Análise da composição química apresentada na rotulagem nutricional de alimentos industrializados comercializados na região metropolitana de Belo Horizonte-MG/ Analysis of the chemical composition presented in the nutritional labeling of industrialized foods sold in Belo Horizonte-MG

Authors

  • Jéssica Devellard Rangel
  • Waleska Isabela Fraga Castilho
  • Michely Cristiny Nascimento Pereira
  • Marcos Vieira Matildes de Jesus
  • Giulia Beja Sathler
  • Laura Ferreira Morais
  • Eric Liberato Gregório
  • Daniela Almeida do Amaral

DOI:

https://doi.org/10.34115/basrv4n6-036

Keywords:

Agência Nacional de Vigilância Sanitária, Rotulagem Nutricional, Alimentos industrializados.

Abstract

As mudanças dos hábitos alimentares ao longo dos anos vêm mostrando uma diminuição significativa da ingestão de alimentos in natura e minimamente processados como o arroz, feijão, frutas e hortaliças e aumento expressivo dos produtos processados e ultraprocessados, o que vem gerando impactos negativos à saúde. Este estudo objetivou avaliar a rotulagem nutricional de diferentes grupos de alimentos industrializados com grande consumo nos últimos anos. Foi analisada a composição química apresentada na rotulagem nutricional de 700 alimentos industrializados das redes de supermercados da região metropolitana de Belo Horizonte-MG. Os alimentos foram enquadrados em sete categorias: cereais, salgados, pratos prontos, sanduíches, pizzas, sopas e salgados tipo chips. Os resultados colocaram em evidência o alto teor de sódio com valores expressivos no grupo dos pratos prontos com média de 908±467mg. O teor de sódio em percentual do valor diário (%VD) variou entre 4,2±3,5% para o grupo dos cereais a 37,3±20,1% para o grupo dos pratos prontos. Dos 7 grupos de alimentos analisados, 5 apresentaram quantidades de sódio superior a 15% do VD em apenas uma porção de produto. A quantidade de gordura saturada esteve entre 1,5±2,6% do VD para o grupo das sopas e 34,6±18,8% do VD para o grupo dos sanduíches. A quantidade de energia por porção esteve entre 71±18,5 Kcal para o grupo das sopas e 355±81kcal para o grupo dos sanduíches. A densidade energética foi superior a 2,4Kcal/g em todos os grupos de alimentos analisados, alcançando o valor de 4,95 Kcal/g no grupo dos salgadinhos tipo chips. Conclui-se que os alimentos estudados podem contribuir significativamente para o ganho de peso, instalação da obesidade e maior risco de doenças crônicas não transmissíveis (DCNT).

References

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Rotulagem nutricional obrigatória: manual de orientação às indústrias de Alimentos - 2º Versão, Brasília, 2005. Disponível em: <http://portal.anvisa.gov.br/documents/33916/389979/Rotulagem+Nutricional+Obrigat%C3%B3ria+Manual+de+Orienta%C3%A7%C3%A3o+%C3%A0s+Ind%C3%BAstrias+de+Alimentos/ae72b30a-07af-42e2-8b76-10ff96b64ca4>.Acesso em 16 de nov. 2019.

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Rdc n° 360: regulamento técnico sobre rotulagem nutricional de alimentos embalados. Brasília: Ministério da Saúde, 2003. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2003/rdc0360_23_12_2003.html. Acesso em: 05 out. 2020.

ALWAN, A. et al. Monitoring and surveillance of chronic non-communicable diseases: progress and capacity in high-burden. countries. Lancet. V.376, n.9755, p.1861-8. 2010. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/21074258/. Acesso em: 05 out. 2020.DOI:10.1016/S0140-6736(10)61853-3.

