Contagem de borda e regra Dowdall: metodologia justa para a priorização de temas educacionais a serem ofertados para profissionais da atenção primária em saúde / Borda count and Dowdall rule: a fair methodology for prioritizing educational topics to be offered to primary health care professionals

Authors

  • Oberdan Ferreira Coutinho Lira
  • Maria Conceição da Encarnação Villa
  • Cor Jesus Fernandes Fontes

DOI:

https://doi.org/10.34115/basrv6n4-001

Keywords:

atenção primária à saúde, eleição por ordem de mérito, contagem de borda, Regra Dowdall, temas educacionais em saúde.

Abstract

Considerando a diversidade dos problemas de saúde existentes num dado território, a eleição e priorização de temas educacionais para a capacitação de profissionais de saúde constitui um desafio para os gestores de saúde. Espera-se que o método utilizado para esse fim deve buscar atender a diversidade e a escolha consensual da clientela. O presente estudo propõe a aplicação de uma nova metodologia para a priorização de temas educacionais a serem ofertados pelo Telessaúde Mato Grosso (Telessaúde-MT) aos profissionais vinculados à atenção primária em saúde (APS) de todo o estado. Para tanto, foi utilizada a chamada contagem de Borda e a regra Dowdall, baseadas em uma alternativa matemática de ponderação das escolhas, amplamente aceitável ou consensual, em vez de outra, preferida por uma maioria dos clientes, mas que não representa o consenso dos participantes. Todos os 14.054 profissionais de saúde das 977 Unidades Básicas de Saúde de Mato Grosso, identificadas no Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde, foram elegíveis para o estudo. Um formulário estruturado foi enviado a cada profissional, contendo questões sobre dados demográficos, ocupacionais e sobre temas relacionados às condições sensíveis à APS (CSAPS), os quais consideram relevantes para o programa de Tele-educação do Telessaúde-MT. Respostas válidas foram obtidas de 1221 (8,7%) profissionais que atenderam ao critério de estarem envolvidos na APS. Houve predominância do gênero feminino e de profissionais com mais de cinco anos de atuação na APS. A análise aqui apresentada restringe aos questionários respondidos pelos profissionais médicos (n=74) e enfermeiros (n=159). Pelo sistema plural, 59 temas clínicos de CSAPS foram ranqueados em ordem de prioridades por esses profissionais, com destaque para manejo das arboviroses endêmicas em primeira escolha (42 votos), seguido de exame citopatológico uterino com 36 votos, infecções sexualmente transmissíveis com 35 votos, hipertensão arterial sistêmica com 20 votos e depressão, com 16 votos. No entanto, após ranqueamento das escolhas e análise pela contagem de Borda e regra Dowdall, observou-se que o ranqueamento mudou, respectivamente, para 698 pontos e 59,8 pontos para arboviroses endêmicas, 1.084 e 74,9 pontos exame citopatológico uterino, 1.148 e 78,7 pontos para IST, 705 e 48,2 pontos hipertensão arterial sistêmica e 743 e 47,3 pontos para depressão. Portanto, constatou-se que usando a eleição por ordem de mérito, o tema mais votado foi IST, seguido de exame citopatológico uterino. Manejo das arboviroses endêmicas mudou para a última posição na contagem de Borda e para a terceira na regra Dowdall. Por serem métodos de eleição sabidamente mais consensuais, sua utilização no contexto da educação permanente em saúde de profissionais da atenção primária resulta em um ordenamento temático mais assertivo para atender as necessidades dos alunos.

References

Arrow KJ. Social Choice and Individual Values, 2nd edn. New Haven, Cann.: YaleUniversity Press. 1963.

Benabbou N, Diodoro D, Perny P, Viappiani P. Incremental Preference Elicitation in Multi-attribute Domains for Choice and Ranking with the Borda Count. International Conference on Scalable Uncertainty Management, 2015. pp. 81-95.

Borda, JC. Memoire sur les elections au Scrutin, in Histoire de l'Academie Rovale des Sciences. Paris, 1781; extracts translated in English in D. Black, The Theory of Committees and Elections. Cambridge: Cambridge University Press, 1958, Chapter XVIII.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 154 de 24 de janeiro de 2008 que institui o Núcleo de Apoio a Saúde da Família. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt0154_24_01_2008.html. Acesso em: 16 Jun 2016.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria no. 221/SAS de 17 de abril de 2008, que define a Lista Brasileira de Internações por Condições Sensíveis à Atenção Primária. Diário Oficial da União 2008. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/sas/2008/prt0221_17_04_2008.html. Acesso em: 16 Jun 2022.

Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº 2.546, de 27 de outubro de 2011. Redefine e amplia o Programa Telessaúde Brasil, que passa a ser denominado Programa Nacional Telessaúde Brasil Redes (Telessaúde Brasil Redes). Brasília, DF, 2011. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2546_27_10_2011.html. Acesso em: 16 Jun 2022.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.922, de 5 de setembro de 2013 da Política Nacional de Atenção Primária. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2013/prt1922_05_09_2013.html. Acesso em: 16 Jun 2022.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria no 2.859, de 29 de dezembro de 2014. Institui o incentivo financeiro de custeio mensal destinado aos Núcleos Intermunicipais e Estaduais de Telessaúde do Programa Nacional de Telessaúde Brasil Redes na Atenção Básica, e dá outras providências. Diário Oficial da União 2014. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2014/prt2859_29_12_2014.html. Acesso em: 16 Jun 2022.

