Compartilhamento de dados de pessoas politicamente expostas pelas instituições financeiras: uma proposta de modelo de gestão e mitigação de risco

Sharing data from people politically exposed by financial institutions: a proposal for a risk management and mitigation model

Autores

  • Alessandro Fernandes
  • João Zani

DOI:

https://doi.org/10.34140/bjbv4n3-020

Palavras-chave:

Dados Sensíveis, Compartilhamento de Dados

Resumo

Para controlar todos os atos financeiros e comerciais usados para mascarar diversos ilícitos, o Brasil adotou um sistema de colaboração compulsória entre o setor público e o privado, em que profissionais e entidades que trabalham em setores mais usados por criminosos para ocultação de recursos devem notificar autoridades públicas sempre que tomarem conhecimento de operações suspeitas, principalmente pelas normas de Prevenção a Lavagem de Dinheiro e Financiamento ao Terrorismo. O compartilhamento de dados referentes a condição de Pessoas Expostas Politicamente (PEP) merece uma reflexão frente as limitações contidas na Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). Mesmo nos casos em que a LGPD não é aplicável, como nas atividades de investigação e repressão de infrações penais, estes procedimentos necessitam respeito aos princípios da boa-fé, finalidade, adequação e necessidade contidos nesta legislação, fazendo-se necessária a aplicação de estratégia de identificação e mitigação de riscos decorrentes desta partilha. Maior relevância ainda adquire o tema pelo fato de a adoção de políticas de Open Banking pelo Banco Central Brasileiro silenciar sobre o tema. O presente trabalho, em função de seus objetivos, conduziu-se como uma pesquisa bibliográfica, com abordagem exploratória e de natureza qualitativa. Construímos uma matriz de risco identificando e valorando as possíveis fragilizadas apontadas desta análise. Por fim, com base nos dados identificados nesta matriz, aplicamos o método 5W2H como ferramenta de mitigação de riscos. A severidade do impacto encontra-se em ponto crítico, principalmente pela maior atenção e potencial de ocorrência do ilícito por parte destes indivíduos, necessitando atenção total por parte da instituição financeira. Seu impacto de frequência é provável, considerando o critério elástico para sua classificação, exigindo a tomada das medidas para atenuação das ameaças. Apesar de sua alta criticidade, percebemos que as novas regras não tendem a inviabilizar os procedimentos atuais de controle, porém cada um destes pontos teve apurado seu grau de risco, através da utilização de matriz de risco, e apresentamos, utilizando análise baseada no método 5W2H, medidas necessárias para sua mitigação. Da mesma forma, a determinação dos valores (how much) necessários para implementação das providências apuradas pela aplicação do método 5W2H em cada instituição financeira também se constitui como limitação do presente trabalho, servindo de sugestão de pesquisa em estudos futuros.

Referências

Allen, C. (2013). Risky Bussiness: How to Build a Risk Matrix, 518 kb, ePub.

ABFINTECHS – Associação Brasileira de Fintechs, & PWC – Price Water House Coopers Brasil Ltda. (2018). Pesquisa Fintech Deep Dive. 2018.

BACEN – Banco Central do Brasil. (2006). Circular n. 3.339, de 22 de dezembro de 2006: Dispõe acerca dos procedimentos a serem observados pelos bancos múltiplos, bancos comerciais, caixas econômicas, cooperativas de crédito e associações de poupança e empréstimo para o acompanhamento das movimentações financeiras de pessoas politicamente expostas. Brasília: Banco Central do Brasil.

BACEN – Banco Central do Brasil. (2018). Relatório de Estabilidade Financeira. Brasília.

BACEN – Banco Central do Brasil. (2020). Circular n. 3.978, de 23 de janeiro de 2020: Dispõe sobre a política, os procedimentos e os controles internos a serem adotados pelas instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil visando à prevenção da utilização do sistema financeiro para a prática dos crimes de “lavagem” ou ocultação de bens, direitos e valores, de que trata a Lei nº 9.613, de 3 de março de 1998, e de financiamento do terrorismo, previsto na Lei nº 13.260, de 16 de março de 2016. Brasília: Banco Central do Brasil.

BACEN – Banco Central do Brasil; CMN – Conselho Monetário Nacional. (2020) Resolução conjunta n. 1, de 04 de maio de 2020: Dispõe sobre a implementação do Sistema Financeiro Aberto (Open Banking). Brasília: Banco Central do Brasil. Diário Oficial da União.

Botelho, M. C. (2020) A LGPD e a proteção de dados pessoais de crianças e adolescentes. Revista Direitos Sociais e Políticas Públicas: UNIFAFIBE, vol. 8, pp. 197-231. http://dx.doi.org/10.25245/rdspp.v8i2.705.

