Um olhar sobre a violência obstétrica / A look at obstetric violence

Authors

  • Bianca Caribé Araújo Brazilian Journals Publicações de Periódicos, São José dos Pinhais, Paraná
  • Elvis Vieira da Silva
  • Melina Cury Vilela
  • Laís Moreira Borges Araujo

DOI:

https://doi.org/10.34115/basrv4n6-058

Keywords:

Humanização da assistência, Saúde da mulher, Violência contra a mulher.

Abstract

INTRODUÇÃO: A violência obstétrica é definida como atos desrespeitosos, assédio moral e físico, negligência e abuso cometidos contra gestantes. Isso causa diversos impactos nas mulheres, tanto no âmbito físico, como no psicológico. Por isso, ressalta-se a importância de uma assistência humanizada como forma de melhorar o tratamento com as mulheres, respeitar seus desejos e cultura, e, assim, diminuir a ocorrências de atos violentos. OBJETIVO: Analisar a produção científica nacional acerca dos temas Violência Obstétrica, Parto Humanizado e Formação dos profissionais de saúde. METODOLOGIA: Revisão de literatura sobre a violência obstétrica. A busca se deu durante o mês de setembro de 2018 por meio do banco de dados da LILACS e da SCIELO. Dos 17 artigos encontrados, 10 foram selecionados de acordo com os critérios de inclusão. DISCUSSÃO: A violência obstétrica tem caráter multifatorial e multidimensional, por isso há diversas formas de apresentação desse fenômeno, como violência institucional do tipo psicológica, estrutural, física, verbal, moral, discriminatória e sexual. Desse modo, entende-se que formação humanizada dos profissionais de saúde constitui importante ferramenta para a diminuição da violência obstétrica, já que a humanização visa garantir uma assistência menos intervencionista e com condutas baseadas em evidência sobre riscos e benefícios das intervenções para a saúde da mulher e do bebê. CONSIDERAÇÕES FINAIS: As implicações decorrentes da violência obstétrica configuram grandes impactos negativos nas dimensões psicossociais e físicas da mulher. Assim, a humanização da assistência a parturientes se torna alternativa imprescindível para que se consiga minimizar os abusos cometidos a elas.

 

References

BARBOSA, Luara de Carvalho; FABBRO, Márcia Regina Cangiani; MACHADO, Geovânia Pereira dos Reis. Violência obstétrica: revisão integrativa de pesquisas qualitativas. Rev.enferm., Bogotá , v. 35, n. 2, p. 190-207, ago. 2017.

CARNEIRO, Rosamaria. “Para chegar ao Bojador, é preciso ir além da dor”: sofrimento no parto e suas potencialidades. Sex., Salud Soc. (Rio J.), Rio de Janeiro , n. 20, p. 91-112, Ago. 2015.

DINIZ, S. G. et al. Abuse and disrespect in childbirth care as a public health issue in Brazil: origins, definitions, impacts on maternal health, and proposals for its prevention. J. Hum. Growth Dev., São Paulo , v. 25, n. 3, p. 377-384, 2015.

MARRERO, Lihsieh; BRUGGEMANN, Odaléa Maria. Violência institucional durante o processo de parturição no Brasil: revisão integrativa. Rev. Bras. Enferm. Brasília, v. 71, n. 3, p. 1152-1161, maio de 2018.

MARTINS, Aline de Carvalho; BARROS, Geiza Martins. Você vai dar à luz na dor? Revisão integrativa da violência obstétrica em unidades públicas brasileiras. Rev. dor , São Paulo, v. 17, n. 3, p. 215-218, setembro de 2016.

OLIVEIRA, Virgínia Junqueira; PENNA, Cláudia Maria de Mattos. O discurso da violência obstétrica na voz das mulheres e dos profissionais de saúde. Texto contexto - enferm. , Florianópolis, v. 26, n. 2, e06500015, 2017.

PEDROSO, Clarissa Niederauer Leote da Silva; LOPEZ, Laura Cecilia. À margem da humanização? Experiências de parto de usuárias de uma maternidade pública de Porto Alegre-RS. Physis, Rio de Janeiro , v. 27, n. 4, p. 1163-1184, Dez. 2017 .

RODRIGUES, D. P. et al. A peregrinação no período reprodutivo: uma violência no campo obstétrico. Esc. Anna Nery, Rio de Janeiro , v. 19, n. 4, p. 614-620, Dez. 2015.

RODRIGUES, F. A. C. et al. Violência obstétrica no processo de parturição em maternidades vinculadas à Rede Cegonha. Reprod. Clim. V. 32, n. 2, p. 78-84, mar. 2017.

SOUZA, A. B. et al. Fatores associados à ocorrência de violência obstétrica institucional: revisão integrativa da literatura. Rev. Ciênc. Méd., Campinas, v. 25, n. 3, p. 115-128, set./dez., 2016.

Published

2020-12-30

Issue

Section

Artigos originais