Trajetória da indústria naval brasileira no século XXI: expansão, desconcentração produtiva e nova crise / Trajectory of the brazilian shipbuilding in the 21ST century: expansion, productive deconcentration and new crisis

Claudiana Guedes de Jesus, Leda Gitahy, Edilaine Venancio Camillo

Abstract


O artigo analisa a trajetória da indústria de construção naval brasileira no século XXI, destacando o processo de crescimento concomitante a desconcentração produtiva e posterior crise da indústria de construção naval brasileira. Historicamente, os principais estaleiros nacionais estavam concentrados geograficamente no estado do Rio de Janeiro, após o período denominado de reativação/retomada da indústria as políticas direcionaram para uma desconcentração com a abertura de novos estaleiros em polos regionais pelo país, destacando a perda da participação do Rio de Janeiro nesse processo. A região Nordeste, que até o ano de 2007 não possuía participação nessa indústria, atualmente possui mais de trinta por cento da capacidade produtiva. Uma nova crise se configura no setor devido a descontinuidade das políticas governamentais direcionadas ao setor. Em termos metodológicos, o estudo baseou-se em pesquisas qualitativa e quantitativa estruturada a partir de revisão de literatura, nacional e internacional, e em dados secundários indústria em instituições oficiais como SINAVAL, COPPE-UFRJ, PIA/IBGE e RAIS/MTE.


Keywords


indústria naval brasileira, desconcentração produtiva, estaleiros, políticas setoriais.

References


ABDI, UNICAMP/IE/NEIT. Relatório de Acompanhamento Setorial (Volume I): Indústria Naval. Projeto: Boletim de Conjuntura Industrial, Acompanhamento Setorial e Panorama da Indústria. Convênio: Campinas/SP: dez/2007.

BARBOZA, Tiudorico L. O atual cenário da construção naval civil e militar no mundo, incluindo o subcenário brasileiro. 2004. Disponível em: . Acesso em 10 agosto de 2017.

CANO, Wilson. Desconcentração produtiva regional do Brasil 1970-2005. São Paulo: Unesp, 2008.

COSTA, R. C.; PIRES, V. H. e LIMA, G. P. S Mercado de embarcações de apoio marítimo às plataformas de petróleo: oportunidades e desafios. BNDES – Setorial nº 28, setembro, 2008.

COUTINHO, L., SABBATINI, R. e RUAS, J. A. G. Forças atuantes na indústria de construção naval. Relatório de Pesquisa do Convênio Finep/Engenharia Naval EPUSP, mimeo, setembro, 2006.

DORES, Priscila B.; LAGE, Elisa S.; PROCESSI, Lucas D. A retomada da indústria naval brasileira. In: BNDES 60 anos: perspectivas setoriais. V. 1, p.274-299, 2012.

FERRAZ, João C. Determinants and consequences of rapid growth in the Brazilian shipbuilding industry. London, Sussex, 1986.

FURTADO, André T. et. al. Política de Compras da Indústria do Petróleo e Gás Natural e a capacitação dos Fornecedores no Brasil: o mercado de equipamentos para o desenvolvimento de campos marítimos. In: Projeto CTPETRO/ Tendência Tecnológicas, Rio de Janeiro, 2003.

GALLARDO, A. et. al. Construção Naval: Breve análise do Cenário brasileiro em 2007. Série Cadernos da Indústria ABDI, vol. II. Brasília, 2008.

INDI. Subsídios para a discussão sobre a atração de investimentos no setor de construção naval. FIEC, Ano 3, nº5, Ceará, 2010.

IPEA, PETROBRAS. Poder de compra da Petrobras: impactos econômicos nos seus fornecedores. Brasília: Ipea, Petrobras, 2010.

JESUS, C. G. Retomada da indústria de construção naval brasileira: reestruturação e trabalho. Campinas/SP: Tese de doutorado, DPCT/UNICAMP, 2013.

JESUS, C. G. Notas sobre a desconcentração regional da indústria de construção naval brasileira no princípio do século XXI. RDE - Revista de Desenvolvimento Econômico, v. XVIII, p. 685-703, 2016.

JESUS, C. G., SILVA, R. D. Trabalhadores a ver navios: reflexões sobre o mercado de trabalho da indústria naval na região metropolitana do Rio de Janeiro. Cadernos Metrópole (PUCSP), v. 19, p. 47-68, 2017.