BARROS, L. O.; BATISTA J. S. Análise da rotulagem nutricional de barras de cereais light comercializadas em Fortaleza, Ceará. Nutrivisa – Revista de Nutrição e Vigilância em Saúde, Fortaleza, v.3, nov/fev. 2017. Disponível em: <http://www.revistanutrivisa.com.br/wp-content/uploads/2017/10/nutrivisa-vol-3-num-3-f.pdf>. Acesso em 16 de nov. 2019.

BEZERRA, I. N. et al. Consumo de alimentos fora do lar no Brasil segundo locais de aquisição. Revista de saúde pública, Fortaleza, 2017. Disponível em: <http://www.rsp.fsp.usp.br/wp-content/uploads/articles_xml/0034-8910-rsp-S1518-87872017051006750/0034-8910-rsp-S1518-87872017051006750-pt.x83745.pdf>. Acesso em 16 de nov. 2019.

BIELEMANN, R. M. et al. Consumo de alimentos ultraprocessados e impacto na dieta de adultos jovens. Revista de Saúde Pública, São Paulo, vol. 49, p. 1 a 10, 2015. Disponível em: <https://www.redalyc.org/pdf/672/67240213026.pdf>. Acesso em 16 de nov. 2019.

DUNCAN, B. B. et al. Doenças crônicas não transmissíveis no Brasil: prioridade para enfrentamento e investigação. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 46, supl. 1, p. 126-134, Dec. 2012 . Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102012000700017&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 11 Nov. 2020. https://doi.org/10.1590/S0034-89102012000700017.

ESTEVÃO, M. L.; AGUIAR, L. P. Teor de sódio: comparação da rotulagem de barras de cereais convencionais, light e diet a importância destas informações no âmbito da saúde pública. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento, São Paulo, v. 13. n. 78. p.284 a 290. mar/abril. 2019. Disponível em: <http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/932/672>. Acesso em 16 de nov. 2019.

FERREIRA, A. B.; LANFER-MARQUEZ, U. M. Legislação brasileira referente à rotulagem nutricional de alimentos. Rev. Nutr., Campinas, v. 20, n. 1, p. 83-93, Feb. 2007. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-52732007000100009&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 11 Nov. 2020. https://doi.org/10.1590/S1415-52732007000100009.

FERREIRA, J. S. G. et al. Marketing de alimentos industrializados destinados ao público infantil na perspectiva da rotulagem. Visa em debate sociedade, ciência e tecnologia, Rio de Janeiro, p.75 a 84, 2015. Disponível em: <https://visaemdebate.incqs.fiocruz.br/index.php/visaemdebate/article/view/293/227>. Acesso em 16 de nov. 2019.

GARCIA, M. R.; VIEITES, R.; DAIUTO, E. Avaliação nutricional e conformidade da rotulagem de “petiscos” consumidos por crianças à legislação brasileira. Energia na agricultura, Botucatu, vol. 30, n.1, p.80-86, jan/mar, 2015. Disponível em: <http://revistas.fca.unesp.br/index.php/energia/article/view/504>. Acesso em 16 de nov. 2019.

GARUFE, A. G. O. et al. Avaliação da composição de sódio em “bisnaguinhas industrializadas” por meio da análise de rotulo nutricional. Revista saúde em foco, São Paulo, ed. nº 9, 2017. Disponível em: <http://portal.unisepe.com.br/unifia/wp-content/uploads/sites/10001/2018/06/043_bisnaguinhas.pdf>. Acesso em 16 nov. 2019.

LEITE, A. B.; LENQUISTE, S. A. Rotulagem nutricional de pães integrais: análise de conhecimento dos consumidores. Colloquium Vitae, Presidente Prudente, v.9, p.150 a 157, 2017. Acesso em 16 de nov. 2019.

LIMA, A.; GUERRA, N.B. Rotulagem nutricional de pratos prontos para o consumo: análise da metodologia brasileira. Nutrire: rev. Soc. Bras. Alim. Nutr.= J. Brazilian Soc. Food Nutr., São Paulo, SP, v. 30, p. 1-15, dez. 2005. Disponível em: http://sban.cloudpainel.com.br/files/revistas_publicacoes/103.pdf. Acesso em: 05 out. 2020.

