A ludicidade nas práticas educativas: em que o PNAIC contribuiu na formação de uma alfabetizadora? / The ludicity in educational practices: what did PNAIC contribute to the formation of a literacy teacher?

Joana Nély Marques Bispo, Denize de Aguair Xavier Sepulveda

Abstract


O presente trabalho tem o intuito de apresentar reflexões sobre a ludicidade nas práticas educativas de uma professora alfabetizadorapesquisadora da Escola Municipal Pastor Ricardo Parise, situada no bairro Jockey, município de São Gonçalo, estado do Rio de Janeiro; por meio da formação realizada no PNAIC (Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa). A pesquisa que deu origem a este artigo está amparada em uma abordagem qualitativa, embasada na metodologia da pesquisa nos/dos/com os cotidianos, através das obras de Alves (2002 e 2008). Para ampliar a reflexão temos como os principais aportes teóricos Sepulveda & Sepulveda (2019) demonstrando a apropriação da escrita de termos indissociáveis no cotidiano escolar, PIAGET (1978), Huizinga (2012) e Luckesi (2007) com apontamentos sobre o lúdico. O PNAIC ressalta a ludicidade nas atividades educativas dos/as alunos/as que estão em processo de aquisição da leitura e da escrita, ampliando as possibilidades de ensinaraprender brincando, envolvendo assim as dimensões da educação: sociológica, psicológica e pedagógica. Sociológica, pois é uma atividade de caráter social e cultural; psicológica, porque trata de desenvolvimento do ser humano; e pedagógica por servir de aporte teórico nas experiências educativas. Numa perspectiva de responder o questionamento demonstrado no título deste trabalho: em que o PNAIC contribuiu na formação de uma alfabetizadora? Temos como resultados da pesquisa: apreciações de imagens e narrativas dos/as alunos/as e da alfabetizadorapesquisadora do ano letivo de 2017, para elucidar a temática ludicidade que foi aprimorada na formação do PNAIC. Partimos de análises de cinco imagens e narrativas para destacar as relevâncias educacionais na relação ensinoaprendizado. Este estudo representa experiências lúdicas que confirmam a possibilidade de se associar o lúdico ao processo ensinoaprendizado.


Keywords


formação docente, ludicidade, narrativa, imagens e ensinoaprendizado.

References


ALVES, Nilda. Decifrando o pergaminho ─ o cotidiano das escolas nas lógicas das redes cotidianas. In: OLIVEIRA, Inês Barbosa; ___________. Pesquisa no/do cotidiano das escolas: sobre redes de saberes. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

______. Sobre os movimentos das pesquisas nos/dos/com os cotidianos. In: OLIVEIRA, Inês Barbosa; ______. Pesquisa nos/dos/com os cotidianos das escolas: sobre redes de saberes. Rio de Janeiro: DP&A, 2008.

BRASIL. Pacto Nacional pela alfabetização na idade certa: Ludicidade na sala de aula, ano 1, unidade 4/ Ministério da educação. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de apoio à gestão Educacional. Brasília: MEC, SEB, 2012.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia. SP: Paz e Terra. 2006.

HUIZINGA, Johan. Homo Ludens: o jogo como elemento da cultura. SP: Perspectiva. 2012.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação. Uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis: Vozes, 1997.

LUCKESI, Cipriano. Ludicidade e desenvolvimento humano. In: MAHEU, Cristina D´Àvila. (orgs). Educação e ludicidade. Salvador: Universidade Federal da Bahia, Faculdade de educação, GEPEL,2007.

_________________, Ludicidade e formação do educador. Disponível em: https://rigs.ufba.br/index.php/entreideias/article/viewFile/9168/8976. Acesso em 31 mai.2018.

PIAGET, Jean. A Formação do Símbolo na Criança. Imitação, jogo e sonho, imagem e representação. Tradução de Álvaro Cabral e Christiano Monteiro Oiticica. 3ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan S.A, 1978.

___________.Seis estudos de Psicologia. Tradução de Maria Alice Magalhães D`Amorim e Paulo Sérgio Lima Silva. 24 ed. Rio de Janeiro: Forense universitária, 2005.

SEPULVEDA, Denize; SEPULVEDA, José Antonio. Trabalhando questões de gêneros: criando e recriando currículos para a valorização do feminino. Revista Periferia. V. 11, N. 4, set./dez. 2019.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n6-281