Trajetória da responsabilidade social e corporativa das empresas listadas no ISE: uma década de sustentabilidade rumo à longevidade empresarial

Trajectory of social responsibility and corporate firms listed in ISE: a decade of sustainability towards the longevity business

Autores

  • Francisco Santana de Sousa
  • Alba Zucco
  • Edna de Souza Machado Santos
  • Julio Cesar Machado
  • Sandra Regina Silva dos Santos Souza

DOI:

https://doi.org/10.34140/bjbv4n3-019

Palavras-chave:

ISE, Tripé da Sustentabilidade, Responsabilidade Social corporativa, Bolsa de Valores, Performance, Valor agregado à Marca

Resumo

O objetivo deste estudo foi analisar a trajetória dos dez anos de responsabilidade social corporativa das empresas listadas no Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) desde a sua criação. Partiu-se da hipótese de que empresas listadas no ISE estão no maior patamar de níveis de responsabilidade social corporativa em conformidade com o Tripé da Sustentabilidade o que, consequentemente, valoriza as marcas dessas empresas. O ISE foi criado em 2005 com o objetivo de refletir a performance de uma carteira composta por ações de empresas reconhecidamente comprometidas com a responsabilidade social e a sustentabilidade empresarial (ISEBM&FBOVESPA, 2009). Utilizou-se a metodologia descritivo-documental, por meio dos relatórios publicados no site da Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros de São Paulo, no período de 2006 até 2015, das empresas convidadas e selecionadas a preencherem os sete questionários denominados de dimensões: geral, ambiental, produto, social, econômico-financeira, governança corporativa e mudanças climáticas. O resultado deste estudo sugere que essas empresas, ao adotarem normas da responsabilidade empresarial corporativa, por meio do Tripé da Sustentabilidade, têm se tornado longevo, além de agregar valor às marcas dessas empresas (Brand Equity). 

Referências

Aaeker, D. A. (1998). Brand Equity: gerenciando o valor da marca. São Paulo: Editora Negócio.

Aaeker, D. A. (1991). Brand Equity: gerenciando o valor da marca. Porto Alegre: Free Press.

Andrade, A., & Rossetti, J. P. (2009). Governança Corporativa (4ª. ed.). São Paulo: Atlas.

Associação de Psicologia Americana [APA] (2012). Rio de Janeiro: ANPAD.

Conferência de Estocolmo (1972).Comissão Mundial Sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento (1991). Conferência de Estocolmo em 1997: O Nosso Futuro Comum. (2ª.

ed.). Rio de Janeiro: FGV.

Bansal, P. (2005). Evolving sustainably: a longitudinal study of corporate Sustainable. Strategic Management Journal, v. 26, n. 3, pp. 197 – 218. Indiana – USA.

Cánepa, E. M., Lustosa, M. C. J. & Young, C. E. F. (2010). Políticas Ambientais e Gestão Empresarial. In May, P. H. (org.). Economia do Meio Ambiente: Teoria e práctica. Rio de Janeiro: Campus/ECO.

Carrol, A. B. ( 1979, oct). A Three-dimentional conceptual model of corporate performance. The Academy of Management Review, v. 14, n. 4, pp. 497 – 505, Michigan – USA.

Córdova, F. P. & Silveira, D. T. (2009). A Pesquisa Científica: tipos de pesquisa. (1a. ed.). In Gerhardt, T. E. & Silveira, D. T (org.). Métodos de Pesquisa. Porto Alegre – RS: Editora UFRS.

Curi, D. [org.] (2001). Gestão Ambiental: As Pessoas, o Lucro e o Planeta. São Paulo:

Pearson/Leraning.

Dias, R. (2010). Gestão Ambiental: responsabilidade social e sustentável. São Paulo: Atlas.

Donaire, D. (2010). Gestão Ambiental na empresa. (2a.ed.). São Paulo: Atlas.

Elkington, J. (1997). Cannibals With Forks: the Triple Bottom Line of 21st Century Business. Oxford: Capstone Publishing.

ECO – 92 (1992, june). Unced. United Nations Conference: Rio + 20. www.un.org/geninfo/bp/enviro.html. Acessado em maio de 2015.

Elkington, J. (2008). The Social Capitalist behind the phase: Triple Bottom Line talks about why some greenwashing is a good. USA: Mother Jones, Science.

