Captação e armazenamento de água de chuva para consumo humano no semiárido baiano no âmbito do P1MC: uma análise da viabilidade do uso da tecnologia no município de Abaré-BA/ Rain water collection and storage for human consumption in the bahian semi-arid area within the P1MC: an analysis of the feasibility of the use of technology in the municipality of Abaré-BA

Juliana Elisa Silva Santos, Patrícia Campos Borja

Abstract


As cisternas rurais do Programa Um Milhão de Cisternas (P1MC) foram implantadas na região semiárida brasileira nos anos 2000 e são a principal tecnologia local para estratégia de convivência com o semiárido. O município de Abaré, inserido no sertão nordestino e marcado historicamente pela pobreza, possui em sua zona rural diversas cisternas do P1MC e é objeto de estudo deste trabalho. Buscou-se realizar uma análise da viabilidade da tecnologia do uso de cisternas no município utilizando metodologia qualitativa e quantitativa. A etapa quantitativa envolveu a avaliação do atendimento das demandas de consumo de água pela população da zona rural de Abaré a partir de dados de chuva dos últimos dez anos, já a qualitativa envolveu o levantamento dos Discursos do Sujeito Coletivo, a partir de entrevistas de informantes-chave envolvidos direta ou indiretamente com o abastecimento de água de consumo humano por meio de cisternas. Segundo as análises da demanda de água para consumo humano das famílias estudadas em relação ao volume captado nos telhados dos domicílios, apenas para um cenário de consumo per capita de água (14L/hab.dia) pode ser possível a captação de água de chuva no município. A partir das entrevistas conduzidas foi possível perceber a importância do P1MC na vida da população da zona rural de Abaré. Entretanto, os próprios beneficiários e técnicos reconhecem que as cisternas não vêm sendo utilizadas para armazenar água de chuva e sim água proveniente de carros-pipa, e até mesmo de rede de distribuição de água, devido à ausência de chuva nos últimos anos. Chega-se à conclusão que o uso da cisterna para armazenamento de água pluvial não garante o volume necessário para atender às necessidades das famílias estudadas em Abaré, considerando o regime de chuvas entre 2008 a 2017, e evidencia-se a necessidade do estudo de outras tecnologias para abastecimento humano de água. A partir da realidade de Abaré e de regiões com baixos índices pluviométricos no semiárido (<500mm) e considerando as secas prolongadas e os impactos das mudanças climáticas, faz-se necessário estudar as diversas alternativas para o abastecimento de água da região, tais como o uso e gestão dos reservatórios disponíveis; implantação de sistemas de abastecimento de água; uso de dessalinizadores; captação e armazenamento de água de chuva por meio de barragens subterrâneas e cisternas; uso eficiente da água dos sistemas existentes com redução de perdas; reúso da água de cisternas de esgotamento sanitário para usos não nobres, além de um amplo programa de reflorestamento e proteção de nascentes. Por fim, acredita-se que a questão do acesso à água no semiárido, principalmente das populações historicamente vulnerabilizadas, passa pela adoção de políticas públicas inclusivas e democráticas.


Keywords


cisternas, viabilidade, semiárido.

References


ALMEIDA, H. A. de. Climate, water and sustainable development in the semi-arid of northeastern Brazil. In: Sustainable water management in the tropics and subtropics and case studies in Brasil. Unikaseel, v.3, p. 271-298, 2012.

ALMEIDA, H. A. de, FARIAS, M. P. Regime pluvial e potencial de captação de água para as microrregiões mais secas da Paraíba. In: Captação, manejo e uso da água de chuva. Elaborado com base em apresentações e debates promovidos no 8º Simpósio Brasileiro de Captação e Manejo de Água de Chuva – 14 a 17 de agosto de 2012. Campina Grande – PB, 2015.

ALMEIDA, H. A. de, FREITAS, R. C., SILVA, L. Determinação de períodos secos e chuvosos em duas microrregiões da Paraíba através da técnica dos quantis. Revista de Geografia, v.30, p. 217-232, 2013.

ALMEIDA, H. A. de, GOMES, M. V. A. Potencial para captação de água da chuva: alternativa de abastecimento de água nas escolas públicas de Cuité, PB. In: Congresso Brasileiro de Agrometeorologia, 17, 2011, Guarapari. Anais... Guarapari: SBAGRO, 2011.

ARTICULAÇÃO NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO - ASA. Programa de Formação e Mobilização Social para a Convivência com o Semiárido: um milhão de cisternas rurais – P1MC. Recife: ASA, 2002.

ARTICULAÇÃO NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO - ASA. AÇÕES – P1MC. 2018. Disponível em: < http://www.asabrasil.org.br/acoes/p1mc>. Acesso em: 4 jan. 2018.

ARTICULAÇÃO NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO - ASA. Semiárido - É no semiárido que a vida pulsa. 2013. Disponível em: . Acesso em: 09 mar. 2017.

BONIFÁCIO, S. N. A percepção dos beneficiários do p1mc quanto à utilização das cisternas de água de chuva no semiárido mineiro, 2011. Dissertação (Mestrado) – Escola de Engenharia, Universidade Federal de Minas Gerais, 2011.

BORJA, P. C. et al. Relatório Final CNPQ – Programa Um Milhão de Cisternas – Limites e possibilidade para o direito à água no Semiárido Baiano. Universidade Federal da Bahia; Universidade Estadual de Feira de Santana; Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Salvador, 2016.

