Distribuição das áreas naturais protegidas municipais em Minas Gerais / Distribution of municipal protected natural areas in Minas Gerais

Authors

  • Geraldo Majela Moraes Salvio
  • Jaime Luciano
  • Rodrigo Carlos Luciano

DOI:

https://doi.org/10.34115/basr.v2i3.489

Keywords:

Conservação. Parque Nacional. Área de Proteção Ambiental.

Abstract

Áreas Naturais Protegidas (ANP) são importantes no mundo moderno, embora, ainda sejam criadas sem critérios bem definidos, sobretudo em esferas municipais. Além disso, não há informações consistentes sobre a existência e nem sobre os fatores que influenciam na criação e na distribuição dessas.O presente trabalho teve por objetivo identificar as Áreas Naturais Protegidas de Minas Gerais, partindo dos municípios e comparando suas doze mesorregiões.Para atingir tais objetivos, foram pesquisados bancos de dados, sites governamentais, realizados contatos com gestores e enviados questionários aos 853 municípios mineiros. Identificou-se 265 ANP municipais, sendo 84 de Proteção Integral, 181 de Uso Sustentável, protegendo aproximadamente 3,7% do território do estado, sendo que 16.281,89 hectares são de Proteção Integral e 2.175.699,45 de Uso Sustentável, o que representa respectivamente 0,03% e 3,71% do território mineiro. Além disso, os dados mostraram uma maior concentração dessas em regiões que utilizam pouco seus recursos naturais como sua base econômica principal e em municípios de maior PIB. Os resultados também mostraram que o ICMS Ecológico não contribuiu para melhorar a proteção integral no estado e que atualmente não representa um incentivo à criação de UC em Minas Gerais, nem mesmo Áreas de Proteção Ambiental. O trabalho registrou um alto grau de vulnerabilidade do sistema de proteção do estado fundamentado em Unidades de Conservação pouco restritivas.

References

BIODIVERSITAS. Biodiversidade em Minas Gerais: um atlas para a sua conservação. Belo Horizonte: Fundação Biodiversitas, 2005. 222p.

BORGES, A. C. J.; ALMEIDA, E. M. de; SOUZA, K. A. de. O Cadastro Nacional de Unidades de Conservação e a Compensação Ambiental Federal. In: Congresso Brasileiro de Unidade de Conservação, 8., 2015, Curitiba. Anais... Curitiba: Fundação Grupo Boticário, 2015. Disponível em: <http://eventos.fundacaogrupoboticario.org.br/CBUC/TrabalhosTecnicos>. Acesso em: 5 jan. 2016.

BRASIL. Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000. Institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza (SNUC) e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 19 jul. 2000. Seção 1, p. 45-48.

CAMARGOS, R. M. F.; LANNA, M. T. Cadastro das áreas naturais protegidas em Minas Gerais. Geonomos, Belo Horizonte, v. 4 n. 2, p. 55-67, 1996.

CARNEIRO, A. de F.; CHINCOVIAKI, A. P.; VIDIGAL FILHO, A. L. ICMS ecológico nas finanças dos municípios de Rondônia. BrazilianApplied Science Review. Curitba, v.2, n.2, p.458 – 477, 2018.

CHAPE, S.; SPALDING, M.; JENKINS, M. The world’sprotectedareas: status, valuesand prospects in the 21st century. Berkeley: UniversityofCalifornia Press, 2008. 388p.

CIRINO, J. F.; GONZALES, A. M. G. O. A heterogeneidade do desenvolvimento econômico do estado de Minas Gerais. Revista de Ciências Humanas, Curitiba, v. 11, n. 1, p. 9-23, 2011.

CLARE, V. N.; GONÇALVES, I. I.; MEDEIROS, R. Ocorrência e distribuição de unidades de conservação municipais no Estado do Rio de Janeiro. Floresta e Ambiente, Seropédica, v. 16, n. 1, p. 11-22, 2009.

FERNANDES, L. L. et al. Compensação e incentivo à proteção ambiental: o caso do ICMS Ecológico em Minas Gerais. Revista de Economia e Sociologia Rural, Piracicaba, v. 49, n. 3, p. 521-544, 2011.

HUMBLER, C.; CANNEY, S. M. Conservation. Cambridge: Cambridge University Press, 2013. 444 p.

INSTITUTO DE GEOCIÊNCIA APLICADA. Mapa das mesorregiões de Minas Gerais. Disponível em: . Acesso em: 5 fev. 2014.

MINAS GERAIS. Lei nº 12.040, de 28 de dezembro de 1995. Dispõe sobre a distribuição da parcela de receita do produto da arrecadação do ICMS pertencente aos Municípios, de que trata o inciso II do parágrafo único do artigo 158 da Constituição Federal, e dá outras providências. Diário do Executivo, Belo Horizonte, 29 dez. 1995, p. 1-2.

OLIVEIRA, V. S. et al. Diagnóstico e análise da gestão das áreas de proteção ambiental em Minas Gerais. In: LIMA, G. S. et al. (Org.). Gestão, pesquisa e conservação em áreas protegidas. Viçosa, MG: UFV, 2012. p. 101-117.

PÁDUA, M. T. Área de proteção ambiental. In: BENJAMIN, A. H. (coord.). Direito ambiental das áreas protegidas. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2001, p. 425-433.

QUEIROZ, B. L.; BRAGA, T. M. Hierarquia urbana em um contexto de desconcentração econômica e fragmentação do território: questionamentos a partir do caso da rede de cidades mineiras 2013.

ROLLA, S. R.; OLIVEIRA. Unidades de conservação em Minas Gerais e contribuição do cenário atual para as metas de conservação da biodiversidade. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO, 7. 2012, Natal. Anais... Natal, 2012. 1 CD-ROM

SALVIO, G. M. M.; CRUZ, J. S.; OLIVEIRA, L. K. F. de. Levantamento das unidades de conservação e outras áreas naturais protegidas nas microrregiões do campo das vertentes e zona da mata mineira. In: Simpósio Nacional de Áreas Protegidas, 2., 2012, Viçosa, MG. Anais... Viçosa: UFV, 2012, p. 241-246.

SALVIO, G.M.M. Áreas Naturais Protegidas e Indicadores Socioeconômicos: O desafio da conservação da natureza. Jundiaí, Paco Editorial, 2017.

SANTOS, N. B. dos; VILHENA, C. F. de. Repensar é preciso: a experiência do grupo de trabalho sobre criação, implantação e gestão das Unidades de Conservação estaduais de Minas Gerais. In: Congresso Brasileiro de Unidade de Conservação, 8., 2015, Curitiba. Anais... Curitiba: Fundação Grupo Boticário, 2015. Disponível em: <http://eventos.fundacaogrupoboticario.org. br/CBUC/TrabalhosTecnicos>. Acesso em: 5 jan. 2016.

SCOLFORO, J. R. S.; OLIVEIRA, A. D.; CARVALHO, L. M. T. Zoneamento ecológico-econômico do estado de Minas Gerais: componente socioeconômico. Lavras: UFLA, 2008. 195p.

SOS MATA ATLÂNTICA. Unidades de Conservação Municipais da Mata Atlântica. São Paulo. Fundação SOS Mata Atlântica. 2017. 104p.

VERGARA, S. C. Métodos de coleta de dados no campo. São Paulo: Atlas, 2009. 98 p.

Published

2018-09-20

Issue

Section

Artigos originais