Elkington, J. (2012).Canibais com Garfo e Faca. Porto Alegre: M.Books.

Ferreira, D. D. J. (2013). Economia Ambiental: Empresas e o Meio Ambiente. Palhoça – SC: UNISUL.

Froehlich, C. (2014). Publicações Internacionais sobre sustentabilidade: uma revisão de artigos com uso da técnica de análise de conteúdo qualitativa. Revista de Administração da Universidade Federal de Santa Maria, v. 7, n. 2, pp. 178 – 195. Santa Maria – RS.

Higgins, C. (2011, jun). Is a responsive business also a responsible business! Journal of Business, Systems, Governance and Ethics, v. 5, n. 3, pp. 23 – 32. Canberra – Australia. Índice de Sustentabilidade Empresarial [ISE] (2008). Metodologia do Índice de Sustentabilidade Empresarial. São Paulo: BM&FBOVESPA.

Índice de Sustentabilidade Empresarial [ISE] (2012). O valor do ISE: Principais estudos e a perspectiva dos investidores. São Paulo: ISEBM&FBOVESPA/GVces.

Índice de Sustentabilidade Empresarial [ISE] (2009;2015). ISEBM&FBOVESPA. www.bmfbovespa.com.br/Indice/ResumoIndice.aspx?Indice=&opcao=O&idioma=pt-br.

Recuperado em 05 de maio de 2015.

Lempert, D. & Nguyen, H. (2011). The global prisoners’’ dilema of unsustainability: why Sustainable Development cannot be achieved without resource Security and eliminating the legacies of colonialism. Sustainability: Science, Practice & Policy, v. 7, n. 1, pp. 16 – 30. Michigan – USA.

Marcondes, A. W. & Bacarji, C. D. (2010). Sustentabilidade no Mercado de Capitais. Rio de Janeiro: Report Editora.

Markowitz, H. M. (1952, march). Portfolio Selection. Journal of Finance, pp. 77 – 91, New York – USA.

Quelhas, O. L. G., Meiriño, M. J. & Vieira Neto (2013). Motivadores mercadológicos para o desempenho ambiental. In Adissi, P. J., Pinheiro, F. A. & Cardoso, R. S. (org.). Gestão Ambiental de Unidades Produtivas. Rio de Janeiro: Campus/Abepro.

Shimp. T. A. (2009). Comunicação integrada de marketing: propaganda e promoção. Porto Alegre: BookMan.

Sister, G. (2008). Mercado de Carbono e Protocolo de Quioto: Aspectos Negociais e Tributação. (2a. ed.). Rio de Janeiro: Campus.

Sachs, I. (1993). Estratégias de transição para o Século XXI. In Bursztyn, M. Para pensar o desenvolvimento sustentável. São Paulo: Brasiliense, pp. 29 – 56.

Sachs, I. (2006). Desenvolvimento includente, sustentável e sustentado. Rio de Janeiro: Garamond/SEBRAE.

Silva, E. C. (2010). Governança Corporativa nas Empresas. (2a. ed.). São Paulo: Atlas.

Sousa, F. S., Pereira, R. S. & Zucco, A. (2012a). Análise do Índice de Sustentabilidade Empresarial – ISE: um estudo exploratório comparativo com o IBOVESPA. Encontro Internacional de Gestão Empresarial e Meio Ambiente – ENGEMA, São Paulo, 14.

Sousa, F. S., Souza, M. T. S. & Bovo, C. R. M. (2012b). Análise do Retorno teórico de carteira de ativos por meio do modelo CAPM: estudo comparativo da rentabilidade do ISE com o IBOVESPA. Encontro Internacional de Gestão Empresarial e Meio Ambiente – ENGEMA, São Paulo, 14.

Sousa, F. S., Zucco, A., Tomé, I. M. & Pereira, R. S. (2014, julho-setembro). Análise do índice de sustentabilidade empresarial – ISE: um estudo comparativo com o IBOVESPA. Connexio: Revista Científica da Escola de Gestão e Negócios da Universidade Potiguar, 4, (edição especial, pp. 145 – 159).

Sousa, F. S. & Vivan, A. (2014). Retorno Exuberante do ISE em relação ao CAPM. Congresso Internacional de Gestão Empresarial e Meio Ambiente – ENGEMA, São Paulo.

Downloads

Publicado

2022-09-17

Edição

Seção

Artigos