Incidência de patologias e dureza superficial do concreto: um estudo de caso nos pilares da biblioteca central da universidade federal do Maranhão/ Impact of pathologies and concrete surface hardness: a case study on the pillars of the central library of the federal university of Maranhão

Authors

  • Deborah Fabricia Lopes Santos Brazilian Journals Publicações de Periódicos, São
  • Rafaella Santos Mendes
  • Maria Luiza Lopes de Oliveira Santos

DOI:

https://doi.org/10.34115/basrv3n6-021

Keywords:

Concreto armado. Pilares. Patologias. Esclerometria.

Abstract

As estruturas de concreto armado ao entrarem em contato com o ambiente natural ao qual estão expostas estão sujeitas a sofrerem alterações, mesmo que se trate de um processo natural, há fatores que estão ligados diretamente na degradação do concreto, como a utilização, o tipo e a qualidade do material e modo de execução, além da falta de manutenção periódica. Mesmo com as inovações tecnológicas voltadas para construção civil, é recorrente o aparecimento de patologias em edificações que sejam relativamente novas que prejudicam a estabilidade, desempenho e durabilidade das estruturas, além de consumir recursos financeiros que poderiam ser poupados ou utilizados para outros fins como manutenção preventiva. Com isso e baseado no tempo em que a obra da biblioteca central da UFMA está interrompida, houve a motivação do desenvolvimento desse estudo para verificar a resistência superficial do concreto dos pilares da edificação e apurar as patologias presentes objetivando averiguar suas possíveis causas e diagnosticá-las por meio de uma ordem de priorização, através do Método GUT. Por meio de uma vistoria e inspeção visual e a realização do ensaio de esclerometria nos pilares da biblioteca, este trabalho verificou que 75% dos pilares ensaiados estão de acordo com o a resistência superficial esperada. E quanto às manifestações patológicas, 34% correspondem a manchas de umidade e 22% a corrosão da armadura. Além disso, observou-se por meio da utilização do Método GUT que os casos correspondentes a corrosão das armaduras, obtiveram maior grau de priorização quanto a sua resolução.

References

ABNT: ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 7584: Concreto endurecido – Avaliação da dureza superficial pelo esclerômetro de reflexão – Método de ensaio. Rio de Janeiro, 2012.

ABNT_______. NBR 15575: Edificações habitacionais — Desempenho. Rio de Janeiro, 2013.

ANDRADE, C. Manual para diagnóstico de obras deterioradas por corrosão de armaduras. São Paulo: PINI, 1992. 104p.

ANGELO, Ana Margarida Vieira. Análise das patologias das Estruturas em Concreto Armado do Estádio Magalhães Pinto – Mineirão. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Estruturas da Escola de Engenharia da Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte, 2004.

BRITO, Thaís Farias De. Análise de Manifestações Patológicas na Construção Civil pelo Método GUT: estudo de caso em uma instituição pública de ensino superior. João Pessoa, 2017.

CBIC - Câmara Brasileira da Indústria da Construção. Desempenho de edificações habitacionais: Guia orientativo para atendimento à norma ABNT NBR 15575/2013. 2ª ed. Brasília, Gadioli Cipolla Comunicação, 2013.

EVANGELISTA, A. C. J. Avaliação da resistência do concreto usando diferentes ensaios não destrutivos. 2002, 219-f. Tese (Doutorado em Engenharia Civil).Programa de Pós-graduação em Engenharia Civil, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2002.

GAKLIK, É.S. Jardim histórico do Palacete Dr. Astrogildo de Azevedo: mapeamento de manifestações patológicas e métodos de limpeza. 2012. 185f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) - Universidade Federal de Santa Maria, 2012.

GRANATO, J. E. Apostila: Patologia das construções. São Paulo, 2002.

HELENE, P. R. L. Manual para reparo, reforço e proteção de estruturas de concreto. São Paulo, Pini, 1992.

HELENE, P. Introdução da vida útil no projeto das estruturas de concreto NB/2001. Workshop sobre durabilidade das construções. São José dos Campos. Novembro, 2001.

ISAIA, G.C. CONCRETO: Ensino, Pesquisa e Realizações. Ed. Geraldo Cechella Isaia- São Paulo, Instituto Brasileiro do Concreto – IBRACON, v.1, 2005. P. 45 a 74.

MARCELLI, M. Sinistros na construção civil. São Paulo: Editora PINI, 2007. 260 p. ISBN 978-85-7266-178-2.

PIANCASTELLI, Élvio Mosci. Patologias do concreto: Das manifestações às causas, as patologias do concreto exigem análise cuidadosa antes da escolha do tratamento ideal. Minas Gerais, 2016. Disponível em: <https://www.aecweb.com.br/cont/m/rev/patologias-do-concreto_6160_10_0>. Acesso em: 14/07/2019.

SANTOS, A. G. F. S. et al. Levantamento das manifestações patológicas de uma ponte de concreto armado junto as suas possíveis técnicas de recuperação. CONPAR2017 – Conferência Nacional de Patologia e Recuperação das Estruturas. Recife, 2017.

SHELMAN, Carolinne et al. A Importância dos Ensaios Não Destrutivos para Diagnóstico de Corrosão nas Estruturas de Concreto Armado. CONPAR2017- Recife, agosto, 2017.

Published

2019-11-28

Issue

Section

Artigos originais