MARRA, N. F.; FERNANDES, R. de C. de S.; ABREU, E. S. Análise de ingredientes descritos em rótulos de produtos alimentícios consumidos pelo público infantil. Saber cientifico, Porto Velho, v.6, n.1, p.1, 12, jan/jun, 2017. Disponível em: <http://revista.saolucas.edu.br/index.php/resc/article/view/569/pdf>. Acesso em 16 nov. 2019.

MARTINS, A. P. B.; ANDRADE, G. C.; BANDONI, D. H. Avaliação do monitoramento do teor de sódio em alimentos: uma análise comparativa com as metas de redução voluntárias no Brasil. Visa em debate sociedade, ciência e tecnologia, São Paulo, p. 56 a 64, 2015. Disponível em: <https://visaemdebate.incqs.fiocruz.br/index.php/visaemdebate/article/view/323/218>. Acesso em 16 de nov. 2019.

MESSIAS, C. M. B. de O.; SOUZA, H. M. dos S.; REIS, I. R. M. S. Consumo de alimentos ultraprocessados e corantes alimentares por adolescentes de uma escola pública. Adolescência & saúde, Petrolina, 2013. Disponível em: < http://www.adolescenciaesaude.com/imprimir.asp?id=614>. Acesso em 16 de nov. 2019.

MIRANDA, L. L. S. et al. Análise da rotulagem nutricional de pães de forma com informação nutricional complementar comercializados no município de Belo Horizonte – MG. HU Revista, Juiz de Fora, v. 43, n. 3, p. 211-217, jul./set. 2017. Disponível em <https://periodicos.ufjf.br/index.php/hurevista/article/view/2814/pdf_1> Acesso em 16 nov. 2019.

MONTEIRO, C. A.; CASTRO, I. R. R. de. Por que é necessário regulamentar a publicidade de alimentos. Cienc. Cult, São Paulo, v. 61, n. 4, p. 56-59, 2009. Disponível em <http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0009-67252009000400020&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 17 nov 2019.

MONTEVERDE, N. L. S. et al. O excesso de sódio presente na alimentação da população brasileira: desafios e estratégias para reduzir o seu consumo. Ling. Acadêmica, Batatais, São Paulo, v. 7, n. 5, p. 67 a 76, jul./dez. 2017. Disponível em: <https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=67240213026 >. Acesso em 16 de nov. 2019.

MOTA, K. A. et al. Avaliação da rotulagem de alimentos industrializados. Revista Eletrônica Acervo Saúde, Montes Claros, v. 10, 2018. Disponível em <https://www.acervosaude.com.br/doc/REAS373.pdf> Acesso em 16 de nov. 2019.

OLIVEIRA, M. M. de et al. Consumo elevado de sal autorreferido em adultos: dados da Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, v. 24, n. 2, p. 249-256, jun. 2015. Disponível: em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2237-96222015000200249&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 16 nov. 2019.

PINTO, A. L. D. et al. Determinação e verificação de como a gordura trans é notificada nos rótulos de alimentos, em especial naqueles expressos “0% de gordura trans”. Braz. J. Food Technol, Campinas, v. 19, e2015043, 2016. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-67232016000100402&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 16 de nov. 2019.

SANTOS, M. C. dos; MOREIRA, T. R.; COUTINHO, V. F. Análise de informações nutricionais em rótulos de biscoitos de polvilho e conformidades dos itens obrigatórios frente à legislação. Uningá, Porto Alegre, v.51, p. 22 a 26, 2017. Disponível em: <http://revista.uninga.br/index.php/uninga/article/view/1368/987>. Acesso em 16 de nov. 2019.

SANTOS, V. F. N. et al. Avaliação bromatológica de barras de cereais e análise da conformidade da rotulagem. Ciências Biológicas e da Saúde, Ponta Grossa, v. 23, n.1, p. 35-44, jan/jun. 2017. Disponível em: <https://www.revistas2.uepg.br/index.php/biologica/article/view/9497/209209210207>. Acesso em 16 de nov. 2019.

