Aplicação do processo de enfermagem em uma puérpera com complicações durante o parto: relato de experiência / Application of the nursing process in a puerperal woman with complications during childbirth: an experience report

Authors

  • Leticia Gonçalves Paulo
  • Ana Karoline Lima de Oliveira
  • Patrícia Regina Evangelista de Lima
  • Arllen Mara Caminha Luz
  • Paloma Lima Moura
  • Pryscila Ravene Carvalho Oliveira
  • Jessica Anjos Ramos de Carvalho
  • Ana Danúsia Izidório Rodrigues de Araújo

DOI:

https://doi.org/10.34115/basrv4n2-011

Keywords:

Processo de enfermagem, Rotura uterina, Laceração de bexiga, Saúde da Mulher.

Abstract

Pelo fato do puerpério gerar riscos, o enfermeiro deve ter uma formação que lhe permita compreender fatores que proporcionem qualidade de vida as mulheres no período gravídicopuerperal. Objetivou-se descrever a aplicação do Processo de Enfermagem utilizando a SAE em uma puérpera diagnosticada com hipertensão arterial, rotura uterina e laceração de bexiga, embasando-se na Teoria das Necessidades Humanas Básicas de Wanda de Aguiar Horta. Tratase de um relato de experiência a partir da aplicação do processo de enfermagem elaborado por acadêmicas do curso de bacharelado em enfermagem da Universidade Federal do Piauí, realizado durante aulas práticas em um hospital regional localizado no Piauí, no período de maio a junho de 2019. O caso refere-se a uma paciente durante a realização do parto e pósparto.Efetuaram-se todas as etapas do Processo de Enfermagem em 12 dias. Utilizando a taxonomia NANDA-I, elencou-se os diagnósticos: risco de infecção, amamentação ineficaz, integridade tissular prejudicada, eliminação urinaria prejudicada e dor aguda.Com o uso da NOC, os resultados esperados foram: controle de riscos, estabelecimento da amamentação, cicatrização de feridas: primeira intenção, eliminação urinária e nível de dor. Após elencar todos os objetivos propôs-se as intervenções de enfermagem de acordo com a NIC: Cuidados pós-parto, Orientação dos pais: lactente, Redução de sangramentos, Sondagem vesical e administração de analgésicos. Pode-se evidenciar que a utilização da sistematizado de cuidar e as taxonomias, há o enriquecimento da prática profissional, direcionando a assistência prestada e favorecendo a eficácia do cuidado, garantindo autonomia profissional frente às intervenções realizadas.

 

 

References

_______MÉXICO. Ministério da Saúde. Modelo de Cuidado de Enfermagem Obstétrica, p. 10, 2005.

_______ BRASIL. Sistema Único de Saúde. Óbitos maternos, segundo local de residência no período de 1996 a 2015, 2017.

_______ Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Gestação de alto risco: manual técnico. 5. ed. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2010.

ACOG, Colégio Americano de Obstetras e Ginecologistas. Simulações Consortium Objetivos de Aprendizagem Hemorragia Pós-Parto Causada por Atonia Uterina. Washington, 2013.

ALMEIDA, M. S., SILVA, I. A. Necessidades de mulheres no puerpério imediato em uma maternidade pública de Salvador, Bahia, Brasil. RevEscEnferm. USP, v. 42, n. 2, p. 347354, 2008.

ANDRADE R. D., et al. Fatores relacionados à saúde da mulher no puerpério e repercussões na saúde da criança. Esc Anna Nery, v. 19, n. 1, p.180-186, 2015.

BARBOSA, E. M. G., et al. Cuidados de enfermagem a uma puérpera fundamentados na teoria do conforto. Rev Min Enferm, v. 18, n. 4, p. 845-849, 2014.

BARROS, A.L.B.L; e Cols. Anamnese e Exame fisico - avaliação diagnostica de enfermagem no adulto. 3º Ed. São Paulo: ARTMED, 2015.

BOTERO, J. Obstetrícia e Ginecologia. Bogotá: Corporação para pesquisa biológica, 2004.

