Levantamento de plantas medicinais utilizadas pela população de Coelho Neto, Maranhão, Brasil: um estudo etnobotânico / Survey of medicinal plants used by the population of Coelho Neto, Maranhão: an ethnobotanic study

Fabrícia Mesquita da Silva, Marilha Vieira de Brito, Junielson Soares da Silva, Eliete da Silva Brito, João Clécio Alves Pereira, Charles Lobo Pinheiro, Ynayanna Nariza Medeiros Silva

Abstract


As plantas medicinais são tradicionalmente utilizadas pela população ou comunidades para aliviar ou curar enfermidades. Seu uso, requer conhecimentos importantes sobre a planta, como onde colhê-la e como prepará-la. Como o acesso às plantas medicinais é tão facilitado, vem também as dificuldades, pois, o uso indevido pode trazer riscos à saúde.  O objetivo deste estudo foi realizar um levantamento das plantas medicinais utilizadas pela população de Coelho Neto, Maranhão, Brasil. O estudo foi realizado no período de 25 de junho a 30 de novembro de 2021. Aplicou-se um questionário semiestruturado para 41 pessoas de ambos os sexos, residentes Coelho Neto e que utilizam plantas com fins medicinais. As plantas mais utilizadas por populares na cidade de Coelho Neto – MA são boldo (Plectranthus barbatus Andrews), capim santo (Cymbopogon citratus), erva cidreira (Melissa officinalis L.), hortelã (Mentha piperita L.) e mastruz (Dysphania ambrosioides), dentre outras, predominantemente utilizadas como chás, em sua maioria provenientes do cultivo próprio. Os participantes apontaram que adquiriram conhecimentos sobre o uso dessas plantas, principalmente com parentes. Observa-se que há uma cultura a favor do uso de plantas medicinais como remédios, provavelmente pela herança cultural e por ser um método terapêutico acessível, barato e natural. No entanto, são necessários mais estudos, com uma amostra maior para poder ampliar a lista dessas plantas e propor melhores alternativas de uso.


Keywords


etnobotânica, enfermidades, conhecimento.

References


AGUIAR, L. C. G. G.; BARROS, R. F. M. Plantas medicinais cultivadas em quintais de comunidades rurais no domínio do Cerrado piauiense (município de Demerval Lobão, Piauí, Brasil). Revista Brasileira de Plantas Medicinais, Botucatu, v. 14, n. 3, p. 419-434, 2012.

ALENCAR, E. M; et al. Estudo etnobotânico do conhecimento e uso das plantas medicinais no município de Buriticupu, Maranhão, Brasil. Revista Ibero-americana de Ciências Ambientais, v. 10, p. x, 2019.

ALMEIDA, M. Z. (2011). Plantas medicinais. - 3. ed. - Salvador: EDUFBA.

ALVES, L.F. Produção de fitoterápicos no Brasil: História, problemas e perspectivas. Revista Virtual de Química. Rio de Janeiro-RJ. 5(3), p. 450-513, jul 2013.

BARACUHY, J. G. et al. Plantas Medicinais de Uso comum no Nordeste do Brasil. Campina Grande-PB: EDUFCG, 2014.

BATTISTI, C. et al. Plantas medicinais utilizadas no município de Palmeira das Missões, RS, Brasil. Revista brasileira de Biociências. Porto Alegre, 11(3), p. 338-348, jul./set. 2013.

BRASIL, Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Medicamentos fitoterápicos e plantas medicinais. Brasília: Ministério da Saúde, 2000. Disponível em: Acesso em 15 jun..2021.

BRASIL, Práticas integrativas e complementares: plantas medicinais e fitoterapia na Atenção Básica. Brasília. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde, 2012. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br> Acesso: 30 jun. 2021.

BRASIL, Congresso Nacional. Lei no. 9.782, de 26 de janeiro de 1999. Poder Legislativo, Brasília, DF. Disponível em: Acesso: 01 jun. 2021.

BRASIL, A Fitoterapia no SUS e o Programa de Pesquisas de Plantas Medicinais da Central de Medicamentos. Secretaria de Ciência, Tecnológica e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. Disponível em: Acesso: 25 jun. 2021.

BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica. Política e Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos / Ministério da Saúde, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Departamento de Assistência Farmacêutica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2016. p 190.

CARAVACA, H. Plantas que curam. Editora Virtual Books Online M&M Editores Ltda, 2000. Disponível em:

CERQUEIRA, W. F. Biodiversidade no Brasil. Disponível em: < https://www.preparaenem.com/geografia/biodiversidadenobrasil.htm>. Acesso em: 23/08/2021.

FERREIRA, S.H. et al. Medicamentos a partir de plantas medicinais no Brasil. 1ª edição. Academia brasileira de Ciências. 1988.

FIGUEREDO, C. A. et al. A implantação da Fitoterapia no SUS: uma avaliação à luz do arcabouço normativo. In: OLIVEIRA, M.H.B. et al. (Orgs.).2011.

FIGUEREDO, C. A. A Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos: construção, perspectivas e desafios. Physis Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 2014. 24 (2), p. 381-400.

FISCHER, C. H. A. Construção de uma prática pedagógica a partir do conhecimento familiar sobre plantas medicinais. Revista Educar Mais. Pelotas-RS. 2019. 3(1). p. 56 a 68.

GADELHA, C. S.; et al. Estudo bibliográfico sobre o uso das plantas medicinais e fitoterápicos no Brasil. Revista Verde, Mossoró – RN. 2013. 8(5), p. 208 - 212.

GIULIETTI, A. M. et al. Biodiversidade e conservação das plantas no Brasil. Megadiversidade. São Paulo-SP 200. 1(1). Disponível em: http://dx.doi.org/10.15536/reducarmais.

