Fisiopatologia das Meningites de origem viral: uma revisão bibliográfica / Pathophysiology of Meningitis of viral origin: a bibliografic review

Kevilli Andrade dos Santos, Edislan da Silva Lima, Pedro Paulo de Sousa Silveira, Osvaldo Gomes Pereira Junior, Paulo Brunno Morais Rocha, Lilian Banhato, Jeferson Noslen Casarin, Antônio Carlos Melo Lima Filho

Abstract


O presente artigo teve como objetivo revisar os principais aspectos da fisiopatologia da meningite viral, destacando vias de ataque direto ao corpo humano. Além disso, discutir estratégias de diagnóstico e tratamento preconizados. Assim, destaca-se que entre os principais agentes causadores da meningite viral estão os enterovírus, poliovírus, vírus da herpes simples, arboviroses, vírus herpes zoster, HIV e Epstein-Barr. Entre os grupos mais acometidos estão as crianças de até 5 anos e adultos após os 40 anos, sendo em muitos deles detectado fator de risco. Em geral, uma medida de contra ataques ao vírus é a utilização do tratamento de suporte, com avaliação criteriosa e acompanhamento clínico dos pacientes. No entanto, a ferramenta padrão-ouro para o diagnóstico de meningite viral é a reação em cadeia da polimerase (PCR), que detecta e quantifica o DNA ou RNA viral no líquido cefalorraquidiano (LCR). O tratamento da meningite viral geralmente pode ser feito por meio do tratamento dos sintomas isolados com dipirona, metoclopramida, aciclovir e medicamentos antirretrovirais específicos para a espécie de vírus. A relevância dessa pesquisa está no fato de que demonstra a importância da compreensão da fisiopatologia das meningites de origem viral, para que os pesquisadores e profissionais possam buscar formas de diagnóstico e tratamento.


Keywords


Meningites virais, Enterovírus, Herpes simples.

References


BRASIL. Ministério da Saúde. Meningite. Disponível em:< https://www.gov.br/saude/pt-br/assuntos/saude-de-a-a-z/m/meningite-1>. Acesso em: 27 de março de 2022.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Coordenação-Geral de Desenvolvimento da Epidemiologia em Serviços. Guia de Vigilância em Saúde: volume 1 / – 1. ed. atual. – Brasília : Ministério da Saúde, 2017.

CHADWICK, D. R. Viral meningitis. British Medical Bulletin, v. 75-76, Issue 1, 2005, Pages 1–14.

COTTON MF, et al. A prospective study of the immune reconstitution inflammatory syndrome (IRIS) in HIV-infected children from high prevalence countries. PLoS One. 2019 Jul 1;14(7): e0211155.

DERK J, et al. Living on the Edge of the CNS: Meninges Cell Diversity in Health and Disease. Front Cell Neurosci. 2021 Jul 1;15:703944.

ESCOSTEGUY CC, et al. Vigilância epidemiológica e avaliação da assistência às meningites. Revista de Saúde Pública [online]. 2004, v. 38, n. 5 [Acessado 4 Maio 2022] , pp. 657-663.

FELDMAN C, et al. Meningococcal pneumonia: a review. Pneumonia (Nathan). 2019 Aug 25;11:3.

FERREIRA, MLB, et al. Manifestações neurológicas da dengue. Arquivos de Neuropsiquiatria, vol 63, n 2B, pg:488-493, 2005.

FRAZÃO, Arthur. Meningite viral: o que é, sintomas, transmissão e tratamento. Revista Tua Saúde, nov. 2021.

GE L, et al. Pregabalin-associated stuttering and frequent blepharospasm: case report and review. Daru. 2020 Dec;28(2):815-818.

GREENLEE, John E. Meningite viral. Manual MSD: Versão Saúde para a Família. 2022.

GUZIEJKO K, et al. Pneumococcal meningitis and COVID-19: dangerous coexistence. A case report. BMC Infect Dis. 2022 Feb 23;22(1):182.

HERATH HMM, et al. Cerebral vasculitis and lateral rectus palsy - two rare central nervous system complications of dengue fever: two case reports and review of the literature. J Med Case Rep. 2018 Apr 19;12(1):100.

HOU Z, et al. Predictors of Seizure Freedom in Patients Undergoing Surgery for Central Nervous System Infection-Related Epilepsy: A Systematic Review and Meta-Analysis. Front Neurol. 2021 Aug 18;12:668439.

JAYARAMAN K, et al. Magnetic Resonance Imaging Findings in Viral Encephalitis: A Pictorial Essay. J Neurosci Rural Pract. 2018 Oct-Dec;9(4):556-560.

KOHIL A, et al. Viral meningitis: an overview. Arch Virol. 2021 Feb;166(2):335-345.

KONG Y, et al. Accuracy of heparin-binding protein for the diagnosis of nosocomial meningitis and ventriculitis. Crit Care. 2022 Mar 8;26(1):56.

MAJER A, et al. Molecular Pathogenicity of Enteroviruses Causing Neurological Disease. Front Microbiol. 2020 Apr 9;11:540.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 13. ed. São Paulo: Hucitec, 2012.

MUCHA-MACIAS J. Arbovírus in Veronesi R. Doenças Infecciosas e Parasitárias. 5ª ed. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara Koogan, 1972, Cap. 2; p. 210-6.

NAZIR M, et al. Lactato no líquido cefalorraquidiano: um marcador diferencial para meningite bacteriana e meningite viral em crianças. J. Pediatr. (Rio J.) [online]. 2018, vol.94, n.1 [citado 2022-05-04], pp.88-92.

PENA GO, et al. Doenças infecciosas e parasitárias : aspectos clínicos, de vigilância epidemiológica e de controle - guia de bolso / elaborado por Gerson Oliveira Pena [et al]. - Brasília : Ministério da Saúde :Fundação Nacional de Saúde, 1998.

SANTOS, A. V. 72 p. Meningites. Trabalho de conclusão de curso (Farmácia) - Centro Universitário das Faculdades Metropolitanas Unidas. 2007.

SANTOS, Dionei Alves dos. Fisiopatologia geral. Org: Dionei Alves dos Santos e Lindamir Pozzo Arbigaus. Indaial: UNIASSELVI, 2019.

XIAO X, et al. Interactions Between Enteroviruses and the Inflammasome: New Insights Into Viral Pathogenesis. Front Microbiol. 2019 Feb 25;10:321.

YONEKURA T, et al. Revisão realista como metodologia para utilização de evidências em políticas de saúde: uma revisão integrativa. Revista da Escola de Enfermagem da USP [online]. 2019, v. 53.

YUAN J, et al. Enterovirus A71 Proteins: Structure and Function. Front Microbiol. 2018 Feb 21;9:286.

YUN S, et al. A Case Report of Varicella Zoster Meningitis as Co-Infection With Breakthrough COVID-19 in an Immunocompetent Patient. J Korean Med Sci. 2022 Feb 28;37(8):e61.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv8n6-300