Cardoso CGS. A matemática das eleições. Dissertação de mestrado. Lisboa: Faculdade de Ciências. Universidade de Lisboa. 2009.

Ceccim RB. Educação permanente em saúde: desafio ambicioso e necessário. Interface – Comunicação, Saúde, Educação 2005; 9(16):161-168.

Chiesa AM & Veríssimo MDLÓR. A educação em saúde na prática do PSF. In Manual de Enfermagem. São Paulo: Instituto para o Desenvolvimento da Saúde. Ministério da Saúde. Série Normas e Manuais Técnicos 135; 2001. p.34-42.

Cunha, IS. Educação permanente em saúde e planejamento estratégico situacional: o caso da Secretaria Estadual de Saúde do Piauí. 2009. 102 f. Dissertação (Mestrado profissional em Saúde Pública) – Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2009.

Dummett M. The Borda count and agenda manipulation. Social Choice and Welfare. 1998; 15: 289-296.

Figueiredo M. A decisão do voto: democracia e racionalidade. São Paulo: Editora Sumaré. 1991.

Fraenkel J, Grofman B. The Borda Count and its real-world alternatives: Comparing scoring rules in Nauru and Slovenia. Australian Journal of Political Science. 2014;49(2):186-205.

Gibbard A. Manipulation of voting schemes: A general result. Econometrica. 1973; 41: 587-601.

Hall EW, Heneine W, Sanchez T, Sineath RC, Sullivan P. Preexposure Prophylaxis Modality Preferences Among Men Who Have Sex With Men and Use Social Media in the United States. Journal of Medical Internet Research. 2016;18(5):e111.

Hare T. The election of representatives, parliamentary and municipal: A treatise. London: Longman, Green, Longman, Roberts & Green; 1865.

Kanno NP, Bellodi PL, Tess BH. Profissionais da Estratégia Saúde da Família diante de demandas médico-sociais: dificuldades e estratégias de enfrentamento. Saúde e sociedade 2012; 21(4): 884-894.

Mckelve RD & Niemi RG. Multistage game representation of sophisticated voting for binary procedures. Journal of Economic Theory. 1978; 18:1-22.

Neto EAS, Amaral ST. (2014). Breve Estudo Sobre Sistemas Eleitorais. Etic-Encontro de Iniciação Científica-, 10(10):1-8. Disponível em: http://intertemas.toledoprudente.edu.br/index.php/ETIC/article/view/4336. Acesso em 16 Jun 2022.

Nicolau J. Sistemas eleitorais. São Paulo. Editora Fundação Getúlio Vargas; 2015.

Oliveira MA. Educação à Distância como estratégia para a educação permanente em saúde: possibilidades e desafios. Revista brasileira de enfermagem 2007. 60(5):585-589.

Pinto JA. Teoria matemática das eleições. São Paulo: Livraria da Física, 2010.

Popoola VO, Lau BD, Shihab HM, Farrow NE, Shaffer DL, Hobson DB, et al. Patient Preferences for Receiving Education on Venous Thromboembolism Prevention. A Survey of Stakeholder Organizations. PLoS One. 2016;11: e0152084.

Qiu Z, Dosskey MG, Kang Y. Choosing between alternative placement strategies for conservation buffers using Borda count. Landscape and Urban Planning. 2016; 153, 66-73.

Saari DG. Susceptibility to manipulation. Public Choice. 1990; 64:21-41.

Santos ML, Ramos N, Queiroz GS. Educação Permanente em Saúde no Brasil na modalidade EAD: produção científica em periódicos. Revista EDaPECI. 2017;17(03):61-75.

Santos SF, Santos AF, Alkmim MBM, Ribeiro ALP, Campos RT. A Telemedicina na Atenção Primária. In: Alaneir de Fátima dos Santos; Claúdio de Souza; Humberto José Alves; Simone Ferreira dos Santos. (Org). Telessaúde Um Instrumento de Suporte Assistencial e Educação Permanente. Belo Horizonte: UFMG; 2006. v. 1, p. 129-145.

Satterthwaite MA. Strategy-proofness and arrow’s conditions: Existence and correspondence theorems for voting procedures and social welfare functions. Journal of Economic Theory. 1975; 10:187-217.

Silva AB. Política pública, educação, tecnologia e saúde articuladas: como a telessaúde pode contribuir para fortalecer o SUS? 2013 [tese]. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, 2013.

Silva GM, Seiffert OMCB. Educação continuada em enfermagem: uma proposta metodológica. Revista Brasileira de Enfermagem 2009; 62(3):362-366.

Tsai TCF, Hu YH; George-Ke, SW. A Borda count approach to combine subjective and objective based MIS journal rankings. Online Information Review. 2014; 38(4): 469–483.

Valaitis RK, O’Mara L, Wong ST, MacDonald M, Murray N, Martin-Misener R, Meagher-Stewart D. Strengthening primary health care through primary care and public health collaboration: the influence of intrapersonal and interpersonal factors. Prim Health Care Res Dev. 2018;2018:1–4.

Villa MCE, Fontes CJF, Lira OFC, Venites V. Implantação do Telessaúde Mato Grosso: da superação das dificuldades iniciais às necessidades de educação permanente dos profissionais da Atenção Primária à Saúde. Latin America Journal of Telehealth. 2016; 3(1):6-13.

Zanetti JMC, Barros DMV, Moraes-Lopes MHB. Explorando os Estilos de Aprendizagem em curso a distância sobre o exame de Papanicolaou. Revista de Estilos de Aprendizaje. 2011; 4(7).

Published

2022-07-01

Issue

Section

Artigos originais