PACHECO, Carlos Américo. Fragmentação da Nação. Campinas, SP: UNICAMP. IE, 1998.

PIA-IBGE. Pesquisa Industrial Anual – Empresa. Disponível em: https://ww2.ibge.gov.br/home/estatistica/economia/industria/pia/empresas/2012/defaultempresa.shtm, acesso em 28 de maio de 2018.

DINIZ, Clélio Campolina; CROCCO, Marco Aurélio. Nova Economia. Belo Horizonte, 1996.

NEIT/IE/UNICAMP Estudo da competitividade de Cadeias integradas no Brasil: impactos das zonas de livre comércio – cadeia Indústria Naval. Campinas, Nota técnica, agosto, 2002.

NEGRI, João A. de. KUBOTA, Luis C.; TURCHI, Lenita Inovação e a Indústria Naval no Brasil. ABDI: estudos setoriais de inovação. Belo Horizonte, fevereiro, 2009.

PASIN, Jorge A. B. Indústria Naval do Brasil: Panorama, Desafios e Perspectivas. Revista do BNDES, v.9, n° 18, Rio de Janeiro, dezembro, pp.121-14, 2002.

PORTOSENAVIOS, 2012. Disponível em: http://www.portosenavios.com.br/site/noticias-do-dia/industria-naval-e-offshore/14682-engenharia-naval-brasileira-tem-reconhecimento-internacional. Acesso em 27 de Março de 2017.

RAIS/MTE. (2006-2015). Relatório de Informações Sociais. Brasília: MTE.

ROSA, B; ORDOÑEZ, R. Setor naval afunda: Sem novos projetos da Petrobras, estaleiros começam a fechar as portas e demitem em massa. Disponível em: http://oglobo.globo.com/economia/setor-naval-afunda-19205832#ixzz4IkDJsto4, acesso em 20 de julho, 2016.

SILVA, Cássio G. R. S. A Política de Compras de Entidades Públicas como Instrumento de Capacitação Tecnológica: o Caso da Petrobras. Campinas/SP: Mestrado, DPCT-Unicamp, 2005.

SILVEIRA, Daniel. Em três anos, 13,8 mil indústrias foram fechadas no Brasil, aponta IBGE. Disponível em: https://g1.globo.com/economia/noticia/em-tres-anos-138-mil-industrias-foram-fechadas-no-brasil-aponta-ibge.ghtml, acesso em 22 de junho de 2018.

SINAVAL, Cenário do 4º trimestre de 2012 – Balanço Anual. Dez/2012. Disponível em: www.sinaval.org.br, acesso em 15 de dezembro 2017.

SINAVAL - Sindicato Nacional da Indústria de Construção e Reparação Naval e Offshore. Disponível em: www.sinaval.org.br, acesso em 03 de dezembro 2014.

SINAVAL. Perdas da Petrobras com Sete Brasil chegam perto de R$1 bilhão. Disponível em:www.sinaval.org.br, acesso em 25 de março de 2016.

SINAVAL - Sindicato Nacional da Indústria de Construção e Reparação Naval e Offshore. Disponível em: www.sinaval.org.br, acesso em 03 de janeiro 2018.

SCHUTTE, Giorgio R. Panorama Do Pré-Sal: Desafios e Oportunidades, IPEA Texto para Discussão, 1791, Brasília, novembro, 2012.

SHIPBUILDING Statistics. The Shipbuilders’ Association of Japan, Abril, 2017. Disponível em: https://www.sajn.or.jp/files/view/articles_doc/src/73265e1329b4a8e0ae4fe4bcf31c7e5b.pdf, acesso em 20 fevereiro de 2018.

STOPFORD, M. Maritime economics. London: Routledge, 1997.

STORCH, R. L.; HAMMON, C. P.; BUNCH, H. M.; MOORE, R. C. Ship Production. Centreville. Maryland: Cornell Maritime Press, 1995.

VARELA, Raquel; MURPHY, Hugh; VAN DER LINDEN, Marcel. (Org.). Shipbuilding and Ship Repair Workers around the Word. Chicago, Amsterdam: Amsterdam University Press, Chicago Press, 2017.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n6-215