Flipped classroom: aprendizagem para além da sala de aula na cibercultura com o Edmodo / Flipped classroom: learning beyond the classroom in cyberculture with Edmodo

Authors

  • Sandro Jorge Tavares Ribeiro
  • Marcelo Paraíso Alves

DOI:

https://doi.org/10.34115/basr.v2i4.493

Keywords:

Educação Ambiental, Cibercultura, Sala de aula invertida, Edmodo, Teoria Ator-Rede.

Abstract

O presente estudo configurou-se a partir de uma perspectiva investigativa da cibercultura e que está enredada por dois campos do saber: Ensino e Meio Ambiente. Ensino porque procurou descrever como se deram os entrelaçamentos em rede entre professor e estudantes (atores humanos) e os recursos digitais tecnológicos, artigos e leis (atores não-humanos) para uma tecitura de conhecimentos. E, Meio Ambiente porque teve como objetivo descrever a tecitura de conhecimentos sobre o tema Educação Ambiental em um curso de Bacharelado em Educação Física. Como escopo teórico e metodológico o estudo se aproximou da Teoria Ator-Rede, de cunho qualitativo e com abordagem descritiva. A pesquisa possui como centralidade as controvérsias advindas da mobilidade entre os humanos e não-humanos em uma rede de produção de saberes cujo tema emerge da Educação Ambiental. O estudo desenvolveu-se com um grupo de 65 estudantes de Bacharelado em Educação Física, mais especificamente na disciplina de Tópicos Especiais - Esportes de Aventura de um Centro Universitário localizado na cidade de Volta Redonda, região Sul do estado do Rio de Janeiro. Para a produção dos dados utilizamos o caderno de campo e as narrativas do professor e dos estudantes no ambiente digital de aprendizagem Edmodo. Concluímos que a tecitura de conhecimentos sob o tema Educação Ambiental no contexto dessa pesquisa e da cibercultura se deu de maneira não linear, rizomática e por meio de associações advindas dos movimentos dos actantes na rede sociotécnica. Além disso, o processo aprendizagem ensino não se limitou ao trabalho de dentro da sala de aula. Foi além ao transformar a prática docente no ambiente presencial e digital, organizando ações que possibilitaram a continuidade do aprendizado independentemente de um lugar onde o mesmo deveria ocorrer.

References

ALVES, José Ferreira; GONÇALVES, Óscar F. Educação narrativa de professores. 2001.

ALVES, Nilda. Imagens das escolas: sobre redes de conhecimentos e currículos escolares. Educar, Curitiba, n. 17, Editora da UFPR, 2001.

BACHUR, João Paulo. Assimetrias da antropologia simétrica de Bruno Latour. Rev. bras. Ci. Soc., 2016, vol.31, no.92. ISSN 0102-6909

BRASIL. Lei nº 9.795, de 28 de abril de 1999. Estabelece a Política Nacional de Educação Ambiental. Diário Oficial da União, Brasília, DF. Seção 1, p.1.

BRAGA BRANQUINHO, Fátima Teresa; DA SILVA SANTOS, Jacqueline. Antropologia da ciência, educação ambiental e Agenda 21 local. Educação & Realidade, v. 32, n. 1, 2007.

BRUNER, Jerome S. Realidade mental, mundos possíveis. Porto Alegre: Artmed, 2002.

CIBORRA, Claudio. Deprofundis? Deconstructing the concept of strategical ignment. Scandinavian Journal of Information Systems, Aalborg, v. 9, n. 1, p. 67-82, 1997.

GERALDI, Corinta Maria Grisolia. Desafios da pesquisa no cotidiano da/na escola. Cotidiano e diferentes saberes. Rio de Janeiro: DP&A, p. 181-222, 2006.

______. Novelas de formação expressas em metáforas autobiográficas de escolaridade-atravessando margens, tempos e saberes. Trabalho apresentado no Painel: Aventuras de formação com fragmentos autobiográficos deslocando partituras e incluindo saberes, sujeitos, tempos e linguagens. XENDIPE, mai-jun/2000. Publicação em CDRoom.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC-Livros Técnicos e Científicos Editora, 1989.

GINZBURG, Carlo. Sinais: raízes de um paradigma indiciário. Mitos, emblemas, sinais, p. 143-179, 1989.

GUIMARÃES, Mauro. Armadilha paradigmática na educação ambiental.

