Investigação da qualidade da água escoada predial derivada das precipitações pluviométricas na região metropolitana do Recife / Research on the quality of predial drain water derived from pluviometric precipitations in the metropolitan Recife region

Eduardo Antonio Maia Lins, Sérgio Carvalho Paiva, Letícia Ramos Albuquerque Silva, Ana Carolina Albuquerque Barbosa, Anna Kattaryne Cavalcante Santos, Josiclécia de Souza Ferreira

Abstract


O estudo da qualidade da água escoada é fundamental, tanto para caracterizar as consequências de uma determinada atividade poluidora, quanto para se estabelecer os meios para que satisfaça determinado uso da água. Este trabalho teve como objetivo realizar a análise do escoamento de águas de chuvas escoadas, na Região Metropolitana do Recife, a fim de identificar uma possível presença de acidez na água da chuva escoada das edificações, bem como parâmetros relacionados aos impactos. A metodologia utilizada para análise da água escoada foi o Standard Methods for the Examination of Water and Wastewater de 2012. As coletas realizadas nos tubos de queda da drenagem de água pluvial no bairro da Boa Vista, tiveram valores de pH bastante semelhantes e expressivos, sendo o maior valor de 6,91 e o menor de 6,24. Já nos demais locais estudados, os valores encontrados do pH foram superiores comparados ao bairro da Boa Vista, sugerindo que se trata de uma região potencialmente poluidora.


Keywords


Chuva ácida, Investigação, Precipitação, Escoamento, Qualidade da água.

References


APHA-AWWA-WEF. Standard Methods for the Examination of Water and Wastewater. 22a ed. Washington: Associação Americana de Saúde Pública, APHA. 1360 pp. 2012.

CALLEGARO et al. Efeitos da Chuva Ácida em recursos florestais. Universidade Federal de Santa Maria. Caderno de Biologia, Santa Maria, v. 27, n. 3, pp. 13-20, 2015.

CASTRO, A. S. Uso de Pavimentos Permeáveis e Coberturas Verdes no Controle Quali- Quantitativo do Escoamento Superficial Urbano. Porto Alegre, 2011. 142 f. Tese (Doutorado em Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental) - Programa de Pós-Graduação em Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011.

COSTA et al. Análise físico-química da água de chuva na cidade de João Pessoa para uso não potável. In: Simpósio Brasileiro de Captação e Manejo de Água de Chuva, Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte: ABCMAC. 2007.

DANTAS, A. R. Modelos espaciais aplicados ao mercado habitacional: um estudo de caso para a cidade do Recife. Universidade Federal de Pernambuco. Centro de Ciências Sociais e Aplicadas. Recife - PE. 2003.

FERREIRA, S. R. M., OLIVEIRA, R. A., OLIVEIRA, J. T. R. A dualidade da água nos materiais de construção civil. Universidade Católica de Pernambuco. Departamento de Engenharia Civil. Recife - PE. 2007.

FORNARO, A. Águas de chuva: conceitos e brave histórico. Há chuva ácida no Brasil?. Universidade de São Paulo. REVISTA USP. São Paulo -Sp, n 70, p. 78 - 80. 2006.

GOLDEMBERG, J.; VILLANUEVA, L. D. Energia, meio ambiente e desenvolvimento. 2006. Disponível em: Acesso em: 14 mar. 2018.

GONZAGA, L. B. T. Análise da Formação de Eflorescência nos Blocos Cerâmico em Russas-CE. Monografia (Graduação em Ciência e Tecnologia) - Universidade Federal Rural do Semi-Árido. Pró-Reitoria de Graduação. 2014.

HAGEMANN, S. E. Avaliação da qualidade da água da chuva e da viabilidade de sua captação e uso. Universidade Federal de Santa Maria. Centro de Tecnologia. Santa Maria - RS. 2009.

INMET - Instituto Nacional de Meteorologia. Preciptação total mensal. Disponível em: . Acesso em: 19 de fev. 2018.

JAQUES et al. Qualidade da água de chuva no município de Florianópolis e sua potencialidade para aproveitamento em edificações. In: Simpósio Ítalo Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental, 8. Fortaleza. Anais… Fortaleza: ABES. 2006.

LETRIA, J. J., ALBUQUERQUE, T. O alfabeto da natureza, Oficina dos livros e Sociedade. Editorial, Ltda. 1º edição. 2011.

LUNA et al. Qualidade da água de chuva em João Pessoa: Estudo corporativo com diversos padrões de qualidade conforme os usos pretendidos para água em edificações residênciais. Universidade Federal da Paraíba. Revista Eletrônica de Gestão e Tecnologias Ambientais. 2014.

MARQUES, R. et al. Ensaios preliminares para o monitoramento da acidez da chuva em Cuiabá-MT. Caminhos de Geografia, Uberlândia, v. 7. n. 1, p. 225-235, 2006.

MAY, S. Estudo da viabilidade do aproveitamento de água de chuva para consumo não potável em edificações. Universidade de São Paulo. Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. São Paulo -SP. 2004.

PINHEIRO et al. Efeito da abstração inicial no aproveitamento da água de chuva. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL, 23., Campo Grande. Anais... Campo Grande: ABES. 2005.

PINTO, L. F. E. Gestão dos serviços de abastecimento de água e de esgotamento sanitário da região metropolitana do Recife e suas relações com o meio ambiente. Universidade Federal de Pernambuco. Gestão pública. 2006.

PORTO, R.H. Meio Ambiente e Chuva Ácida. São Paulo. Revista Eletrônica de Ciências - número 15. Janeiro, 2005.

RODRIGUES, P. S.; MARTINS, G.M. Acid rain (pollution). Encyclopædia Britannica. 2018.

SOUZA et al. Oficina temática: "simulando a produção de chuva ácida" como um tema norteador para o estudo de óxidos. v 10. Sergipe. 2014.

TEIXEIRA et al.,. Estudo comparativo da qualidade da água da chuva coletada em telhado com telhas de concreto e em telhado verde para usos não potáveis. Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 17, n. 2, p.135 - 155, abr./jun. 2017.

VACCARI et al. Caracterização da água de chuva para o seu aproveitamento em edificações como fonte alternativa de água para fins não potáveis na região metropolitana de Vitória (ES). In: Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental, 23., Campo Grande. Anais... Campo Grande: ABES. 2005.

ZAMBONI et al., (2012). Consciência Ambiental: Conceitos e aplicação inter-áreas de química e geografia com textos sobre chuva ácida.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n1-183

Refbacks

  • There are currently no refbacks.