A primavera silenciosa do Rio Doce: estudo exploratório do desastre ambiental causado pela mineradora Samarco

Silent spring Sweet River: exploration of disaster environmental study by mining Samarco caused

Autores

  • Francisco Santana de Sousa
  • Edna de Souza Machado Santos
  • Otacilio de Morais Souza
  • Sandra Regina Silva dos Santos Souza
  • Giovanni Gerson Catellino

DOI:

https://doi.org/10.34140/bjbv4n3-018

Palavras-chave:

Samarco, Mineradora, rio Doce, ISO 14001, PDCA

Resumo

A maior tragédia ambiental no Brasil ocorreu na primavera de 2015. Nessa estação do ano, houve o rompimento da barragem de Fundão, em Mariana, Minas Gerais, que é o reservatório dos rejeitos das atividades mineradoras da Samarco, subsidiária da Companhia Vale do Rio Doce. O problema discutido neste trabalho foi a falta de método usual de previsão de riscos ambientais, aliada à omissão da auditoria ambiental exigida pela ISO 14001 (PDCA e Auditoria Ambiental). Quanto aos objetivos, trata-se de uma análise qualitativa e, quanto aos procedimentos, um trabalho exploratório e documental. Os resultados deste trabalho sugerem que a causa do desastre ambiental da mineradora Samarco foi a falta de utilização de metodologias usuais em empresas com atividades que podem gerar riscos ambientais (PDCA). Esse desastre ambiental causou danos difusos diversos que deverão impactar na imagem, na reputação e, consequentemente, no pilar financeiro (Elkington, 2012) da empresa.

Referências

AGRA FILHO, S. S. Planejamento e gestão ambiental no Brasil: os instrumentos da política nacional de meio ambiente. Rio de Janeiro: Campus/Elsevier, 2014.

BRAGA, B. et al. Introdução à engenharia ambiental: o desafio do desenvolvimento sustentável. 2a ed. São Paulo: Pearson, 2015.

CALIJURI, M. C.; CUNHA, D. G. F. (Org.). Engenharia ambiental: conceitos, tecnologia e gestão. Rio de Janeiro: Campus, 2013.

CARDOSO, A. S. et al. Metodologia para a classificação de aspectos e riscos ambientais conforme NBR ISO 14001. In: Encontro de Engenharia da Produção, 24, 2004, Florianópolis. Anais ... Florianópolis, 2004.

CARSON, R. Primavera silenciosa. São Paulo: Gaia, 2010.

DONAIRE, D. Gestão ambiental na empresa. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

ELKINGTON, J. Canibais com garfo e faca. São Paulo: Brooks, 2012.

FANTINATTI, P. A. P. et al. (Coord.). Indicadores de sustentabilidade em engenharia. In:

SILVA, L. P.; NEFFA, E. Engenharia e educação ambiental. Rio de Janeiro: Campus/Elsevier, 2015.

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - FIESP. ISO 14001. São Paulo: Departamento de Meio Ambiente, 2015.

FONSECA, A. V. M.; MIYAKE, D. I. Uma análise sobre o Ciclo PDCA como um método para solução de problemas de qualidade. Disponível em:

<http://www.abepro.org.br/biblioteca/ENEGEP2006_TR470319_8411.pdf>. Acesso em: 20 jul. 2016.

FONSECA, J. J. S. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

GOMES, S. M. S.; GARCIA, C. O. (Org.). Controladoria ambiental: gestão social, análise e controle. In: SOUZA, R. S. Gestão de riscos ambientais. São Paulo: Atlas, 2013.

INSTITUTO BRASILEIRO DE MINERAÇÃO. Inventário do Gases de Efeito Estufa do setor de Mineração. Brasília: IBRAM, 2015.

INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION -ISO. ISO 14001:2015: environmental management systems: requirements with guidance for use. Disponível em: <http://www.iso.org/iso/catalogue_detail?csnumber=60857>. Acesso em 20 jul. 2015.

KERLINGER, F. N. Metodologia da pesquisa em ciências sociais. São Paulo: EPU, 1979.

LA ROVERE, E. L. Manual de auditoria ambiental. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2000.

LIMA, G. B. A.; FRANÇA, S. L. B. Normatização ambiental no contexto da ISSO 14001. In: ADISSI, P. J. et al. (Org.). Gestão ambiental de unidades produtivas. Rio de Janeiro: Campus, 2013.

QUEIROZ, A. P. et al. Dano Ambiental. In: BRAGA, C. (Org.). Contabilidade Ambiental. São Paulo: Atlas, 2010.

MARIOTTI, H. Complexidade e sustentabilidade. São Paulo: Atlas, 2013.

OLIVEIRA, C. V.; ALBUQUERQUE, J. L. Auditoria Ambiental. In: ALBUQUERQUE, J. L. (Org.). Gestão ambiental e responsabilidade social: conceitos, ferramentas e aplicações. São Paulo: Atlas, 2009.

RUIZ, J. A. Metodologia científica. 4. ed. São Paulo: Atlas, 1996.

SALOMON, D. V. Como fazer uma monografia. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

SEBRAE - PROGRAMA MTL. Formação de multiplicadores para a atuação no trabalho local. Disponível em < http://www.rh.pro.br/imag_up/RevoluçãoIndustrial.pdf>. Acesso em: 29 de jul. 2016.

SILVEIRA, T. S.; CÓRDOVA, F.P. A pesquisa científica. In: GERHARDT, T. E.; SILVEIRA, D. T. (Org.). Método de pesquisa. Porto Alegre: UFRS, 2009.

SMITH, A. A riqueza das nações. São Paulo: Zahar, 1999.

SOUSA, F. S. et al. Análise do índice de sustentabilidade empresarial – ISE: um estudo exploratório. Connexio: Revista Científica da Escola de Gestão e Negócio, Rio Grande do Norte, 2014.

SOUSA, F. S. ; VIVAN, A. Retorno exuberante do ISE em relação ao CAPM. In: Encontro Internacional sobre Gestão Empresarial e Meio Ambiente, 17, 2014, São Paulo. Anais ... São Paulo: ENGEMA, 2014.

SOUSA, F. S. ; ZUCCO, A. Índice de sustentabilidade empresarial (ISE) e geração de valor para os investidores. In: SemeAd - Seminário em Administração, 18, 2015, São Paulo. Anais ... São Paulo: FEA-USP, 2015.

Downloads

Publicado

2022-09-17

Edição

Seção

Artigos