Propriedade cicatrizante da Babosa do gênero Aloe vera (L.): O que podemos aprender com as evidências pré-clínicas e clínicas? / Healing property of Aloe vera (L.) genus: What can we learn from preclinical and clinical evidence?

Rennan Andrey Costa Matos, Derick Patrick Barreto de Lira, Sabrina de carvalho Cartágenes

Abstract


O uso de plantas medicinais para o tratamento de enfermidades é comum a centenas de anos para os mais diversos fins, desde dores de estômago, enxaquecas, problemas nos rins, entre outros, principalmente no auxílio à cicatrização da pele. O Aloe vera é um remédio centenário usado para pequenas feridas e queimaduras, mas seu mecanismo de cicatrização de feridas não conhecido desde então. O objetivo desde estudo é evidenciar as propriedades pré-clínicas e clínicas da Babosa para compreender os seus diversos usos. Foram selecionados quatro artigos de 2009 a 2018 que mostram evidências claras em relação ao uso da Babosa como agente cicatrizante na pele. Os resultados das análises dos artigos mostraram que mostram que o uso de Aloe vera, seja em forma de solução ou gel, auxiliam no processo de cicatrização de feridas, através da regeneração da pele, proporcionando aspecto mais saudável e melhoramento a aparência. Os resultados desde estudo permitem concluir que auxilia no tratamento e estimula as células inflamatórias a se regenerarem, aumenta a proliferação de fibroblastos, síntese de colágeno e aumenta a vascularização de oxigênio no tecido epitelial, auxiliando no processo de cicatrização, bem como desinflamando o tecido da pele e multiplicando as células epiteliais, remodelando o tecido e ajudando na sua reconstituição.


Keywords


Aloe vera, babosa, evidências pré-clínicas, ensaios clínicas, propriedade cicatrizante.

References


BENEFIELD, L. E. Implementing evidence-based practice in home care. Home Healthcare Nurse, Baltimore, v. 21, n. 12, p. 804-811, Dec. 2003.

KHAN, M. A., Tania, M., Zhang, D.-Z., & Chen, H.-C. (2010). Antioxidant enzymes and cancer. Chinese Journal of Cancer Research, 22(2), 87-92. http://dx.doi.org/10.1007/s11670-010-0087-7

HABBEB, F. et al. Screening methods used to determine the anti-microbial properties of Aloe vera inner gel. Methods, 42(4), 315-320. http://dx.doi.org/10.1016/j.ymeth.2007.03.004.

. ENNIS, W.J.; MENESES, P. Wound healing at the local level: the stunned wound. Ostomy Wound Manage, 2000.

ALVES, C.A.B.; Et al. Comercialização de plantas medicinais: um estudo etnobotânico na feira livre do município de Guarabira, Paraíba, nordeste do Brasil. Gaia Scientia (2016). Volume 10(4): 390-407.

TEIXEIRA, A. H. et al. Conhecimento popular sobre o uso de plantas medicinais no município de Sobral-Ceará, Brasil. S A N A R E, Sobral, V.13, n.1, p. 23-28, jan./jun. – 2014.

PIRIZ, M.A. et al. Plantas medicinais no processo de cicatrização de feridas: uma revisão de literatura. Rev. Bras. Pl. Med., Campinas, v.16, n.3, p.628-636, 2014.

. BURUSAPAT, C. et al. Topical Aloe Vera Gel for Accelerated Wound Healing of Split-Thickness Skin Graft. Plastic and Reconstructive Surgery Advance Online Article. 2015.

FREITAS, V.S.; RODRIGUES, R.A.F.; GASPI, F.O.G. Propriedades farmacológicas da Aloe vera (L.) Burm. f. Rev. Bras. Pl. Med., Campinas, v.16, n.2, p.299-307, 2014

ESMAT, A.Y. et al. Cytotoxicity of a natural anthraquinone (aloin) agains human breast cancer cell lines with and without Erb-2-Topoisomerase IIα coamplification. Cancer Biology & Therapy, v.5, n.1, p.97-103, 2006.

DAS, S. et al. Isolation and characterization of novel protein with anti-fungal and anti-inflammatory properties from Aloe vera leaf gel. International Journal of Biological Macromolecules, v.48, n.1, p.38-43, 2011.

TANAKA, M. et al. Identification of five phytosterols from aloe vera gel as anti-diabetic compounds. Biological & Pharmaceutical Bulletin, v.29, n.7, p.1418-22, 2006.

