Covid e Depressão: o reflexo da pandemia na utilização de antidepressivos por adolescência / Covid and Depression: the reflection of the pandemic on adolescence use of antidepressants

Elem Shyrlem do Nascimento, Ana Lara Mendes Duarte

Abstract


Na sociedade contemporânea, fluida e complexa em que vivemos, é notório que houve um aumento no número de patologias mentais na população. Essas que, são prevalentemente elevadas, se agravaram com a pandemia, representam um sério problema para a população. Dentre as patologias podemos destacar: depressão, transtorno bipolar, síndrome do pânico e ansiedade. Vale ressaltar que, durante a infância e adolescência, essas podem refletir negativamente no desenvolvimento psicossocial dos pacientes, interferindo nas relações interpessoais dos mesmos. O uso de medicamentos é fundamental no tratamento, mas podem expor os usuários a eventos adversos e interações medicamentosas importantes, podendo estar associada a internações causadas por eventos adversos a medicamentos. O uso racional de medicamentos (URM) é um princípio fundamental para a promoção da saúde. Nesse sentido, o URM está relacionado à disponibilização de medicamentos adequados para as condições clínicas, em doses conforme as necessidades individuais, em um período adequado e com o menor custo possível para a sociedade ou para o indivíduo. A pesquisa tem como objetivo compreender as consequências do uso de antidepressivos por adolescentes, durante a pandemia. Através de uma pesquisa bibliográfica integrativa. Conclui-se que, a pandemia causou diversos transtornos psicológicos e se tratando dos adolescentes esse impacto foi ainda maior, tendo em vista que muitos destes não aguentaram os efeitos do isolamento.


Keywords


atenção farmacêutica, antidepressivos, pandemia.

References


ALVES, Giovanni, Trabalho e subjetividade: O espirito do toyotismo na era do capitalismo manipulatório, São Paulo: Boitempo 2021.

AMARAL, Bruna. Uso de antidepressivos em adolescentes: uma revisão de escopo. Universidade federal de são Paulo, 2020.

BARBOZA, MP.; MEDEIROS, DB da S.; SILVA, NM da; SOUZA, PGVD de. O uso de antidepressivos na adolescência e sua automedicação. Pesquisa, Sociedade e Desenvolvimento, [S. l.], v. 10, n. 15, pág. e310101522995, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i15.22995. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/22995. Acesso em: 8 jun. 2022.

BRAGA, S. C. et al. Psicoterapias da depressão na infância e na adolescência. Estud. psicol. (Campinas), v. 20, n. 2, p. 25-34, 2016.

BRITO, I. (2011). Ansiedade e depressão na adolescência. Revista Portuguesa de Medicina Geral e Familiar, 27(2), 208-14.

BROOKS,; et al. The psychological impact of quarantine and how to reduce it: rapid review of the evidence. The Lancet, v. 395, n. 10227, p. 912–920, 2020.

CARVALHO, Andre Cutrim, CARVALHO, DEVID FERREIRA. Consequências do novo corona vírus na economia do brasil: perspectiva de compreensão economia e estatística do problema. Paper do NAEA. v.29, n.1(dossiê crise e pandemia), 2020.

KEHL, M. R. O Tempo e o Cão: A Atualidade das Depressões. São Paulo: Boitempo, 2019.

LANNES, Amanda. S. Uso de antidepressivos na infância e adolescência. Juiz de fora, 2018.

OLIVEIRA, Vinicius Vital; et al. Impactos do isolamento social na saúde mental de idosos durante a pandemia pela COVID-19. Brazilian Journal of Health Review, Curitiba. v. 4, n.1, p. 3718-3727, jan/fev.2021.

POLETTO, M., Koller, S. H., & Dell’Agilo, D. D. (2009). Eventos estressores em crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social de Porto Alegre. Ciência e Saúde coletiva, 14(2), 455- 466. https://doi.org/10.1590/S1413-81232009000200014.

RAFAEL RMR; NETO M; CARVALHO MMB; DAVID HMSL; ACIOLI S; FARIA MGA. Epidemiología, políticas públicas e pandemia de covid-19: o que esperar no Brasil? Rev Enferm UERJ. 2020;28: e49570. https://doi.org/10.12957/reuerj.2020.49570 [ Links ]

RIBEIRO, A. G., CRUZ, L. P. D., MARCHI, K. C., TIRAPELLI, C. R., & MIASSO, et al.,(2014). Antidepressivos: uso, adesão e conhecimento entre estudantes de medicina. Ciência & Saúde Coletiva, 19, 1825-1833.

SANTOS, E. S. P., ANDRADE, C. M., & BOHOMOL, E. (2019). Prática da automedicação entre estudantes de ensino médio. Cogitare Enfermagem, v. 24.

SILVA BARBOSA, E. S., RODRIGUES, K. D. S. R., & DE CARVALHO, C. R. (2020). antidepressivos utilizados por adolescentes assistidos no cen-tro de atenção psicossocial (caps ii) em cidade ocidental-go. Revista JRG de Estudos Acadêmicos, 3(7), 329-335.

SILVA, J. R., DE SOUSA, M. C., PINTO, I. B. (2014). O Consumo de Amitriptilina e Nortriptilina no Hospital Espírita Psiquiátrico de Anápolis. Ensaios e Ciência C Biológicas Agrárias e da Saúde, 18(1).

STOPA, Sheila Rizzato; et al. Prevalência do autorrelato de depressão no Brasil: resultados da pesquisa nacional de saúde, 2013. Revista brasileira de epidemiologia. v.2, p. 170-180, 2018.

TREBIEN, Herbert Arlindo. Medicamentos – benefícios e riscos com ênfase na auto- medicação. 2021. Disponível em: http://farmacologia.bio.ufpr.br/posgraduacao/Professores/Herbert_trebien_arq/Medicamentos_automedicacao.pdf. Acesso em: 21 de fev. de 2022.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Young people's health: a challenge for society. Report of a WHO Study Group on Young People and Health for All by the Year 2000. Geneva: World Health Organization; 2000.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n6-184