BULECHEK G. M., BUTCHER H. K., DOCHTERMAN J. C. M. Classificação das intervenções de enfermagem (NIC). 5ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.

CABEZAS C. E. Morbidade e mortalidade materna. Em: Rigol-Santisteban. Obstetrícia e Ginecologia. 3 ed. Havana: ECIMED, p. 447-50, 2014.

CHRESTANI, M. A. D et al. Assistência à gestação e ao parto: resultados de dois estudos transversais em áreas pobres das regiões Norte e Nordeste do Brasil. Caderno de Saúde Pública, vol. 24 n. 7 p. 1609-1618, 2008.

EDMONDS J. K., HRUSCHKA D. A., SIBLEY L. M. Uma comparação de estimativas de perda sanguínea pós-parto excessiva entre três subgrupos de mulheres que assistem a partos em Matlab Bangladesh. J ObstetríciaSaúde das mulheres, v. 55, n. 4, p. 378-382, 2010.

FILHO, et al. Dor aguda: julgamento clinico da enfermagem no pós-operatório de cirurgia cardíaca. Rev. Min. Enferm. v.16, n.3, p.400-409, jul. /set. 2012.

GALLO, P. R., et al. Motivação de gestantes para o aleitamento materno. Revista de Nutrição, Campinas. 2008.

HORTA, W. A. Enfermagem: teoria, conceitos, princípios e processo. Rev. Esc. Enf. USR, v.5, n.1, p.7-15, 1974.

HORTA, W. A. Processo de Enfermagem. São Paulo: EPU/ED.USP, p 99, I979.

LEON C. M. F., et al. Infecção puerperal pós-cesariana versus infecção puerperal pós-parto no hospital Gynecoobstetric Enrique C. Sotomayor. RevMed FCM-UCSG, 2011.

LÓPEZ C. L. Papel do ambiente hospitalar e equipamentos na transmissão de infecções nosocomiais. EnfermInfeccMicrobiolClin, v. 32, n. 7, p. 459-464, 2014.

MENDES, N. et al. Ruptura uterina no parto vaginal após cesariana. Acta ObstetGinecol Port. v.8, n.4, p.377-384, 2014.

MOORHEAD S, et al. Classificação dos resultados de enfermagem (NOC). 4ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.

NORTH AMERICAN NURSING DIAGNOSIS ASSOCIATION INTERNATIONAL

(NANDA-I). Diagnosticos de enfermagem da NANDA: Definições e classificação 20182020. Porto alegre. 11ªEd. Artmed, 2018.

Organização Pan-Americana da Saúde. Vigilância epidemiológica de infecções associadas à atenção à saúde no puerpério, 2014.

PRATA N., et al. O atendente no momento do parto está associado ao uso de intervenções para prevenir a hemorragia pós-parto em partos domiciliares? O caso do Bangladesh. BMC Gravidez Parto, v.14, p.24, 2014.

RONE, D., et al. Tendências, fatores de risco e prognóstico da gestação em mulheres com ruptura uterina. ArchGynecol Obstet. v.285, n.2, p.317-21, 2012.

SCARABOTTO, L. B, RIESCO M. L. G. Fatores relacionados ao trauma perineal no parto normal em nulíparas. Revista Escola de Enfermagem - Universidade de São Paulo, vol. 40, n. 3, p. 389-395, 2006.

SCARPA, K. P., et al. Sintomas do trato urinário inferior três anos após o parto: estudo prospectivo. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, vol. 30, n. 7, p. 355- 399, 2008.

SOUZA M. L., et al. Mortalidade materna por hemorragia no Brasil. Rev Latino-Am Enfermagem, v. 21, n. 3, p. 711-718, 2013.

WALDOW V. R. Bases e princípios do conhecimento e da arte da enfermagem. Petrópolis: Vozes, 2008.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 4ª ed. Porto Alegre (RS): Bookman, 2010.

Published

2020-04-06

Issue

Section

Artigos originais