POLIT, D.E.; BECK, C.T. Essentials of Nursing Research. 6th Edition, Lippincott Williams & Wilkins, Philadelphia, 2006.

ERIC, T. et al. The Effects of Aloe vera on Wound Healing in Cell Proliferation, Migration, and Viability. Index Wounds, 2018;30(9):263–268.

SHAW, T.J.; MARTIN, P. Wound repair at a glance. J Cell Sci 2009.

WOJTOWICZ, A. M. et al. The importance of both fibroblasts and keratinocytes in a bilayered living cellular construct used in wound healing. Wound Rep Reg (2014) 22 246–255.

BARRIENTOS, S. et al. Growth factors and cytokines in wound healing. Wound Repair Regen. 2008; 16: 585–601.

SCHULTZ, G.S. et al. Dynamic reciprocity in the wound microenvironment. Wound Repair Regen. 2011; 19: 134–48.

TOMIC-CANIC, M. Keratinocyte cross-talks in wounds. Wounds 2005; 17: S3–6.

MENDONÇA, F.A.S. et al. Efeitos da aplicação de Aloe vera (L.) e microcorrente no reparo de lesões cirúrgicas induzidas em ratos Wistar. Acta Cirúrgica Brasileira - Vol. 24 (2) 2009 – 150.

VELNAR, T. BAILEY, T. SMRKOLJ, V. The Wound Healing Process: an Overview of the Cellular and Molecular Mechanisms. The Journal of International Medical Research, 2009; 37: 1528 – 1542.

LABLER, L. et al. Influence of V.A.C.-therapy on cytokines and growth factors in traumatic wounds. Zentralbl Chir 2006; 131(suppl 1): S62 – S67 [in German].

RIVERA, A.E. et al. Clinical aspects of fullthickness wound healing. Clin Dermatol 2007; 25: 39 – 48.

DIEGELMANN, R.F.; EVANS, M.C. Wound healing: an overview of acute, fibrotic and delayed healing. Front Biosci. 2004; 1: 283 – 289.

SAHU, P.K. et al.Therapeutic and medicinal uses of aloe vera: a review. Pharmacology & Pharmacy, 4(08), 599. http://dx.doi.org/10.4236/pp.2013.48086.2013

MOLAZEM, Z. et al. Aloe Vera Gel and Cesarean Wound Healing: A Randomized Controlled Clinical Trial. Global Journal of Health Science. Vol. 7, No. 1; 2015.

BORENA et al. Regenerative Skin Wound Healing in Mammals: State-of-the-Art on Growth Factor and Stem Cell Based Treatments. Cell Physiol Biochem, 2015.

BRANDELLI, Clara Lia Costa; MONTEIRO, Siomara da Cruz. Farmacobotânica: Aspectos Teóricos e Aplicação. Porto Alegre: Artmed, 2017.

MORESKI, D. A. B.; LEITE-MELLO, E. V. de S.; BUENO, F. G. Ação cicatrizante de plantas medicinais: um estudo de revisão. Arq. Cienc. Saúde UNIPAR, Umuarama, v. 22, n. 1, p. 63-69, jan./abr. 2018.

OLIVEIRA, Stella Minasi. A Utilização de Plantas Medicinais na Promoção e na recuperação da Saúde nas Comunidades pertencente às Equipes do Programa de Saúde Da Família do Município do Rio Grande, RS. Dissertação (Mestrado em Enfermagem). Rio Grande: FURG, 2003.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. Traditional medicine: definitions. Disponível em: . Acessado em: 20 jan. 2022.

QUEIROGA, Vicente de Paula. Aloe vera (Babosa): Tecnologias de plantio em escala comercial para o semiárido e utilização. 1ª ed. / Organizadores, Vicente de Paula Queiroga, Ênio Giuliano Girão, Paulo de Tarso Firmino, Esther Maria Barros de Albuquerque. – Campina Grande: AREPB, 2019

.

RAMALHO et al. Plantas medicinais no processo de cicatrização de feridas: revisão de literatura. Rev. Expr. Catól. Saúde; v. 3, n. 2; Jul – Dez; 2018.

SCHIAVON et al. The Use of Integra Dermal Regeneration Template Versus Flaps for Reconstruction of Full-Thickness Scalp Defects Involving the Calvaria: A Cost–Benefit Analysis. Aesth Plast Surg, 2016.

TOTOLLI et al. Skin Wound Healing Process and New Emerging Technologies for Skin Wound Care and Regeneration. Pharmaceutics, 2020.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n6-171