Comprometimento, liderança e valores como fatores de influência na qualidade de vida em uma empresa de tecnologia da informação / Commitment, leadership and values as factors influencing quality of life in an information technology company

Authors

  • Marcos Vinícius de Souza Toledo
  • Bruno de Souza Toledo
  • Karina Dutra de Carvalho Lemos
  • Mário Teixeira Reis Neto

DOI:

https://doi.org/10.34115/basrv5n3-018

Keywords:

Qualidade de Vida no Trabalho, Comportamentos Organizacionais, Ambiente organizacional, Motivação dos Funcionários.

Abstract

O mundo corporativo tem a consciência da importância da qualidade de vida no trabalho e de criar condições favoráveis para o bem-estar e motivação dos seus funcionários, para isto ele vem utilizando dos comportamentos organizacionais para conseguir alcançar tais finalidades, como: comprometimento, liderança e valores. Este artigo tem por objetivo discutir as proposições teóricas na prática em um ambiente organizacional, à luz da literatura sobre tipos de comportamentos organizacionais e qualidade de vida nas empresas de tecnologia da informação. Para tal, foi utilizada como metodologia a revisão de literatura com as seguintes temáticas: comprometimento, liderança, valores e qualidade de vida nas empresas de TI. E como esses tipos de comportamentos organizacionais influenciam na qualidade de vida dos indivíduos em um ambiente corporativo. Finalmente, são apresentadas cinco práticas que podem melhorar a qualidade de vida no trabalho nas organizações, a saber: 1) as empresas oferecem um bom ambiente organizacional aos seus funcionários; 2) a motivação dos funcionários deve partir da sua chefia imediata; 3) cabe ao líder buscar a criação de ambiente propício na empresa; 4) considera-se um bom líder alguém que motiva e coordena à equipe aplicando de maneira eficaz, sua habilidade individual e grupal e 5) a empresa espera desde o nível operacional até a alta gerência, atitudes e comportamentos das pessoas que trabalham nela. Pode-se chegar a seguinte conclusão, as práticas se bem aplicadas, podem auxiliar as empresas a melhorarem a qualidade de vida no ambiente organizacional.

References

Almeida, M.A.B., & Gutierrez, G.L. (2010). Qualidade de vida: discussões contemporâneas. In: Vilarta, R., Gutierrez, G.L., & Monteiro, M.I. Qualidade de vida: evolução dos conceitos e práticas no século XXI. Campinas: IPES editorial.

Almeida, M.A.B., Gutierrez, G.L., & Marques, R. (2012). Qualidade de vida: definição, conceitos e interfaces com outras áreas de pesquisa. São Paulo: Escola de Artes, Ciências e Humanidades-EACH/USP.

Aquino, A.S, & Fernandes, A.C.P. (2013). [Quality of life and work]. J Health Sci Inst [Internet]. 31(1), 420-438. Recuperado em 25 Abril, 2019, de http://www.unip.br/comunicacao/publicacoes/ics/edicoes/2013/01_janmar/V31_n1_2013_p53a58.pdf.

Arellano, E.B. (2008). Avaliação dos programas de qualidade de vida no trabalho: análise crítica das práticas das organizações premiadas no Brasil. São Paulo. Tese (doutorado) – Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo.

Bastos, A. V. B. (2015). Comprometimento Organizacional. In: Bastos, A. V. B. Medidas do comportamento organizacional: ferramentas de diagnóstico e de gestão. Porto Alegre: Artmed, pp. 49-95.

Bastos, A. V. B., & Maia, L. G. (2011). Comprometimento calculativo e retaliação: visão integrada dos conceitos em uma organização pública. Rev. Adm. UFSM, Santa Maria, 4(3), 390-405.

Borlido, F. C. (2011). Valores organizacionais e do trabalho na percepção de jovens recém-inseridos no mercado de trabalho: o caso dos alunos do Espro. Dissertação (Mestrado em Administração) – Faculdade Novos Horizontes, Belo Horizonte.

Chiavenato, I. (2010). Comportamento Organizacional: A Dinâmica do Sucesso das Organizações (2a ed.). Rio de Janeiro: Elsevier.

Dekas, K. H. (2013). Organizational Citizenship Behavior, version 2.0: a review and qualitative investigation of OCBs for knowledge workers at Google and beyond. The Academy of Management Perspectives, 27 (3), 219-237.

Dubrin, A. J. (2015). Leadership: Research findings, practice, and skills. Nelson Education.

Fernandes, E. C. (2006). Qualidade de vida no trabalho: como medir para melhorar. Salvador: Casa da Qualidade.

França, A. C. L. (2016). Indicadores empresariais de qualidade de vida no trabalho: um estudo comparativo entre satisfação dos empregados e esforço empresarial nas empresas com certificação ISO 9000. São Paulo, Tese (Doutorado) – Faculdade de Economia e Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo.

Gehman, J., Treviño, L. K., & Garud, R. (2013). Values work: a process study of the emergence and performance of organizational values practices. Academy of Management Journal, 56 (1), 84-112.

Gramkow, F. B. (2016). Liderança complexa em uma equipe de desenvolvimento de software. Tese (Doutorado em Engenharia e Gestão do Conhecimento) – Programa de Pós Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Heifetz, R. A. (1994). Leadership without easy answers. London, England: Belknap-Harvard. Cap.3, The roots of authority.

