Aplicação do processo de enfermagem ao paciente em tratamento hemodialítico: relato de experiência / Implementation of the hemodialitic treatment reference process: experience report

Authors

  • Gabriela Araújo Rocha Brazilian Journals Publicações de Periódicos, São José dos Pinhais, Paraná
  • Francisco Gerlai Lima Oliveira
  • Pryscila Ravene Carvalho Oliveira
  • Vitória Eduarda Silva Rodrigues
  • Juliana Holanda Fontes
  • Izadora de Sousa Neves
  • Viviany de Sousa Araújo
  • Ana Larissa Gomes Machado

DOI:

https://doi.org/10.34115/basrv3n6-029

Keywords:

Processo de enfermagem, Insuficiência renal crônica, Relatos de caso, Aprendizado baseado na experiência.

Abstract

É relevante pontuar a importância do enfermeiro no cuidado ao paciente em terapia renal substitutiva, o qual possui importante função assistencial, na educação em saúde e no apoio psicológico. Nessa conjuntura, para que a assistência de enfermagem seja otimizada deve ocorrer de forma sistemática, por meio da aplicação do Processo de Enfermagem, o qual está organizado em cinco etapas: histórico, diagnósticos, planejamento, implementação e avaliação de enfermagem. Assim, o objetivo do presente estudo foi relatar a experiência de graduandos de enfermagem durante a aplicação do Processo de Enfermagem a um paciente em terapia hemodialítica. A partir da análise das informações obtidas do histórico, evolução de enfermagem e exame físico geral do paciente foram estabelecidos cinco parâmetros norteadores que embasaram o uso das classificações da North American Nursing Diagnosis Association: Risco de Trauma Vascular, Risco de Infecção, Constipação, Conhecimento e Enfrentamento, sendo que a partir destes elaborou-se os diagnósticos, intervenções e resultados para cada achado. Observou-se a necessidade de manter meios assépticos para evitar infecção. A constipação foi decorrente da restrição hídrica necessária durante a terapia. O conhecimento era insuficiente sobre a própria condição de saúde, e apesar das limitações do tratamento o mesmo demonstrava-se resiliente durante o enfrentamento. A experiência relatada foi de grande valia para conhecer como é realizado o cuidado ao paciente com doença renal crônica, inserindo-se o Processo de Enfermagem como ferramenta de trabalho do enfermeiro no cotidiano clínico, bem como o uso das taxonomias foi importante para padronizar a linguagem e ações da enfermagem.

 

 

References

BRASIL. Ministério da Saúde. Diretrizes Clínicas para o Cuidado ao paciente com Doença Renal Crônica – DRC no Sistema Único de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2014. Disponível em: <http://sonerj.org.br/wp-content/uploads/2014/03/diretriz-cl-nica-drc-versao-final2.pdf>.

CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM. Dispõe sobre a Sistematização da Assistência de Enfermagem e a implementação do Processo de Enfermagem em ambientes, públicos ou privados, em que ocorre o cuidado profissional de Enfermagem, e dá outras providências. Resolução Cofen Nº 358, de 15 de outubro de 2009. Conselho Federal de Enfermagem, Brasília. 4p, 2009. Disponível em: < http://www.cofen.gov.br/resoluo-cofen-3582009_4384.html>.

CRISTÓVÃO, A. F. A. J. Eficácia das restrições hídrica e dietética em pacientes renais crônicos em hemodiálise. Rev Bras Enferm. v. 68, n. 6, p. 1154-1162, Nov-Dez 2015. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/reben/v68n6/0034-7167-reben-68-06-1154.pdf >.

DOCHETERMAN, J. M.; BULECHEK, G. M. Classificação das Intervenções de Enfermagem (NIC). 6ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2016.

FERNANDES, L. P. et al. Necessidades de ações educativas-terapêuticas em um serviço de diálise renal no Brasil. Enferm Nefrol. v. 21, n. 1, p. 53-62, 2018. Disponível em: < http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=359855505007>.

JOHNSON, M., MASS, M.; MOORHEAD, S. Classificação dos Resultados de Enfermagem (NOC). 5ªed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2016.

RAMÍREZ-PERDOMO, C. A.; SOLANO-RUÍZ, M. C. A construção social da experiência de viver com uma doença renal crônica. Rev. Latino-Am. Enfermagem, v. 26, 2018. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rlae/v26/pt_0104-1169-rlae-26-e3028.pdf >.

ROCHA, G. A.; SILVA, R. K. S.; FONTES, J. H. Teoria ambientalista e o processo de enfermagem no trauma agudo do abdome: relato de experiência. ReOnFacema, v. 3, n. 4, p. 780-784, 2017. Disponível em: <http://www.facema.edu.br/ojs/index.php/ReOnFacema/article/view/322/160 >.

RUDNICKI, T. Doença renal crônica: vivência do paciente em tratamento de hemodiálise. Rev. Contextos Clínicos, v. 7, n. 1, Jun 2014. Disponível em: < http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-34822014000100011>.

SANTOS, B. P.; OLIVEIRA, V. A.; SOARES M. C.; SCHWARTZ. E. Doença renal crônica: relação dos pacientes com a hemodiálise. ABCS Health Sci, v. 42, n. 1, p. 8-14, 2017. Disponível em: < https://www.portalnepas.org.br/abcshs/article/view/943>.

Published

2019-12-10

Issue

Section

Artigos originais