Estudo dos fatores que influenciam na motivação para os deslocamentos a pé / Study of factors that influence motivation for walking

Thammy Raysa Vieira Velozo, Paulo Henrique Praça Velozo

Abstract


Com a expansão das cidades e a priorização do uso do automóvel se faz necessário pensar em soluções ambientalmente sustentáveis, socialmente justas e economicamente viáveis. Nesse sentido, o incentivo à caminhada é apontado como uma das diretrizes para se alcançar a mobilidade urbana sustentável. O estudo de fatores que influenciam as decisões de se deslocar a pé é essencial para melhoria dos espaços urbanos para pedestres. Este artigo apresenta um estudo sobre quais fatores mais influenciam nas decisões de se realizar deslocamentos a pé, classificando-os, por grau de importância, a partir da opinião do pedestre, através da aplicação de questionário fechado em dois bairros da cidade de Niterói (RJ), com perfis sócio-econômicos diversificados. Dos seis fatores analisados para cada um dos dois bairros, os resultados apresentaram variações. Destaca-se para o bairro do Fonseca, o de menor nível sócioeconômico, o fator “calçadas“ considerado como o mais importante, enquanto, “segurança pública“ foi o fator de maior importância no bairro Icaraí, o de maior nível sócioeconômico. Conclui-se que é fundamental considerar características sócioeconômicas e de estilo de vida dos usuários na elaboração de projetos de transportes e urbanísticos de forma a promover a mobilidade urbana sustentável.


Keywords


mobilidade urbana sustentável, fatores que influenciam a caminhada, bairros de Niteroi

References


ARAÚJO, G. P.; BRAGA, M. G. C.; SHNEIDER, N. R. Medidas de desenho de infraestrutura para pedestres. Estudo de caso: travessias semaforizadas na cidade de São Paulo. Revista dos Transportes Públicos – ANTP, ano 22, nº 86, 1º Trimestre, pp. 63-76, São Paulo, SP, Brasil.

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE TRANSPORTES PÚBLICOS – ANTP. Sistema de Informações de Mobilidade Urbana da Associação Nacional de Transportes Público – SIMOB/ANTP. Relatório geral 2016. Maio de 2018. Disponível em: < http://files.antp.org.br/simob/simob-2016-v6.pdf>. Acesso em: 10 fev. 2022

BARTELT. Apresentação. DE PAULA, M.; BARTELT, D.D (Orgs.). Mobilidade urbana no Brasil: Desafios e alternativas – Rio de Janeiro: Fundação Heinrich Böll, 2016. 136 p.

BARBETTA, P. A. Estatística aplicada às Ciências Sociais. Cap. 3. Ed. UFSC, 5ª Edição, 2ª Reimpressão, Florianópolis, 2004.

BERMUDES, W. L.; SANTANA, B. T.; BRAGA, J. H. O.; SOUZA, P. H. Tipos de Escalas Utilizadas em Pesquisas e suas Aplicações. Vértices, v. 18, n.2, p 7-20, mai/ago. Campos dos Goytacazes. 2015. DOI: 10.19180/1809-2667.v18n216-01.

BRASIL. Lei n. 12.587 de 03 de jan. de 2012. Institui as diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana; revoga dispositivos dos Decretos-Leis nos 3.326, de 3 de junho de 1941, e 5.405, de 13 de abril de 1943, da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1o de maio de 1943, e das Leis nos 5.917, de 10 de setembro de 1973, e 6.261, de 14 de novembro de 1975; e dá outras providências. Brasília, DF, jan. 2012. Disponível em: . Acesso em 19 fev 2022.

CERVERO, R. Linking urban transport and land use in developing countries, The Journal of Transport and Land Use. Vol 6, No. 1, pp. 7-24, 2013. Disponível em: < https://www.jtlu.org/index.php/jtlu/article/view/425>. Acesso em: 19 fev. 2022.

_______.; SARMIENTO, O. L.; JACOBY, E., GOMEZ, L. F.; NEIMAN, A. Influences of Built Environments on Walking and Cycling: Lessons from Bogotá. International Journal of Sustainable Transportation, 3:203—226, 2009. Disponível em : http://dx.doi.org/10.1080/15568310802178314 . Acesso em: 19 fev. 2022.

_______. e DUNCAN, M. Walking, bicycling, and urban landscapes: evidence from the San Francisco Bay Area. Am J Public Healthy, vol. 93. n. 9, pp. 1478- 1483, 2003.

_______. e KOCKELMAN, K. Travel demand and 3 Ds: Density, Diversity and Design. Transportation Research Part D, vol. 2, n. 3, pp. 199-219, 1997.

COSTA, R. G. R.; SILVA, C. G. T; COHEN, S. C. A origem do caos: A crise de mobilidade no Rio de Janeiro e a ameaça à saúde urbana. Cadernos metropole. São Paulo, v. 15, n. 30, pp. 411-431, jul/dez 2013.

CRANE, R. (2000) The influence of Urban Form on Travel: An Interpretative Review. Journal of Planning Literature, Vol. 15, No. 1 (August 2000). Disponível em: < https://www.its.ucla.edu/wp-content/uploads/sites/2/2015/04/crane_jpl_proof.pdf>. Acesso em: 20 fev. 2022

DAVIS K.; SIOBERG, G.; BLUMENFELD, H.; BOSE, N. K.; SIDENBLADH, G.; RODWIN, L.; CHINITZ, B.; ABRAMS, C.; DYCKMAN, J. W.; WOLMAN, A.; GLAZER, N.; LYNCH, K. Cidades: A Urbanização da Humanidade. 2 ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1972.

DEL RIO, V. Introdução ao desenho urbano no Processo de Planejamento. São Paulo: PINI. 1990, 198p.

