Conhecimento de idosos de uma comunidade rural do semiárido sobre plantas medicinais / Knowledge of elderly of a rural community of semi-arid on medicinal plants

Meunas Dam Ferreira Santos, José Junior Santos, Caroline Soares Rosa Oliveira, Luana Oliveira Mesquita, Cauê Barbosa Coelho, Alessandra Gomes Marques Pacheco, Regina Lúcia Félix de Aguiar Lima

Abstract


O Brasil tem um grande potencial em termos de biodiversidade nos diversos biomas brasileiros, inclusive na caatinga, que se traduz em grande potencial farmacológico. A população idosa é detentora de conhecimentos tradicionais sobre o uso medicinal das plantas, o que contribui de forma significativa para pesquisas relacionadas à etnobotânica. O objetivo desse trabalho foi registrar o conhecimento de uma comunidade rural do semiárido baiano sobre as plantas da caatinga utilizadas como medicinais. O estudo foi realizado com realização de entrevistas semiestruturadas (ou informais), com idosos da comunidade rural de Carnaíba do Sertão, sede do distrito rural de Carnaíba no município de Juazeiro-BA. Foi empregada a técnica “bola de neve” para selecionar idosos informantes. A amostra foi constituída de 14 idosos que se declararam conhecedores de plantas medicinais e que declararam que desejavam participar da pesquisa. Foram registradas 53 plantas indicadas como medicinais, com 215 citações de indicação de uso. Os usos terapêuticos das plantas estavam relacionados com o tratamento de doenças ou sintomas relacionados com o sistema nervoso, cardiorespiratório, geniturinário, digestivo, osteomuscular, tegumentar. Dentre as plantas citadas 11 delas tiveram confirmação de uso com base em levantamento bibliográfico, são elas: alecrim, alecrim-pimenta, aroeira, barbatimão, babosa, carqueja, goiabeira, juazeiro, macela, melão de são Caetano e quebra-pedra.


Keywords


fitoterapia, caatinga, etnobotânica

References


ALBUQUERQUE, U. P.; ANDRADE, L. H. C. Conhecimento botânico tradicional e conservação em uma área de caatinga no estado de Pernambuco, Nordeste do Brasil. Acta Botanica Brasilica, v.16, n.3, p.273-85, 2002.

ALBUQUERQUE, U. P. Introdução à etnobotânica. 2.ed. Rio de Janeiro: Editora Interciência, 2005. 93p.

ALBUQUERQUE, U.P.; HANAZAKI, N. As pesquisas etnodirigidas na descoberta de novos fármacos de interesse médico e farmacêutico: fragilidades e pespectivas, Revista Brasileira de Farmacognosia 16(Supl.): 678 - 689, 2006.

ALBUQUERQUE, U.P.; LUCENA, R. F. P. Métodos e técnicas de pesquisa etnobotânica. Recife: Livro Rápido/NUPEEA, 2004. 189p.

ALEXIADES, M. N. Selected guidelines for ethnobotanical research: a field manual., The New York Botanical Garden,1996. 171p

ALMEIDA, C. E, KARNIKOWSKI, M. G. O.; FOLETO R, BALDISSEROTTO B.1995. Análise da ação anti-diarréica de plantas usadas na medicina popular. Revista de Saúde Pública 29: 428-433.

ANDRADE, C.T.; MARQUES, J. G.; ZAPPI, D. Utilização de Cactáceas por sertanejos baianos. Um exercício com a tipologia de Marques para definir categorias utilitárias. In: REUNIÃO ANUAL DA SBPC, 53., 2001, Salvador. Anais... Salvador, 2001. p.75

BIERNACKI, P.; WALDORF, D. 1981. Snowball sampling-problems and techniques of chain referral sampling. Sociological Methods and Research; 10: 141-163.

BOSI, E. Memória e Sociedade: Lembranças de Velhos. 10. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

BRANDÃO, M. G. L. Preparação e caracterização de extratos glicólicos enriquecidos em taninos a partir das cascas de Stryphnodendron adstringens (Mart.) Coville (Barbatimão). Revista Brasileira de Farmacognosia, 12, 27-34, 2002.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Formulário de Fitoterápicos da Farmacopéia Brasileira / Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Brasília: Anvisa, 2011. 126p.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Biodiversidade da caatinga: áreas e ações prioritárias para a conservação. Brasília: Ministério do Meio Ambiente e Universidade Federal de Pernambuco, 2002. 36p.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria N° 971, de 03 de Maio de 2006. Disponível em: < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2006/prt0971_03_05_2006.html> .

BRASIL. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Atenção Primária e Promoção da Saúde / Conselho Nacional de Secretários de Saúde. – Brasília: CONASS, 2007.

BRASÍLIA. Ministério da Previdência e Assistência Social Secretaria Geral. Resolução CIPLAN Nº 8, de 8 de Março de 1988. Diário Oficial da União; Poder Executivo, Brasília, DF, de 11 mar. 1988. Seção 1, p. 3999‐4000.

CARVALHO, A.C.B et al. Situação do registro de medicamentos fitoterápicos. Revista Brasileira de Farmacognosia. 18(2): 314 -319, 2008.

CARVALHO, C. S., DA SILVA, M. M., ABREU, L. P., GOMES, P. N. Avaliação do perfil socioeconômico e conhecimento botânico de plantas medicinais na comunidade rural de Santa Marta, Corrente-PI. Brazilian Journal of Development, 7(7), 71402-71421. 2021.

LIMA, S. Inovação, concorrência e crescimento empresarial: Teoria e política aplicadas à indústria de fitoterápicos no Brasil. João Pessoa. 2011 p. 14 -16.

