília. Estud. psicol. (Campinas) [online]. 2011 [cited 2020 Oct 18] 28(1):115-122. Available from: . ISS 166X. http://dx.doi.org/10.1590/ S0103-166X2011000100012.

Mandler, G. & Sarason, S. B. (1952). A study of anxiety and learning. Journal of Abnormal and social Psychology, 47, 166-173.

Gutiérrez, M. (1996). Ansiedad y deterioro cognitivo: incidencia en el rendimiento académico. Ansiedad y Estrés, 2 (2-3), 173-194.

Da Silva LA et al. Ansiedade e qualidade de vida entre estudantes universitários ingressantes: avaliação e intervenção. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva 18.2 (2016): 4-19.

Chaves ECL et al. Anxiety and spirituality in university students: a cross-sectional study. Revista brasileira de enfermagem 68.3 (2015): 504-509.

Ferreira CL et al. Universidade, contexto ansiogênico? Avaliação de traço e estado de ansiedade em estudantes do ciclo básico. Ciência & Saúde Coletiva 14 (2009): 973-981.

Mangolini VI, Andrade LH, Wang YP. Epidemiologia dos transtornos de ansiedade em regiões do Brasil: uma revisão de literatura. Rev Med (São Paulo). 2019; 98(6):415-22.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n6-146