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DO RIO DE JANEIRO. DETRAN – RJ. Estatísticas. Disponível em: < http://www.detran.rj.gov.br/_estatisticas.veiculos/02.asp>. Acesso em 19 fev 2022.

FARIA; H. M.; LIMA, C. A.; Andar a pé: Mobilidade urbana e sustentabilidade nas regiões metropolitanas. Revista do Laboratório de Estudos Urbanos do Núcleo de Desenvolvimento da Criatividade. v. 22, nº 1, jun. 2016.

FERREIRA, M. A. G. F.; SANCHES, S. P.. Índice de qualidade das calçadas – IQC. Revista dos Transportes Públicos - ANTP - Ano 23 - 2001 - 2º trimestre. São Carlos, 2001. Disponível em: . Acesso em: 19 fev. 2022.

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - FIRJAN. O custo dos deslocamentos nas principais áreas urbanas do Brasil Publicações do Sistema Firjan. Pesquisas e Estudos socioeconômicos. Ambiente de Negócios. Setembro/2015. Disponível em: < . Acesso em: 10 fev. 2022.

FLÓREZ, J. Factors affecting the decision to walk: an exploratory case study in Caracas. 11th World Conference on Transport Research. Berkeley. Compendium of papers CD-Rom, 2007.

FRUIN, J.J. (1971) Pedestrian planning and design. Metropolitan Association of Urban Designers and Environmental Planners, New York.

GRIECO, E. P.; ALVES, R. M; PORTUGAL, L. S. Proposta de Índice de Ambiente Construído Orientado à Mobilidade Sustentável. XXIX Congresso Nacional de Pesquisa em Transporte da ANPET. Ouro Preto, 09 a 13 de Novembro de 2015. Disponível em: < http://146.164.5.73:20080/ssat/interface/content/anais_2015/TrabalhosFormatados/539AC.pdf>. Acesso em 13 fev. 2022.

GUTIERREZ, J.; URBAN, P. Accessibility in the European Union: the impact of the trans-European road network. Journal of Transport Geography, v. 4, n. 1, p. 15-25, 1996.

HESS, P. M., MOUDON, A. V. e LOGSDON, M. G. Measuring land use patterns for transportation research. Transportation Research Record, n. 1780, pp. 17-24, 2001.

HILLIER, B.; HANSON, J.; PENN, A.; GRAJEWSKI, T; XU, J. Natural Movement: or configuration and attraction in the pedestrian movement urban. Environment and Planning B: Planning and Design. London vol.20, 1993.

INGRAM, D. R. The concept of acessibility: a search for an operational form. Regional Studies, v. 5, p. 101-107, 1971.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo Brasileiro de 2010. Rio de Janeiro. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br . Acesso em 25 abr. 2022.

INSTITUTO DE POLÍTICAS DE TRANSPORTE & DESENVOLVIMENTO – ITDP. Índice de Caminhabilidade: Ferramenta. Versão 2.0. Disponível em: . Acesso em: 03 abr. 2022.

KIM, E.; HEWINGS, G. J. D. An application of integrated transport network: multiregional CGE model II: calibration of network effects of highway. Urbana: University of Illinois at Urbana-Champaingn, 2003. 35 p. (Discussion Paper, REAL T24).

KRIZEK, K. J.. Operationalizing Neighborhood Accessibility for Land Use – Travel Behavior Research and Regional Modeling. Journal of Planning Education and Research 22. p. 270-287. 2003.

LITMAN, T. (2013) Evaluating transportation equity. Victory Transpot Public Institute.

LUZ, M. “Nasce uma nova Niterói”: Representações, conflitos e negociações em torno de um projeto de Niemeyer. Horizontes Antropológicos. Porto Alegre, ano 15, n 32, p. 273-300, jul/dez. 2009. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-71832009000200012&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em: 03 abr. 2022.

MACHADO, D. C.; PERO, V.; MIHESSEN, V.; Mobilidade urbana e mercado de trabalho na região metropolitana do Rio de Janeiro. Revista da ABET, v. 14, n. 2, Julho a Dezembro de 2015.

MOUDON, A. V., LEE, C., CHEADLE, A. D., GARVIN, C., JOHNSON, D., SCHMID, T. L., WETHERS, R. D., e LIN, L. Operational definitions of walkable neighborhood: theoretical and empirical insights. Journal of Physical Activity and Health, vol. 3, n. 1, pp. 99-117, 2006.

MORI, M.; TSUKAGUCHI, H. A New Method for the Evaluation of Level of Service in Pedestrian Facilities. Transportation Research A, vol. 21A, n.3, p.223-234, 1987.

ROCHA, A. S., FRENLEL, D. B., FLÓREZ, J. e PORTUGAL, L. S. Viagens a pé, pp. 455-496, em Polos geradores de viagens orientados à qualidade de vida e ambiental: modelos e taxas de geração de viagens. Portugal, L. S. (Org.) Rio de Janeiro: Editora Interciência, 2012.

SABOYA, R.T. Sintaxe Espacial. Urbanidades, 2007.

TRB. Highway Capacity Manual. Transportation Research Board. Whashington, EUA. 2000.

UMMUS, M. E.; MATOS, P. P. O.; JESUS, S. C.; O avanço da urbanização no Município de Niterói entre 1987 e 2007. II Simpósio Brasileiro de Ciências Geodésicas e Tecnologias da Geoinformação. Recife – PE, 8 – 11 de setembro de 2008. Disponível em: < https://www3.ufpe.br/cgtg/SIMGEOII_CD/Organizado/sens_foto/131.pdf>. Acesso em: 03 abr. 2022.

WRI BRASIL . Ruas Completas. 2019. Disponível em: < https://wribrasil.org.br/pt/o-que-fazemos/projetos/ruas-completas>. Acesso em: abr. 2022




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n5-289