Kilimnik, Z. M. et al. (2013). Análise do estresse, fatores de pressão do trabalho e comprometimento com a carreira: Um estudo com médicos de uma unidade de pronto atendimento de Belo Horizonte, Minas Gerais. Salvador: Revista Gestão & Planejamento-G&P, 12(3), 668-693.

Liang, Y. W. (2012). The relationships among work values, burnout, and organizational citizenship behaviors. International Journal of Contemporary Hospitality Management, 24 (2), 251-268.

Melo, E. A. M. Liderança gerencial. (2014). In: Siqueira, M. M. M. (org.). Novas Medidas do Comportamento Organizacional. Porto Alegre: Artmed, pp. 132-146.

Menezes, Igor G. (2019). Comprometimento organizacional: construindo um conceito que integre atitudes e intenções comportamentais. Tese (doutorado) – Universidade Federal da Bahia, Salvador.

Meyer, J.P., & Allen, N.J. (1991). A three-component conceptualization of organizational commitment. Human Resource Management Review, Greenwich, 1(1), 61-89.

Mourão, L. et al. (2003). Valores, suporte psicossocial e impacto do treinamento no trabalho. In: ENCONTRO DA ANPAD, 33. Atibaia. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD.

Nicholson, N. (2013). The invention of leadership. Business Strategy Review, 24(2), 14-29.

Northouse, P. G. (2013). Leadership: theory and practice. (6th. ed.). Thousand Oaks, CA: Sage Publications.

Oliveira, A., & Tamayo, A. (2014). Inventário de perfis de valores organizacionais. Revista de Administração, 39 (2), 129-140.

OMS. (2008). Promoción de la salud. Glossario. Genebra: OMS.

Padilha, V. (2014). [Quality of work life in a setting of precarious-ness: a delusional panacea]. Trab Educ Saúde [Internet]. 7(3), 549-563. Recuperado em 23 Abril, 2019, de http://www.scielo.br/pdf/tes/v7n3/09.pdf.

Paiva, K. C. M. (2013). Valores organizacionais e do trabalho: um estudo com jovens trabalhadores brasileiros. Tourism & Management Studies, 9 (2), 100-106.

Paz, M. G. T., Neiva, E. R., & Dessen, M. C. (2012). Bem-estar e felicidade nas organizações: Um só fenômeno? In: Ferreira, M. C. & Mendonça, H. (Orgs.). Saúde e bem-estar no trabalho: Dimensões individuais e culturais (pp. 105-130). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Podsakoff, N. (2014). Consequences of unit-level organizational citizenship behaviors: a review and recommendations for future research. Journal of Organizational Behavior, 35 (1), 87-119.

Porto, J. B. (2012). Análise fatorial confirmatória da escala de valores relativos ao trabalho. In: ENCONTRO DA ANPAD, 30. Salvador. Anais... Salvador: ANPAD.

Rocha, E.S., & Honório, L.C. (2015). Comprometimento com o trabalho: O caso dos chefes de seções de infraestrutura da UFMG. Revista Ciências Administrativas, 21(1), 237-261.

Rocha, M.S., & Paiva, K.C.M. (2016). Relações fronteiriças entre as dimensões do comprometimento organizacional: contribuições de um estudo com jovens trabalhadores. In: Anais... EnANPAD, Costa do Sauípe.

Ros, M. (2016). Psicologia social dos valores: uma perspectiva histórica. In: Ros, M.; Gouveia, V. V. (Org.). Psicologia social dos valores humanos. São Paulo: Senac, pp. 23-53.

Silva, L.P., Castro, M.A.R., Dos-Santos, M.G. & Neto, P.J.L. (2018). Comprometimento no trabalho e sua relação com a cultura organizacional mediada pela satisfação. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 20(3), 401-420.

Silva, R.S., Capelloza, A., & Costa, L.V. (2014). O impacto do suporte organizacional e do comprometimento afetivo sobre a rotatividade. Revista de Administração IMED, 4(3), 314-329.

Silva, C. A., & Ferreira, M. C. (2013). Dimensões e indicadores de qualidade de vida no trabalho. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 29 (3), 331-339.

Siqueira, M. M. M. (2015). Bem-estar no trabalho e percepção de sucesso na carreira como antecedentes de intenção de rotatividade. Revista de Administração Mackenzie, São Paulo, 16 (6), 71-93.

Schwartz, S. H. (2005). Valores humanos básicos: seu contexto e estrutura intercultural. In: TAMAYO, A.; PORTO, J. B. (Org.). Valores e comportamento nas organizações. Petrópolis, RJ: Vozes, pp. 21-55.

Tamayo, A. (2006). Valores organizacionais. In: Tamayo, A., Borges-Andrade, J. & Codo, W. (Eds.). Trabalho, organizações e cultura, 175-193. São Paulo: Cooperativa de Autores Associados.

Teixeira, J. C., Nascimento, M. C. R., & Antonialli, L. M. (2013). Perfil de estudos em administração que utilizaram triangulação metodológica: uma análise dos anais do EnANPAD de 2007 a 2011. Revista de Administração, 48 (4), 800-812.

Tillmann, C., & Grzybovski, D. (2005). Sucessão de dirigentes na empresa familiar: estratégias observadas na família empresária. Organizações & Sociedade, 12 (32), 45-61.

Torres, C. V. (2005). Liderança e valores culturais: dois conceitos inter-relacionados? Em: Tamayo, A.; Porto, J. B. Valores e comportamentos nas organizações, pp. 187-200.

Published

2021-06-15

Issue

Section

Artigos originais