Perfil dos Agentes Comunitários de Saúde de um Município do Estado do Paraná e sua Relação com Plantas Medicinais/ Profile of Community Health Agents of a Municipality of Paraná State and its relationship with medicinal plants

Vaneza Paula Poplawski Carneiro, Mariane Pavani Gumy, Joice Karina Otenio, Durcelina Schiavoni Bortoloti, Talita Egevardt de Castro, Emerson Luiz Botelho Lourenço, Ezilda Jacomassi, Leonardo Garcia Velasquez

Abstract


A prática do uso de plantas medicinais, pelo homem, para se alimentar, para curar ou aliviar doenças é milenar e o conhecimento sobre ela vem sendo transmitido de geração a geração através dos tempos. A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que 80% da população de países em desenvolvimento faz uso dessa prática. O conhecimento sobre as plantas medicinais pode e deve ser considerado como campo de interação de saberes e práticas que valorizam os recursos culturais, preservando a biodiversidade. Neste contexto, o presente trabalho teve como objetivo avaliar o perfil dos agentes comunitários de saúde (ACS) de um município do Estado do Paraná e sua relação com plantas medicinais. Para tal, foi realizado um estudo transversal, qualitativo com 123 ACS, cuja análise exploratória dos dados foi realizada no programa Stata 12, onde se identificou que os ACS em sua maioria são mulheres de descendência italiana, religião católica, casadas, com ensino médio e renda entre 2 e 4 salários mínimos, conhecem e/ou utilizam plantas medicinais, obtiveram esse conhecimento por meio de seus pais, cultivam as plantas em casa, as utilizam por ser recurso terapêutico natural e principalmente têm o hábito de difundir conhecimentos sobre plantas medicinais.


Keywords


Agentes Comunitários de Saúde. ACS. Plantas Medicinais. Perfil.

References


ALVES, D. L.; SILVA, C. R. Fitohormônios: abordagem natural da terapia hormonal. São Paulo: Atheneu, 2003. 105p.

ANDRADE, W. M. G.; MARTINS, R. Perfil de Utilização e Intenção de Uso de Plantas Medicinais na Equipe de Saúde do PSF de Aracaju, Sergipe. p.16, 2016. Monografia apresentada no curso de graduação à Universidade Federal de Sergipe, Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Curso de Farmácia para conclusão do curso de Farmácia. São Cristovão, SE, 2016.

BATISTA, L. M.; VALENÇA, A. M. G. A Fitoterapia no Âmbito da Atenção Básica no SUS: Realidades e Perspectivas. Pesq. Bras. Odontoped. Clin. Integr., v. 12, n. 2, p. 293-96, 2012.

BRASIL. Lei nº 13.595 de 5 de janeiro de 2018. Altera a Lei nº 11.350, de 5 de outubro de 2006, para dispor sobre a reformulação das atribuições, a jornada e as condições de trabalho, o grau de formação profissional, os cursos de formação técnica e continuada e a indenização de transporte dos profissionais Agentes Comunitários de Saúde e Agentes de Combate às Endemias. Brasília, DF, 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Declaração de Alma-Ata. Conferência Internacional sobre Cuidados Primários de Saúde. Brasília, DF. 2002.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília, DF, 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos e Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Portaria nº 5.813, de 22 de junho de 2006. Aprova a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 2006; Seção 1, v.20, p.60.

CARVALHO, A.G.; BOTELHO, M.S. O Uso das Plantas Medicinais no Cotidiano dos Agentes Comunitários de Saúde: Avaliando o Impacto do Projeto de Extensão Bioverde. Biguaçú. Monografia apresentada como requisito parcial para a obtenção do título de Enfermeiro, na Universidade do Vale do Itajaí, Centro de Educação Biguaçu. Biguaçu, SC, 2008.

COCHRAN, W. G. Some Methods for Strengthening the Common ?2 testes. Biometrics, v. 10, p. 417-451, 1954.

D`HAINAUT, L. Conceitos e Métodos da Estatística. 2. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1997.

FERRAZ, L.; AERTS, D. R. G. C. O Cotidiano de Trabalho do Agente Comunitário de Saúde no PSF em Porto Alegre. Ciênc. Saúde Coletiva, v. 10, n. 2, 2005.

HOFFMANN, R. Determinantes da Insegurança Alimentar no Brasil: Análise dos dados da PNAD de 2004. Segurança Alimentar e Nutricional, v. 15, n. 1, p. 49-61, 2008

HOFFMANN, R. Estatística para Economistas. 4. ed. São Paulo: Cengage Learning, 2013.

