A aplicação de multi-isótopos para controle de qualidade: ácido tartárico / The application of multi-isotopes for quality control: tartaric acid

Authors

  • Glaucia Danielle Leirose
  • Marie Florence Grenier Loustalot
  • Arno Heeren de Oliveira

DOI:

https://doi.org/10.34115/basrv4n6-042

Keywords:

ácido tartárico, multi-isótopos, IRMS.

Abstract

Substâncias naturais são a base de diversos tipos de indústrias. Elaborados a partir dessas substâncias, os produtos naturais tiveram um forte crescimento de sua fabricação na última década. Dois fatores podem ser destacados como justificativa: mudança nas leis regulamentarias que exigem comprovação da origem natural de matérias primas e aumento da demanda do consumidor por produtos orgânicos. Todavia, estes produtos apresentam elevados custos de produção e/ou dificuldade de obtenção. Além disso, a indústria química sintética tem inovado em seus processos de produção e expandido o número de compostos com alta similaridade aos naturais. Como resultado, produtos naturais estão expostos a diversos tipos de fraudes, como: origem geográfica, origem natural e adição de substâncias não nobres. A globalização do mercado de alimentos e a relativa facilidade com que alimentos são transportados entre países e continentes geram uma preocupação em órgãos fiscalizadores para garantir a qualidade e segurança dos produtos que chegam aos consumidores. O uso de técnicas analíticas é uma eficaz opção para monitoração. No caso do ácido tartárico as propriedades físico-químicas do produto natural e sintético são praticamente idênticas. A variação da razão de isótopos estáveis permite a investigação da origem deste ácido, já que esses dados fornecem um perfil das amostras. Medições de isótopos de carbono, oxigênio e hidrogênio fornecem informações sobre origem geográfica e método de produção. Este artigo revisa a aplicação de multi-isótopos no emergente campo da forense de alimentos, focando no caso do ácido tartárico.

 

References

S. Kelly et al., “Tracing the geographical origin of food: The application of multi-element and multi-isotope analysis”, Trends in Food Science & Technology, Vol. 16, n. 12, pp. 555-567 (2005).

C. Cordella et al., “Recent Developments in Food Characterization and Adulteration Detection:? Technique-Oriented Perspectives”, Journal of Agricultural and Food Chemistry, Vol. 50, n. 7, pp. 1751-1764, (2002).

OIV. “OIV Wine & Vine Outlook (2010-2011)”, Organisation Internationale de la vigne et du vin, Paris, (2014).

Miranda, V. A. C. “Ácido Tartárico como Molécula de Partida para a Síntese de Moléculas Quirais”, Dissertação, Departamento de Química e Bioquímica da Universidade de Lisboa, Portugal (2012).

G. T. W. Solomons and C. B. Fryhle, “Química Orgânica”, 10ª ed., Rio de Janeiro, Ed. LTC, (2012).

G. T. Blair and J. J. DeFraties, “Hydroxy Dicarboxylic Acids”, Kirk-Othmer Encyclopedia of Chemical Technology, Ed. John Wiley & Sons, Inc., (2000).

Van Nostrand's Scientific Encyclopedia. “Tartaric Acid”, Ed. John Wiley & Sons, Inc., (2005).

Agricultural Marketing Service – United States Department of Agriculture. “Tartaric Acid”, Ed. Agricultural Marketing Service, USA (2011).

Braga, F. G. “Valorização Industrial de Subprodutos Vinícolas - Produção de ácido tartárico e de corantes a partir das borras e dos bagaços”, Tese, Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, Portugal (2002).

Basaran, T. Y. “Ion Exchangers in The Recovery of Tartaric Acid From Aqueous Solutions”, Tese, Graduate Scholl of Natural and Applied Sciences da Middle East Technical University Ankara, Turquia (2006).

J. M. Church and R. Blumberg, “Synthesis of Tartaric Acid - by the hidroxylation of maleic acid”, Industrial and Engineering Chemistry, Vol.. 43, n. 8, pp. 1780-1786, (1951).

Z. Wang et al., “Improvement of the Production Efficiency of l-(+)-Tartaric Acid by Heterogeneous Whole-Cell Bioconversion”, Applied Biochemistry and Biotechnology, Vol. 172, n. 8, pp. 3989-4001 (2014).

J. M. Kassaian. “Tartaric Acid - Ullmann's Encyclopedia of Industrial Chemistry”, Ed. Wiley-VCH Verlag GmbH & Co. KGaA (2000).

Ferreira, A. I. A. J. V. “Espectrometria de Massa de Razões Isotópicas”, Tese, Departamento de Química e Bioquímica da Universidade de Lisboa, Portugal (2008).

W. Meier-Augenstein, “Applied gas chromatography coupled to isotope ratio mass spectrometry”, Journal of Chromatography A, Vol. 842, n. 1–2, pp. 351-371, (1999).

F. Serra et al., “13C and 18O isotopic analysis to determine the origin of L-tartaric acid”, Rapid Communications in Mass Spectrometry, Vol. 19, n. 10, pp. 1227-1230 (2005).

J. M. M. Rojas et al., “Control of oenological products: discrimination between different botanical sources of L-tartaric acid by isotope ratio mass spectrometry”, Rapid Communications in Mass Spectrometry, Vol. 21, n. 15, pp. 2447-2450 (2007).

Published

2020-12-13

Issue

Section

Artigos originais