Brasil. (1998). Lei n. 9.613, de 3 de março de 1998: Dispõe sobre os crimes de "lavagem" ou ocultação de bens, direitos e valores; a prevenção da utilização do sistema financeiro para os ilícitos previstos nesta Lei; cria o Conselho de Controle de Atividades Financeiras - COAF, e dá outras providências. Brasília: Diário Oficial da União.

Brasil. (2006). Decreto n. 5.687, de 31 de janeiro de 2006: Promulga a Convenção das Nações Unidas contra a Corrupção, adotada pela Assembleia-Geral das Nações Unidas em 31 de outubro de 2003 e assinada pelo Brasil em 9 de dezembro de 2003. Brasília: Diário Oficial da União.

Brasil (2011). Lei n. 12.414, de 09 de junho de 2011: Disciplina a formação e consulta a bancos de dados com informações de adimplemento, de pessoas naturais ou de pessoas jurídicas, para formação de histórico de crédito. Brasília: Diário Oficial da União.

Brasil. (2018). Lei n. 13.709, de 14 de agosto de 2018: Lei Geral da Proteção de Dados (LGPD), com redação dada pela Lei n. 13.853 de 08 de julho de 2019. Brasília: Diário Oficial da União.

Callegari, A. L.; WEBER, A. B. (2017). Lavagem de Dinheiro. 2. ed. rev. atual. e ampl. São Paulo: Atlas.

Campos Neto, R. (2021). Open Banking. Brasília. Twitter: @BancoCentralBR.

Castells, M. (2013). A galáxia da internet: reflexões sobre a internet, os negócios e a sociedade. Rio de Janeiro: Zahar.

CMA – Competetion & Markets Authority. (2017). Remedie Implementation Programme Board (RIPB). Londres.

COAF – Conselho de Atividades Financeiras. (2007). Resolução COAF nº 16 de 28/03/2007: Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelas pessoas reguladas pelo COAF, na forma do § 1º do artigo 14 da Lei 9.613, de 3 de março de 1998, relativamente a operações ou propostas de operações realizadas por pessoas politicamente expostas.

Cots, M.; Oliveira, R. (2019). Lei Geral de Proteção de dados pessoais comentada. 2. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais.

Estellita, H.; Tumbiolo, M. (2020). LGPD e programas de prevenção à lavagem de dinheiro. Jota.

FATF – Financial Action Task Force. (2019). The FATF Recommendations. Paris: France.

Goettenauer, C. (2018). Open banking e teorias da regulação da internet. São Paulo: Revista de Direito Bancário e do Mercado de Capitais, v. 82, pp. 109-130.

Kaplan, R. S.; Leonard, H. B. D.; Mikes, A. (2020). Os riscos que você não prevê: que fazer quando não existe manual. Harvard Business Review Brasil. pp. 20-26.

Maldonado, V. N.; Blum, R. O. (2020). LGPD: Lei Geral de Proteção de Dados Comentada [livro eletrônico]. Ver., atual. e ampl. São Paulo: Thomson Reuters Brasil.

Mclaughlin, J. S.; Pavalka, D. (2013). The use of customer due diligence to combat money laundering. Accountancy Business and Public Interest, pp. 57–84.

Oliveira, M. M. (2007). Como fazer pesquisa qualitativa. Petrópolis: Vozes.

Rios, R. S. (2010). Direito Penal Econômico: advocacia e lavagem de dinheiro: questão de dogmática jurídico-penal e de política criminal. São Paulo: Saraiva.

Rohan, P. (2017). Open Banking Strategy Formation. Califórnia: Create Space Independent Publishing Platform.

Salvo, M. (2010) O Combate à Lavagem de Dinheiro como Inibidor da Corrupção no Brasil: custos e benefícios dos controles internos na fiscalização das pessoas politicamente expostas. UC Berkeley: Berkeley Program in Law and Economics

Silva, G. G. M. P. (2009). Implantando a manufatura enxuta: Um método estruturado, p. 157. Dissertação (Mestrado em Engenharia da Produção). Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, UFSC, Florianópolis.

Trindade, M. G. N. (2021). Open Banking: Trinômio Portabilidade-Interoperabilidade-Proteção de Dados Pessoais no Âmbito do Sistema Financeiro. Lisboa: Revista Jurídica Luso-Brasileira, pp. 1159-1188. ISSN: 2183-539X.

União Europeia. (2015). Diretiva 2015/2366 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 25 de novembro de 2015, relativa aos serviços de pagamento no mercado interno, que altera as Diretivas 2002/65/CE, 2009/110/CE e 2013/36/UE e o Regulamento (UE) n.1093/2010, e que revoga a Diretiva 2007/64/CE. Jornal Oficial das Comunidades Europeias.

United Nations. (s.d). Office on Drugs and Crime. Money Laundering and The Financing of Terrorism: The United Nations response. Vienna.

Wilkinsons, D. (2016). Open Banking and the API Economy. FinTech Network.

Downloads

Publicado

2022-09-17

Edição

Seção

Artigos