Corra, homem negro! – uma análise discursiva de identidade, gênero e raça no filme GET OUT/ Run, black man! - a discursive analysis of identity, gender and race in GET OUT movie

Authors

  • Andy Monroy Osorio
  • Marco Antonio Lima do Bonfim

DOI:

https://doi.org/10.34115/basrv3n6-007

Keywords:

Masculinidade negra, Cinema, Estereótipos raciais.

Abstract

O presente estudo visa compreender como a análise discursiva sobre representações de masculinidades negras no cinema pode contribuir para uma educação antirracista. através do filme Corra! (2017). Para tanto, utilizamos como aparato teórico e metodológico o modelo tridimensional de Análise de Discurso para apontar possíveis pontos de diálogos que contribuam para reflexão sobre estereótipos racistas. A pesquisa busca lançar um olhar crítico para a reprodução da imagem estigmatizada do homem negro no cinema, indicar possíveis apropriações pedagógicas do filme a fim de contribuir com a mudança no imaginário social construído sobre o homem negro. Especificamente, focalizamos a reprodução discursiva de estereótipos raciais acerca dos homens negros provenientes de um pensamento colonial. Os principais estudos indicam que a masculinidade hegemônica é branca, heterossexual e burguesa, porém, o privilégio social pela condição de gênero não é compartilhado por todos os homens de maneira análoga, visto que o quesito classe, etnia, religião ou orientação sexual, reconfigura o status e poder social. Os resultados preliminares apontam através da análise da obra que o cinema pode se constituir como um importante material didático para mediar reflexões sobre as ideias circulantes da masculinidade negra e romper com a visão (hegemônica) historicamente  sustentada pelos grupos dominantes. Buscamos, por meio desse trabalho, dar visibilidade às produções que envolvem o tema da masculinidade negra, escassas no ambiente acadêmico, bem como fomentar discussões e reflexões acerca dos desdobramentos pluriangulares que o tema proposto inscreve no contexto cinematográfico contemporâneo.

References

ALMEIDA, Silvio Luiz de. O que é racismo estrutural? Belo Horizonte(MG): Letramento, 2018.

BONFIM, Marco Antonio Lima do. Língua e identidade: O lugar do corpo nas práticas identitárias raciais. In Linguagem em Foco (recurso eletrônico). ALENCAR, Claudiana Nogueira de; MELO, Glenda Cristina Valim de, (org). Revista do Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada da UECE / V. 8, n.2, 2016, Fortaleza, Ce. – EdUECE, 2016.

ARAÚJO, Joel Zito. A Negação do Brasil: o negro na telenovela brasileira. São Paulo: SENAC, 2000.

________, Joel Zito. A força de um desejo: a persistência da branquitude como padrão estético audiovisual. Revista USP, São Paulo, nº 69, p.72-79, 2006.

BARBOSA, Luciene Cecília. Racismo e Branquitude: representações na telenovela “Da Cor do Pecado”. In: XXVII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Porto Alegre, 2004.

BASTIDE, Roger. O negro na imprensa e na literatura. São Paulo: ECA-USP, 1972.

BHABHA, H.K. O local da Cultura. Belo horizonte: Editora UFMG, 1998.

BORGES, Roberto Carlos da Silva; BORGES, Rosane (orgs.). Mídia e racismo. Petrópolis, RJ : DP et Alii ; Brasília, DF : ABPN, 2012.

CONNELL, Raewyn Robert. Masculinities. Berkeley, CA: University of California Press. 1995.

DIJK, Teun A. van. Discurso e poder. São Paulo: Contexto, 2010.

ELIAS, Norbert; SCOTSON, John L. Os Estabelecidos e os outsiders: sociologia das relações de poder a partir de uma pequena comunidade. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2000.

FAIRCLOUGH, N. Discurso e mudança social. Brasília: Editora Universidade de Brasília,

FAUSTINO, Deivison. O pênis Sem o Falo: algumas reflexões sobre homens negros, masculinidades e racismo. Feminismos e masculinidades: novos caminhos para enfrentar a violência contra a mulher / organização Eva Alterman Blay. – 1. ed. – São Paulo: Cultura Acadêmica, 2014.

HALL, Stuart. A identidade cultural e a pós-modernidade. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva & Guacira Lopes louro. Rio de Janeiro: Lamparina, 2015.

______, Stuart. Dá diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2009.

HASENBALG, Carlos A. As imagens do negro na publicidade. In: _______; SILVA, Nelson Valle. Estrutura Social, Mobilidade e Raça. São Paulo: Vértice, 1988.

LAGNY, M. Cine e história: Problemas y métodos en la investigación cinematográfica. Barcelona: Bosch Casa Editorial, 1997.

KIMMEL, Michael. A Produção Simultânea de Masculinidades Hegemônicas e Subalternas. In: Horizontes Antropológicos. Porto Alegre, nº 9, 1998.

MILLS, W. Charles. The Racial Contract. Cornell University Press, 1997.

PEREIRA, Mendes Amauri. (Org). O Poder Negro. 2 ed. Belo Horizonte: Nandyala, 2018.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. Retrato em Branco e Negro: jornais, escravos e cidadania em São Paulo no final do século XIX. São Paulo: Cia das Letras, 2001.

SHOHAT, Ella e STAM, Robert. Crítica da imagem eurocêntrica. São Paulo: Cosac Naify, 2006.

SILVA, T. T. Identidade e diferença: a perspectiva dos Estudos culturais. Petrópolis-RJ: Editora Vozes; 2000.

SODRÉ, Muniz. Reinventando a Educação: Diversidade, Descolonização e Redes. 2ª ed. Petrópolis (RJ): Vozes, 2012.

______, Muniz. Claros e Escuros: Identidade, povo e mídia no Brasil. Petrópolis: Vozes, 2000.

PINHO, Osmundo. Qual é a identidade do homem negro? Revista Democracia Viva, n.22, 2004.

Published

2019-11-07

Issue

Section

Artigos originais