Avaliação do perfil de produção de fitoterápicos para o tratamento de ansiedade e depressão pelas indústrias farmacêuticas brasileiras / Evaluation of the production profile of phytotherapies for the treatment of anxiety and depression by the brazilian pharmaceutical industries

Eliane Lopes Pereira da Silva, Jéssica Carneiro Fernandes Soares, Marcelo Junqueira Machado, Isabella Mary Alves Reis, Sônia Carine Cova

Abstract


Introdução: A ansiedade é considerada uma das doenças mais incapacitantes e, possivelmente, até 2030 será a segunda maior doença a nível mundial. Pesquisas realizadas comprovam que algumas plantas medicinais podem ser utilizadas no tratamento da ansiedade e depressão por terem atuação no Sistema Nervoso Central (SNC). Objetivo: Avaliar o perfil de produção de fitoterápicos para o tratamento de ansiedade e depressão pelas indústrias farmacêuticas brasileiras. Método: Trata-se de uma pesquisa quantitativa acerca dos laboratórios farmacêuticos associados ao SINDUSFARMA que produzem fitoterápicos para ansiedade e depressão. Resultado: Foi possível identificar que dos 220 laboratórios farmacêuticos que atuam no país, apenas 29 unidades fabris produzem medicamentos fitoterápicos, correspondendo a 14,35%. Conclusão: As indústrias farmacêuticas brasileiras que produzem fitoterápicos voltados para ansiedade e depressão estão alinhadas com os achados na revisão de literatura. O Brasil é um país com uma biodiversidade muito rica, entretanto possui uma parcela tão pequena na produção de insumos ativos para as indústrias de fitoterápicos, assim como na produção de medicamentos fitoterápicos.


Keywords


Fitoterapia, Ansiedade, Depressão.

References


AGANIL, C. A.; FERNANDA, S. B. Uso popular de plantas medicinais no tratamento da ansiedade. 2016. 17 f. Monografia (Especialização) - Curso de Biologia, Universidade do Planalto Catarinense-uniplac, Urupema, 2016.

ALMEIDA A.B.C. Efeitos biológicos do lúpulo: resultados de ensaios clínicos em humanos. 2017

ALVES A.C.S. et al. Aspectos botânicos, químicos, farmacológicos e terapêuticos de Hypericum perforatum L. Revista Brasileira de Plantas Medicinais. v.16, n.3, p.503-606. 2014.

BARBOSA D.R.; LENARDON L.; PARTATA A.K. Kava-Kava (Piper Methysticum): uma revisão geral. Revista de Ciência ITPAC. v.6, n.3, p.1-19. 2013

BONA A.P. et al. Estudo fitoquímico e análise mutagênica das folhas e inflorescências de Erythrina mulungu (mart. exbenth.) através do teste de micronúcleo em roedores. Revista Brasileira de Plantas Medicinais. v.14, n. 2. 2012.

BOORHEM RL, LAGE EB. Drogas e extratos vegetais utilizados em fitoterapia. Revista Fitos. v.4, n.37, p.37-40. 2009.

BRASIL, 2009. Relação de Plantas Medicinais de Interesse ao SUS, Ministério Saúde.

BRASIL, 2012. Plantas medicinais e fitoterapia: PNPIC. Ministério da Saúde.

BRASIL, 2015.Ansiedade, Ministério da Saúde

BRASIL, 2016. Memento Fitoterápico da Farmacopéia Brasileira, Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

BRASIL, 2018. Folha informativa – Depressão, Organização Pan-Americanas de Saúde.

CORDEIRO C.H.G.; CHUNG M.C.; SACRAMENTO L.V.S.; Interações medicamentosas de fitoterápicos e fármacos: Hypericumperforatume Pipermethysticum. Revista Brasileira de Farmacognosia. v.15, n.3, p.272-278. 2009.

DOUGLAS F.R. Determinação dos parâmetros para controle de qualidade de Erythrinavernavell. Dissertação Mestrado. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Farmácia 2011.

FAUSTINO T.T.; ALMEIDA R.B.; ANDREATÍNI R. Plantas medicinais no tratamento do transtorno de ansiedade generalizada: uma revisão dos estudos clínicos controlados. Revista Brasileira de Psiquiatria. v.32, n.4, p. 429-436. 2010

HASEBCLERVER L. et al. A indústria de fitoterápicos brasileira: desafios e oportunidades. Ciência& Saúde Coletiva. v.22, n.8, p.2559-2569. 2017.

JUSTO SC, SILVA CM. Piper methysticum G. Forster (Kava-Kava): uma abordagem geral. Revista Eletrônica de Farmácia. v.5, n.1, p.73-82. 2008

LEÃO, A.M, et al. Prevalência e Fatores Associados à Depressão e Ansiedade entre Estudantes Universitários da Área da Saúde de um Grande Centro Urbano do Nordeste do Brasil. Revista Brasileira de Educação Médica, v.42, n.4, p.55-65. 2018

LOUREIRO L. et al. Reconhecimento da Depressão e crenças sobre procura de ajuda em Jovens Portugueses. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental.n.7, p.13-17. 2012

NASCIMENTO D.F. et al. Estudo de toxicologia clínica de um fitoterápico contendo Passiflora incarnata L., Crataegusoxycantha L., Salix alba L., em voluntários saudáveis. Revista Brasileira de Farmacognosia. v. 19, n. 1B, p. 261-268. 2009.

PATIAS, N.D. et al. Expression anxietyand Stress Scale DASS-21 – Short Form: Adaptação e Validação para Adolescentes Brasileiros. Psico-USF, v.21, n.3, p. 459-469. 2016

RODRIGUES A.G., SIMONI C. Plantas medicinais no contexto de políticas publicas. Informe Agropecuário. v. 31, n. 255, p. 7-12, 2010.

SANTANA, S. A.O uso de plantas medicinais no tratamento da ansiedade. 2015.

SCHLEIER R.; QUIRINO C.S.; RAHME S. Erythrina mulungu – descrição botânica e indicações clínicas a partir da antroposofia. Revista Arte Médica. v.36, n.4, p. 162-167. 2016

SECCHI P, VIRTUOSO S. O efeito da valeriana no tratamento da insônia. Visão Acadêmica. v.13, n.1, p.85-107. 2012.

SOUZA M.F.B. As plantas medicinais com potencial terapêutico ansiolítico no Brasil: uma revisão integrativa usa de plantas medicinais no tratamento da ansiedade. Trabalho de Conclusão. Curso Enfermagem. Universidade Federal de Mato Grosso. 2019

TEIXEIRA S.S.T.C. Medicamentos fitoterápicos e drogas vegetais industrializados e oficializados pelo Ministério da Saúde no Brasil: regulamentação sanitária, abrangência equalidade dos estudos pré-clínicos e clínicos. Tese de Doutorado. Fundação Oswaldo Cruz. Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca. 2013

TERRAZAS P.M. Investigação dos efeitos citotóxico e genotóxico do extrato de Salixalba L.: análises in vitro, in vivo e histológicas. Tese de Doutorado. UNESP.2017.

VIDAL R.J.; TOLEDO C.E.M. Valeriana officinalis L. no tratamento da insônia e ansiedade. Brazilian Journal of Surgery and Clinical Research. v.9, n.1, p.78-83, 2014.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n1-226

DOI (PDF (Português (Brasil))): https://doi.org/10.34117/bjd.v6i1.6253.g5544

Refbacks

  • There are currently no refbacks.