In LOUREIRO, C.F.B.; LAYRARGUES, P.P.; CASTRO, R.S.de (orgs.). Pensamento complexo, dialética e educação ambiental. São Paulo: Cortez, 2006.

LACERDA, Fátima Kzam; BRANQUINHO, Fátima Teresa Braga. EaD e as Concepções de Meio Ambiente e Saúde: Contribuições do Conceito de Rede Sociotécnica. EaD em FOCO, v. 1, n. 1, 2010.

LATOUR, Bruno. Ciência em Ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. São Paulo: UNESP, 2000.

______. Redes que a razão desconhece: laboratórios, bibliotecas, coleções. In: Marc Baratin; Christian Jacob, (orgs.). O poder das bibliotecas: a memória dos livros no Ocidente. Rio de Janeiro: UFRJ. p. 21-44, 2000.

______. Jamais fomos modernos. Editora 34, 1994.

______. Reagregando o social: uma introdução à teoria do ator-rede. Salvador: Edufba, 2012.

______. A esperança de Pandora: ensaios sobre a realidade dos estudos científicos. Bauru, SP: EDUSC, 2001.

______. Políticas da natureza: como fazer ciência na democracia. Edusc, 2004.

LAYRARGUES, Philippe Pomier. Do ecodesenvolvimento ao desenvolvimento sustentável: evolução de um conceito. Revista Proposta, v. 25, n. 71, p. 5-10, 1997.

LAW, John. Traduction/Trahison: Notes on ANT.Publishedbythe Centre for ScienceStudies, Lancaster University, Lancaster LA1 4YN. (2005). Disponível em - http://www.lancaster.ac.uk/fass/resources/sociology-online-papers/papers/law- traduction-trahison.pdf - Acesso em: 07, nov. 2017.

LAW, John; SINGLETON, Vicky. Object Lessons. Organization v. 12, n. 3, 2010, p. 331– 355.

LEMOS, André. Cibercultura y movilidad: una era de conexión. Razón y Palabra, v. 22, n. 1_100, p. 107-133, 2018.

______. Space, locative media and actor-network theory. Galáxia (São Paulo), v. 13, n. 25, p. 52-68, 2013.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 2010.

LIMA, Maria Emília Caixeta de Castro; GERALDI, Corinta Maria Grisolia; GERALDI, João Wanderley. O trabalho com narrativas na investigação em educação. Educação em Revista, Belo Horizonte, v. 31, n. 1, p. 17-44, 2015.

MARCOMIN, Fatima Elizabeti; SILVA, Alberto Dias. A Sustentabilidade No Ensino Superior Brasileiro: alguns elementos a partir da prática de educação ambiental na Universidade. Revista Contrapontos, v. 9, n. 2, p. 104-117, 2009.

MORALES, Angélica Góis Müller. O processo de formação em educação ambiental no ensino superior: trajetória dos cursos de especialização. REMEA-Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, v. 18, 2007.

MOSCOVICI, Serge. Ideias e seu desenvolvimento–um diálogo entre Serge Moscovici e Ivana Marková. Representações sociais: investigações em psicologia social, p. 305-387, 2003.

NÓVOA, Antônio. (org.). Profissão professor. Porto, Portugal: Ed. Ltda, 1991.

______. (org.). Vidas de Professores. Porto, Portugal: Porto Editora,1992.

REIGOTA, Marcos Antônio. O meio ambiente e suas representações no ensino em São Paulo, Brasil. Uniambiente, Brasília, v. 2, n. 1, p. 27-30, 1991.

______. A educação ambiental frente aos desafios contemporâneos. In: II Congresso Mundial de Educação Ambiental, Rio de Janeiro/RJ. 2004.

SANTAELLA, Lucia; CARDOSO, Tarcísio. O desconcertante conceito de mediação técnica em Bruno Latour. Matrizes, v. 9, n. 1, p. 167-185, 2015.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências. Revista crítica de ciências sociais, n. 63, p. 237-280, 2002.

SANTOS, Edméa; Educação online: cibercultura e pesquisa formação na prática docente. 2005. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2005.

SAUVÉ, Lucie. Uma cartografia das correntes em educação ambiental. Educação Ambiental: pesquisa e desafios, 2005.

Published

2018-09-21

Issue

Section

Artigos originais