IBGE. Cidades e estados. Brasília. 2021. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados/ma/coelho-neto.html>. Acesso: 14 jul.2021.

JÚNIOR, H. P. L. et al. A. Hortelã. Diagn Tratamento. 2012. 17(3), p. 115-7.

MELO, J. G. et al. Qualidade de produtos à base de plantas medicinais comercializados no Brasil: castanha-da-índia (Aesculus hippocastanum L.), capim-limão (Cymbopogon citratus (DC.) Stapf ) e centela (Centella asiatica (L.) Urban). Acta bot. bras. 21(1), p. 27-36. 2007.

OLIVEIRA, M. Espécies vegetais de uso popular no município de Coelho Neto, Maranhão, Brasil. Enciclopédia Biosfera, [S. l.], v. 13, n. 23, 2016.

OLIVEIRA, R. A. et al. Perfil etnobotânico de plantas utilizadas como medicinais na comunidade de Bom Jesus, município de Imperatriz-MA. Revista Educação Ambiental em ação. SSN 1678-0701. Volume XX, Número 78, Maio/2022.

OLIVERIA, R. A. et al. Perfil etnobotânico de plantas utilizadas como medicinais na comunidade de Bom Jesus, município de Imperatriz-MA. Educação ambiental em ação, v. 66, p. 234-244, 2019.

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE. O acesso aos medicamentos de alto custo nas Américas: contexto, desafios e perspectivas / Organização Pan-Americana da Saúde – Brasília : Organização Pan-Americana da Saúde ; Ministério da Saúde ; Ministério das Relações Exteriores, 2009.

OTONI, T. C. O. Levantamento etnobotânico de plantas utilizadas com fins medicinais e cosméticos em comunidades tradicionais do município de Araçuaí, Minas Gerais. Dissertação ( Ciências farmacêuticas). Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, Diamantina. 2018. p. 17.

PARENTE, R. M. et al. Conhecimento e uso de plantas medicinais pelo município de São João do Paraíso - Maranhão / Knowledge and use of medicinal plants by the municipality of São João do Paraíso - Maranhão. Brazilian Journal of Development, v. 8, p. 15336-15346, 2022.

PENIDO, A. B.et al. Ethnobotanical study of medicinal plants in Imperatriz, State of Maranhão, Northeastern Brazil. Acta Amazonica (online), v. 46, p. 345-354, 2016.

RODRIGUES, A. C. Utilização de plantas medicinais no Povoado Sapucaia, Cruz das Almas -BA. Rev. Bras. Pl. Med., Botucatu. 2006. 8(2), p.1-7.

RODRIGUES, E.S. et al. Estudo Etnobotânico de Plantas Medicinais Utilizadas por alguns Moradores de Três Comunidades Rurais do Município de Cabaceiras do Paraguaçu/Bahia. Biodiversidade brasileira, v. 11, p. 1-16, 2021.

RODRIGUES, T.S. Métodos de secagem e rendimento dos extratos de folhas de Plectranthus barbatus (boldo-da-terra) e P. ornatus (boldo-miúdo). Revista Bras. Pl. Med., Botucatu. 2011. 13(1), especial, p.587-590.

SANTANA, S.R. et al. Uso medicinal do óleo de copaíba (Copaifera sp.) por pessoas da melhor idade no município de Presidente Médici, Rondônia, Brasil. Acta Agronomica, v.63, n.4, p.361-366, 2014.

SANTOS, P. C. et al. Cartilhas parasitológicas: a importância da transposição didática no processo de Ensino Aprendizagem. Brazilian Journal of Development, Curitiba, v.7, n.9, p. 93425-93434 sep. 2021.

SILVA, M. L. Uso de plantas medicinais pela população dos centros urbanos de Recife-PE. 2009. Disponível em: http://www.eventosufrpe.com.br/jepeX2009/cd/resumos/R1280-2.pdf.

SILVELLO, C. L. C. Uso de plantas medicinais e fitoterápicos no SUS. Trabalho de conclusão de curso (Graduação em Enfermagem)- Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRS, Porto Alegre. 2010.

SOUSA, R. M. Utilização de plantas com fins fitoterápicos no cotidiano do povoado Buritizinho, Chapadinha – MA. Monografia (Licenciatura em Ciências Biológicas). Universidade Estadual do Maranhão, Coelho Neto. 2019. p. 36.

SOUZA, C. D. et al. Uso de plantas medicinais na região de Alto Paraíso de Goiás, Go, Brasil. Scielo. Brasília-DF. 2006. 20(1).

STEHMANN, J. R. Biodiversidade no Brasil. In: SIMÕES, S. M. O. Farmacognosia: Do produto natural ao medicamento. Artmed. 1º ed, Ribeirão- SP. 2016.

VIEIRA, L.S. et al. Plantas medicinais conhecidas por especialistas locais de uma comunidade rural maranhense. Revista Bras. Pl. Med., Campinas. v.17, n.4, supl. III, p.1061-1068, 2015.

ZAGO, J.A.A. et al. Sigergismo entre óleos essenciais e drogas antimicrobianas sobre linhagens de Staphylococcus aureus e Escherichia coli isoladas de casos clínicos humanos. Revista Brasileira de Farmacognosia: vol.19, n. 04, p. 828- 833, 2009.

ZENI, A. L. B.; Parisotto. Utilização de plantas medicinais como remédio caseiro na Atenção Primária em Blumenau, Santa Catarina, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 22(8), p. 2703-2712, Santa Catarina. 2015.

FURTADO, D. A. Plantas Medicinais de uso comum no Nordeste do Brasil. 2. ed. Campina Grande: EDUFCG, 2014. v. 1. p. 100.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n6-152