Correção de aneurisma de aorta abdominal: Fatores de risco para a infecção do sítio cirúrgico e óbito / Uma abordagem que demonstra como a cirurgia é imprescindível para a conservação da vida dos pacientes

Authors

  • Ester Olivia de Oliveira Menino
  • Gabriela Cristina Libanio
  • Luiza Buchemi Cardoso
  • Bráulio Roberto Gonçalves Marinho Couto

DOI:

https://doi.org/10.34115/basrv4n6-004

Keywords:

Aorta Abdominal, Aneurisma Aórtico, Fatores de Risco, Infecção do Sítio Cirúrgico, Óbito.

Abstract

O objetivo deste presente artigo foi avaliar quais são os fatores preventivos e os riscos para infecção do sítio cirúrgico (ISC), como o maior tempo de internação em pacientes submetidos à correção de aneurisma de aorta abdominal (AAA), óbitos hospitalares e analisar o risco de ISC após a correção de AAA. Dados de pacientes, de um hospital geral de Belo Horizonte, MG, com AAA foram analisados do software EPI info e através da base de dados SACIH. Os pacientes foram submetidos às cirurgias de correção de aneurisma de aorta entre julho de 2016 e junho de 2018 e foram estudados retrospectivamente. A probabilidade explícita da causa de morte foi registrada. Infecção em qualquer topografia, tempo de internação pré-operatória acima de 4 dias,a realização de mais de um procedimento, o tempo de internação até a cirurgia , o número de procedimentos cirúrgicos realizado na mesma cirurgia, ASA- escore de gravidade do paciente no momento da cirurgia são fatores de risco para o óbito, relacionados com essa cirurgia.  Em relação ao risco de infecção do sítio cirúrgico concluiu-se que mais de um procedimento cirúrgico, além da correção de AAA, e o pré-operatório “Tempo de internação no hospital maior que 24 horas” são fatores que influenciam esse desfecho. O risco de infecção e de óbito são fatores que devem ser considerados, pois são significativos em uma cirurgia de correção de aneurisma de aorta, como será exposto ao longo deste presente artigo.

References

ALTMAN, Douglas G. Practical Statistics for Medical Researc. London: Chapman & Hall, 1991. 610 p.

ALMEIDA?LOPES, José et al. Tratamento endovascular de aneurismas saculares isolados da aorta abdominal e da artéria ilíaca – caso clínico. Angiologia e Cirurgia Vascular, [s.l.], v. 11, n. 1, p.30-34, mar. 2015. Elsevier BV. http://dx.doi.org/10.1016/j.ancv.2014.12.006.

CARVALHO, Francine C.de et al. Estudo Prospectivo da Morbi-Mortalidade Precoce e Tardia da Cirurgia do Aneurisma da Aorta Abdominal. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, São Paulo, v. 84, n. 4, p.292-296, 2005.

CASTRO?FERREIRA, Ricardo et al. Dez anos de tratamento de aneurismas da aorta abdominal – exclusão endovascular vs. cirurgia aberta nas diferentes regiões portuguesas. Angiologia e Cirurgia Vascular, [s.l.], v. 11, n. 2, p.51-60, jun. 2015. Elsevier BV. http://dx.doi.org/10.1016/j.ancv.2014.11.002.

EDWARDS, Jonathan R. et al. National Healthcare Safety Network (NHSN) report: Data summary for 2006 through 2008, issued December 2009. American Journal Of Infection Control, [s.l.], v. 37, n. 10, p.783-805, dez. 2009. Elsevier BV. http://dx.doi.org/10.1016/j.ajic.2009.10.001.

MENDONÇA, Célio Teixeira et al. Comparação entre os tratamentos aberto e endovascular dos aneurismas da aorta abdominal em pacientes de alto risco cirúrgico. Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular, Curitiba, v. 4, n. 3, p.232-242, ago. 2005.

STARLING, C.e.f.; COUTO, B.r.g.m.; PINHEIRO, S.m.c.. Applying the centers for disease control and prevention and national nosocomial surveillance system methods in Brazilian hospitals. American Journal Of Infection Control, [s.l.], v. 25, n. 4, p.303-311, ago. 1997. Elsevier BV. http://dx.doi.org/10.1016/s0196-6553(97)90022-5.

Published

2020-11-06

Issue

Section

Artigos originais