LEVIN, J. Estatística aplicada a Ciências Humanas. 2. ed. São Paulo: Editora Harbra Ltda, 1987.

LIMA, C. A.; SANTOS, A. M. V. S.; MESSIAS, R. B.; COSTA, F. M.; BARBOSA D. A.; SILVA, O. C. S. O.; PINHO, L.; BRITO, M. F. S. F. Práticas Integrativas e Complementares: Utilização por Agentes Comunitários de Saúde no Autocuidado. Rev. Bras. Enferm., v. 71, n. 6, p. 2842-8, 2018.

LINO, M. M.; LANZONI, G. M. M.; ALBUQUERQUE, G.L.; SCHVEITZER, M. C. Perfil socioeconômico, demográfico e de trabalho dos agentes comunitários de saúde. Cogitare Enferm, v. 17, n. 1, p. 57-64, 2012.

LISBOA, M. S.; PINTO, A. S.; BARRETO, P. A.; RAMOS, Y. J.; SILVA, M. Q. O. R.; CAPUTO, M. C.; ALMEIDA, M. Z. Estudo Etnobotânico em Comunidade Quilombola Salamina/Putumujú em Maragogipe, Bahia. Rev. Fitos, v. 11, n. 1, p. 48-61, 2017.

LOPES, M. A. et al. Conhecimento e Intenção de Uso da Fitoterapia em uma Unidade Básica de Saúde. Interfaces Científicas-Saúde e Ambiente, v. 1, n. 1, p. 53-9, 2012.

NISIHARA, R.; SANTOS, J. C.; KLUSTER, G. M.; FAVERO, G.; SILVA, A. B.; SOUZA, L. Avaliação do Perfil Sociodemográfico, Laboral e a Qualidade de Vida dos Agentes de Saúde responsáveis pelo Combate à Dengue em Duas Cidades do Estado do Paraná. Rev. Bras. Med. Trab., v. 16, n. 4, p. 393-9, 2018.

PEDRAZA, D. F.; SANTOS I. Perfil e Atuação do Agente Comunitário de Saúde no Contexto da Estratégia Saúde da Família em Dois Municípios da Paraíba. Interações, v. 18, n. 3, p. 97-105, 2017.

PEREIRA, A. V. G. P.; ALBIERO, A. Valorização da Utilização de Plantas Medicinais na Atenção Básica: Oficinas de Aprendizagem. Arquivos do MUDI, v. 19, n.2-3, p. 23-42, 2015.

PEREIRA, M. S. V.; LUCENA, J. D.; FREITAS, F. O. R.; LIMA, R. R.; COELHO, T. A. S.; CLEMENTINO, R. M. D.; OLIVEIRA, C. A. A fitoterapia na Estratégia de Saúde da Família: Resgate e Conhecimento Popular. Revista Coopexfip Científica, v. 2, n. 2, p. 1-13, 2010.

SANTOS, K. T.; SALIBA, N. A.; MOIMAZ, S. A. S.; ARCIERI, R. M.; CARVALHO, M. L. Agente Comunitário de Saúde: Perfil Adequado a Realidade do Programa Saúde da Família? Ciênc. Saúde Coletiva, v. 16, n. 1, 2011.

SCHIAVO, M.; SCHWAMBACH, K. H.; COLET, C. F. Conhecimento sobre Plantas Medicinais e Fitoterápicos de Agentes Comunitários de Saúde de Ijuí, RS. Rev. Fund. Care Online, v. 9, n.1 p. 57-63, 2017.

SOARES, M. A. A.; BRAGA, J. R. P.; MOURÃO, A. E. B.; PARENTE, K. M. S.; PARENTE FILHO, E. G. Levantamento Etnobotânico das Plantas Medicinais utilizadas pela População do Município de Gurinhém, Paraíba. Revista Homem, Espaço e Tempo, v. 3, n. 2, p. 36-47, 2009.

SOMAVILLA, N.; CANTO-DROW, T. S. Levantamento das Plantas Medicinas utilizadas em Bairros de Santa Maria, RS. Cienc. Natura, v. 18, p. 131-148, 1996.

SOUZA, J. S. S.; GOMES, E. C.; ROCHA, T. C.; BOGER, B. Uso de Plantas Medicinais por Comunidades do Município de Curitiba. [email protected] Revista Eletrônica Interdisciplinar, Matinhos, v. 10, n. 2, p. 91-7, 2017.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n1-209