CORSI RCC, CORSI PR, PIRANA S, MURACO FAE, JORGE D. Cicatrização das feridas – revisão da literatura. Rev Bras Cir. 1994; 84: 17-24

DIEGUES, A.C. Etnoconservação da natureza: enfoques alternativos. In: DIEGUES, A.C. (Ed.) Etnoconservação: novos rumos para a proteção da natureza nos trópicos. São Paulo: Editora Hucitec, 2000. p.1-46.

GILBERT, B., FERREIRA, J. L. P., ALVES, L. F. Monografias de plantas medicinais brasileiras e aclimatadas. FIOCRUZ. Curitiba, Brasil: Abifito, 2005.

GURIB – FAKIM, A. Medicinal plants: traditions of yesterday and drugs of tomorrow. Molecular Aspects of Medicine, [S.I.], v. 27, p. 1-93, 2006.

LORENZI, H., ABREU MATOS, F. J. Plantas Medicinais no Brasil, 2. ed. 2008.

LORENZI, H.; MATOS, F. J., ABREU, 2008. Plantas Medicinais no Brasil - nativas e exóticas. 2. ed. São Paulo (Contribuição IVB): Editora Instituto Plantarum de Estudos da Flora Ltda.

MATOS, F. J. A. Farmácias vivas. 3. ed. Fortaleza: Editora da UFC, 1998.

MATOS, F. J. A. O formulário fitoterápico do professor Dias da Rocha. Fortaleza: Editora da UFC, 1997.

MATOS, F. J. A., VIANA, G. S. B., BANDEIRA M. A. M. Guia fitoterápico. Fortaleza: Editora da UFC, 2001.

MATOS, F. J. A. As plantas das farmácias vivas. Fortaleza: Editora BNB, 1997.

MATOS, F.J.A. 2000. Plantas medicinais. Guia de seleção e emprego de plantas usadas em fitoterapia no Nordeste do Brasil. Fortaleza, UFC. 346 p.

Matos, F.J.A. 2002. Plantas medicinais no Brasil: nativas e exóticas. Nova Odessa: Plantarum. 512 p. + Carvalho, P.E.R. 2007. Juazeiro - Ziziphus joazeiro. http://www.cnpf.embrapa.br/publica/cirtec/edicoes/Circular139.pdf

MATOS, F. J. A. O formulário fitoterápico do professor Dias da Rocha. Fortaleza: Editora da UFC, 1997.

MATOS, F. J. A. Plantas medicinais. Guia de seleção e emprego de plantas usadas em fitoterapia no Nordeste Brasileiro. 2. ed. Fortaleza: Editora da UFC, 2000.

MORAES, Magali Aparecida Alves de; MANZINI, Eduardo José. Concepções sobre a aprendizagem baseada em problemas: um estudo de caso na Famema. Rev. bras. educ. med., Rio de Janeiro, v. 30, n. 3, dez. 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010055022006000300003&lng=pt&nrm=iso. Acesso em 20 nov. 2011.

PORTE, A.; GODOY, R.L.O. Alecrim (Rosmarinus officinalis L.): propriedades antimicrobiana e química do óleo essencial. Boletim do Centro de Pesquisa e Processamento de Alimentos, v.19, n.2, p.193-210, 2001. + ROBBINS, S.R.J.; GREENHALGH, P. The markets for select herbaceous essential oils. London: Tropical Products Institute, 1979. 60p.

RODRIGUES, A. G.; SANTOS, M.G.; DE SIMONI, C. Fitoterapia na saúde da Família. In: Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (Org.). Programa de Atualização em Medicina de Família e Comunidade (PROMEF). Porto Alegre: Artmed/Panamericana, 2011. p. 31-65.

RODRIGUES, V.E.G.; CARVALHO, D.A. Levantamento etnobotânico de plantas medicinais no domínio do cerrado na região do alto Rio Grande-Minas Gerais. Ciências Agrotecnicas, v.25, n.1, p.102-23, 2001.

ROCHA, L., LUCIO, E. M. A., FRANÇA, H. S., SHARAPIN, N. Mikania glomerata Spreng: desenvolvimento de um produto fitoterápico. Rev. Bras. Farmacogn. 18(suppl), 744-747. 2008.

SILVANO, R.A.M. 2001 Etnoecologia e História Natural de Peixes no Atlântico (Ilha de Búzios, Brasil) e Pacífico (Moreton Bay, Austrália). Campinas. 184p. (Tese de Doutorado. Universidade Estadual de Campinas). Disponível em: Acesso em: 10 dez. 2012.

SIMÕES C. M. O, SCHENKEL E. P., GOSMANN G., MELLO J. C. P., MENTZ L. A, PETROVICK P. R. 1999. Farmacognosia – da planta ao medicamento. 3 ed. Porto Alegre, Ed. UFRGS/ Florianópolis, Ed. da UFSC. 576 p.

TEXEIRA, J. B. P, et al. A Fitoterapia no Brasil: da Medicina Popular à regulamentação pelo Ministério da Saúde. Universidade Federal de João Pessoa. 2012.

VEIGA JUNIOR, V. F., PINTO, A. C., MACIEL, M. A. M. (2005). Plantas medicinais: cura segura? Química nova, 28, 519-528.

VIANNA, L. A. C. Processo Saúde-Doença. In: UNASUS/UNIFESP. Especialização em Saúde da Família, módulo Político Gestor. São Paulo, 2011. Disponível em: < http://www.unasus.unifesp.br/biblioteca_virtual/esf/1/modulo_politico_gestor/Unidade _6.pdf>.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Who guidelines on good agricultural and collection practices (GACP) for medicinal plants. Geneva. 2003. p. 3. Disponível em:.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. WHO monographs on selected medicinal plants. Geneva, Switzerland: World Health Organization, v. 4, 2009.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. WHO traditional medicine strategy: 2014-2023. 2013. Disponível em: .




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n6-243