BRASIL - Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Manual para execução do Programa Cisternas. Operacionalização do Programa e Orientações ao Proponente. Brasília, 2011. Disponível em: . Acesso em: 5 mar. 2018.

CAIRNCROSS, S.; VALDMANIS, V. Water Supply, Sanitation and Hygiene Promotion- Chapter 41. Disease Control Priorities in Developing Countries. Washington (DC): The International Bank for Reconstruction and Development / The World Bank; New York: Oxford University Press, 2006.

CAMPELO, D. A. As políticas públicas para a agricultura familiar brasileira em clima semiárido: do combate à convivência. RBPG, Brasília, v. 10, n. 21, pp.865 - 888, outubro, 2013.

CAMPOS, J. N. B. Secas e política públicas no semiárido: ideias, pensadores e períodos. Estudos Avançados, São Paulo, v. 26, pp. 66-88, 2014.

GOMES, U. A. F. e HELLER, L. ¬Acesso à água proporcionada pelo Programa de Formação e Mobilização social para Convivência com o Semiárido: Um Milhão de Cisternas Rurais: combate à seca ou ruptura da vulnerabilidade? Revista Engenharia Sanitária Ambiental, Rio de Janeiro, v. 21, n.3, jul/set, p. 623-633. 2016.

GOMES, U. A. F., HELLER, L., CAIRNCROSS, S., DOMENÈCH, L. and PENA, J. L. Subsidizing the sustainability of rural water supply: the experience of the Brazilian rural rainwater-harvesting programme. Water International, v. 39, n. 5, p. 606-619. 2013.

HELMREICH, H.; HORN, H. Opportunities in rainwater harvesting. Desalination, v. 248, p. 118-124, 2009.

HOWARD, G. BARTRAM J. Domestic Water Quantity, Service Level and Health. Withington: World Health Organization, 2003.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Áreas Especiais - Cadastro de Municípios localizados na Região Semiárida do Brasil. 2018. Disponível em: < https://ww2.ibge.gov.br/home/geociencias/geografia/semiarido.shtm?c=4>. Acesso em: 17 mar. 2018.

LEFÈVRE, A. M. C., CRESTANA, M. F., CORNETTA, V. K. A utilização da metodologia do discurso do sujeito coletivo na avaliação qualitativa dos cursos de especialização “Capacitação e Desenvolvimento de Recursos Humanos em Saúde-CADRHU”. Saúde e Sociedade, São Paulo, v.12, n.2, p.68-75, jul./dez. 2003.

MARENGO, J. A.; ALVES, L. M.; BESERRA, E. A.; LACERDA, F. F. Variabilidade e mudanças climáticas no semiárido brasileiro. Recursos hídricos em regiões áridas e semiáridas. Campina Grande: Instituto Nacional do Semiárido.– PB. 2011.

OMS. ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. Gabinete do Alto Comissário para os Direitos Humanos (ACNUDH), Centro sobre Direitos à Habitação e Despejo (COHRE), WaterAid, Centro de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais. O Direito à Água. 2003. Disponível em: . Acesso em: 8 fev. 2018.

PASSADOR, C. S., PASSADOR, J. L. Apontamentos sobre as Políticas Públicas de Combate à Seca no Brasil: Cisternas e Cidadania? Cadernos Gestão Pública e Cidadania, São Paulo, v. 15, n. 56, p. 65-86: 2010.

RAZZOLINI, M. T. P.; GÜNTHER, W. M. R. Impactos na Saúde das Deficiências de Acesso a Água. Saúde Soc. São Paulo, v.17, n.1, p.21-32, 2008.

REBOUÇAS, A. da C. Água na região Nordeste: desperdício e escassez. Estudos Avançado, São Paulo, v.11, n. 29, Jan./Apr. 1997.

SANTOS, A. C., CEBALLOS, B. S. O., SOUSA, C. M. Políticas Públicas de Água e Participação no Semiárido: Limites e tensões no P1MC. Revista Eletrônica de Gestão e Tecnologias Ambientais, Salvador, v.1, n.1, p. 145-161, 2013.

SILVA, R. M. A. Entre o combate à seca e a convivência com o semiárido: transições paradigmáticas e sustentabilidade do desenvolvimento. Tese (Doutorado). Centro de Desenvolvimento Sustentável, Universidade de Brasília. Brasília, 2006.

SNIS. SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES SOBRE SANEAMENTO. Série Histórica. 2018. Disponível em: . Acesso em: 09 jan. 2018.

SOUSA, A. B. Dimensionamento de cisternas e proposta de tipologias de volume para regiões pluviais homogêneas. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Centro de Tecnologia, Programa de Pós-Graduação em Engenharia Sanitária. Natal, 2017.

SOUZA, C. M. N., FREITAS C. M. de. O saneamento na ótica de profissionais de saneamento-saúde-ambiente: promoção da saúde ou prevenção de doenças? Revista Engenharia Sanitária e Ambiental, v,13, n. 29, p 46-53, jan./mar. 2008.

TOMAZ, P. T. Aproveitamento de água de Chuva – Aproveitamento de Água de Chuva para Áreas Urbanas e Fins não Potáveis. 2ª ed. São Paulo: Navegar Editora, 2005.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n1-383

Refbacks

  • There are currently no refbacks.