Vantagens e desvantagens do sistema individual de tratamento de esgoto em condomínio residencial em Recife – PE / Advantages and disadvantages of the individual sewage treatment system in a residential condominium in Recife - PE

Authors

  • Iago Santos Calábria
  • Bruno de Sousa Teti
  • Amâncio da Cruz Filgueira Filho
  • Walter de Morais Calábria Junior

DOI:

https://doi.org/10.34115/basr.v2i5.572

Keywords:

ETE, Esgoto, Resíduos, Saneamento, Tratamento.

Abstract

O tratamento de esgoto é um dos serviços mais necessários para a sobrevivência dos seres humanos. Todas as pessoas geram e produzem grandes quantidades diárias de resíduos sólidos, portanto é necessário ter uma forma de tratar esses dejetos antes de devolve-los a natureza. Muitos empreendimentos residenciais optam por conceder o tratamento de seus resíduos a empresas especializadas. Porém, esse é um serviço caro, que gera uma grande onerosidade aos condôminos. Os resultados obtidos por esse trabalho, terá como objetivo apresentar uma forma de tratamento desse esgoto residencial no próprio condomínio. Dessa forma será possível verificar se é mais viável aos empreendimentos construírem suas próprias unidades de tratamento de esgoto.

References

ABNT NBR 12209. Elaboração de Projetos Hidráulico-Sanitário de Sistemas de Tratamento de Esgotos.

ABNT NBR 7229. Projeto, Construção e Operação de Sistemas de Tanques Sépticos.

ABNT NBR 9649. Projeto de Redes Coletoras de Esgoto Sanitário.

ANTÃO, K. Saneamento básico – melhoria na qualidade de vida da população. UAM. 2004.

BRASIL. Lei federal n° 6.938, de 31 de agosto de 1981. Diário (da) República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 15 set. 2010. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L6938.htm

BRASIL. Ministério da Saúde. Manual de saneamento. Brasília, DF. 2006.

BRASIL. Ministério da Saúde. Indicadores e Dados básicos, Índices de Mortalidade. Brasília, DF. 2007.

BRASIL. Ministério da Saúde. Padrão de Potabilidade. Brasília, DF. 2004.

BRASIL. Agencia Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos - CPRH. Manual técnico Nº 001: Dimensionamento de tanques sépticos e unidades básicas complementares. Pernambuco. 2004.

CHERNICHARO, C. A. L. Princípios do tratamento biológico de águas residuárias. Volume 5. Belo Horizonte. DESA-UFMG. 1997.

ECKENFELDER, W. W. Water Quality Engineering for Practicing Engineers. Barns & Noble. USA. 1970.

GEWEHR, A. G. Ecoeficiência de estações de tratamento de esgoto: índice de lodo. UFRGS. 2009.

GOOGLE MAPS. Recife, Pernambuco, Brasil. Disponível em: < https://www.google.com.br/maps/@-8.0354501,-34.8963212,873a,20y,217.8h,47.56t/data=!3m1!1e3.

JORDÃO, E. P., PESSÔA, C. A. Tratamento de esgotos domésticos. 5ª edição. Rio de Janeiro. FAPERJ. 2008.

JORDÂO E. P. Poluição das Águas. Fundação Estudos do Mar, 1975.

LAMB, J. C. Water Quality and Its Control. John Wiley. USA. 1980.

OLIVEIRA, O. A. Tratamento de esgoto. 2013. Disponível em: http://www.infoescola.com/meio-ambiente/tratamento-de-esgoto

MARA, D., FEACHEM, R. Techinical and Public Health Aspects of Low Cost Sanitation Programme Planning. Journal of Tropical Medicine and Hygiene. 83, 229-240, 1980.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. Pollution and Health. Genebra, 1986.

RIBEIRO, J. W., ROOKE, J. M. S. Saneamento básico e sua relação com o meio ambiente e a saúde pública. UFJF. 2010.

Sistema Nacional de Informações de Saneamento, IPEA, 2006.

VEROL, A. P., PAIXÃO, M. C. T., VOLSCHAN. Jr. I., JORDÃO, E. P. Procedimentos Analíticos e Resultados no Monitoramento do tratamento de Esgotos. ABES. 2005.

VIANA, L. P. Descrição da percepção sobre o saneamento básico. IFMG. 2012.

Published

2018-10-10

Issue

Section

Artigos originais