SILVA, B. M. da et al. Composição Nutricional de pães com farinha de trigo integral e refinada, comercializados em hipermercados de Salvador, BA. Higiene Alimentar, vol.31, março/abril, 2017. Disponível em: <http://docs.bvsalud.org/biblioref/2017/05/833324/266-267-site-55-60.pdf>. Acesso em 16 de nov. 2019.

SILVA, C. G. da et al. Análise energética e do teor de gorduras de produtos alimentícios ofertados ao público infantil. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento, São Paulo. v. 13. n. 79. p.470-477. Maio./Jun. 2019. Disponível em: <http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/1003> Acesso em 16 de nov. 2019.

SILVA, M. da C.; NASCIMENTO, M. S.; CARVALHO, L. M. F. de. Ingestão de alimentos industrializados por crianças e adolescentes e sua relação com patologias crônicas: uma analise crítica de inquéritos epidemiológicos e alimentares. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento, São Paulo. v. 12. n. 75. jan./Dez. 2018. Disponível em: <http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/823/616>. Acesso em 16 de nov. 2019.

SILVA, M. F.; FRANÇA, P. R. L.; OLIVEIRA, S. N. Análise de rotulagem de macarrão instantâneo sabor carne. Revista brasileira de agrotecnologia, v. 7, n. 2, p. 304 a 308, 2017. Disponível em: <https://www.gvaa.com.br/revista/index.php/REBAGRO/article/view/5200/304-308>. Acesso em 16 de nov. 2019.

SILVA, V. S. de F.; LATINI, J. P. T.; TEIXEIRA, T. M. Análise da rotulagem de alimentos industrializados destinados ao público infantil à luz da proposta de semáforo nutricional. Visa em debate sociedade, ciência e tecnologia, Rio de Janeiro, p. 36 a 44, 14 fev. 2017. Disponível em: <http://www6.ensp.fiocruz.br/visa/files/709-4390-1-PB.pdf>. Acesso em 16 nov. 2019.

SOARES, E. de S.; HOLANDA, A. R. R.; CARVALHO, L. M. F. de. Análise de Rotulagem de Barras de Cereais. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento, ed. 05. ano 02, vol. 01. P. 947 a 955, jul de 2017. Disponível em: <https://www.nucleodoconhecimento.com.br/nutricao/analise-de-rotulagem>. Acesso em 16 de nov. 2019.

SOUSA, J. R. P. et al. Elaboração de massa de pizza com teor de sódio reduzido e enriquecida com farinha de aveia. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável. Pombal, PB. v. 11, n. 2, p. 09-13, 2016. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=7264993. Acesso em: 05 out. 2020. DOI: http://dx.doi.org/10.18378/rvads.v11i2.4520

WAGNER, R. I.; MOLZ, P.; PEREIRA, C. S. Consumo de alimentos processados e ultraprocessados por escolares de Arroio do Tigre, Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de Educação e Saúde, Pombal, v.7, n.3, p.90-94, jul-set, 2017. Disponível em: < http://oaji.net/articles/2017/2628-1523385419.pdf>. Acesso em 16 de nov. 2019.

WANNMACHER, L. Obesidade como fator de risco para morbidade e mortalidade: evidências sobre o manejo com medidas não medicamentosas. OPAS, OMS. v. 1, n.7. Brasília, maio de 2016. ISBN:978-85-7967-108-1. Disponível em: <https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_docman&view=download&alias=1535-obesidade-como-fator-risco-para-morbidade-e-mortalidade-evidencias-sobre-o-manejo-com-medidas-nao-medicamentosas-5&category_slug=serie-uso-racional-medicamentos-284&Itemid=965>. Acesso em 16 de nov. 2019.

Published

2020-12-09

Issue

Section

Artigos originais