Ciência, Paradigmas e Administração

Science, Paradigms and Administration

Autores

  • Rogério Silveira Tonet

DOI:

https://doi.org/10.34140/bjbv4n3-023

Palavras-chave:

Administração, Ciência, Paradigmas.

Resumo

A Administração surge no início do Sec. XX, inicialmente, como uma forma prática de planejar, organizar, dirigir e controlar o espaço de trabalho da fábrica. Frederick W. Taylor e Henri Fayol são engenheiros e dão início ao que seria considerado o germe das ciências administrativas. O objetivo deste artigo é investigar a formulação inicial dos conceitos das principais correntes filosóficas e sociológicas que influenciaram a construção teórica que envolve esta ciência ainda em fase de consolidação. O artigo, em forma de ensaio teórico pretende apresentar este caminho epistemológico que inicia apresentando os conceitos de ciência, saberes, teoria, prática e paradigmas, para depois, apresentar as correntes do racionalismo, empirismo, ultilitarismo, positivismo e funcionalismo que influenciam a Administração. As considerações finais pretendem contribuir para a sedimentação da Administração no campo científico.

Referências

AUDET, M. e DÉRY, R. La science réfléchie. Quelques empreintes de l’épistémologie des sciences de l’administration, in Anthropologie et Sociétés. Volume 20, número 1, 1996.

AUDET, M. e MALOUIN, J.-L. (orgs.) La production des connaissances scientifiques de l’administration. Quebec : Les Presses de l’Université Laval, 1986.

BACON, F. Novum Organum. In: Bacon, coleção os pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1979.

BENSON, J. K., As organizações: um ponto de vista dialético, in Chanlat, J.-F. e Séguin, F. In : L’analyse des organisations: une anthologie sociologique. Tome I. Montreal : Gaëtan-Morin, 1987.

BENTHAM, J.; Uma introdução aos princípios da moral e da legislação. In: Os Pensadores. 2.a ed. São Paulo: Abril Cultural, 1979.

BUCKLEY, W. A sociologia e a moderna teoria dos sistemas. São Paulo: Cultrix, 1971.

CHANLAT, J.-F. e SÉGUIN, F. O paradigma funcionalista e sua concepção da organização (trad. livre); O paradigma crítico em sociologia (trad. livre); O paradigma crítico e sua concepção da organização (trad. livre), in L’analyse des organisations: une anthologie sociologique. Tome I. Montreal: Gaëtan-Morin, 1987.

DEMO, Pedro. Metodologia científica em ciências sociais. 3.a edição, São Paulo: Atlas, 1995.

DESCAMPS, C. As idéias filosóficas contemporâneas na França (1960-1985). Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1991.

DESCARTES, René. Discurso do Método, in René Descartes, coleção os pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1979.

DORTIER, J-F.; Uma História das Ciências Humanas. Lisboa: Texto e grafia, 2009.

DURKHEIM, Émile. As regras do método sociológico (cap. primeiro); Da divisão do trabalho social (livro I, cap. 1), in Durkheim, coleção os pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1978.

JAPIASSU, Hilton. Alguns instrumentos conceituais; O que é a epistemologia?, in Introdução ao pensamento epistemológico. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1991.

JAPIASSU, H.; MARCONDES. Dicionário Básico de Filosofia. Rio de Janeiro: Zahar, 2008.

LEFEBVRE, Henri. Lógica formal. In: Lógica dialética. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1983. GUERREIRO RAMOS, A. A nova ciência das organizações: uma reconceituação da riqueza das nações. Rio de Janeiro: FGV, 1989.

MALINOWSKI, B. A teoria funcional, in Uma teoria científica da cultura. Rio de Janeiro: Zahar, 1970.

MATTOS, P.L.C.L.; A administração é ciência ou arte? O que podemos aprender com este mal entendido. In: Revista de Administração de Empresas. 49(3): 349-60, jul./Set. 2009.

MORIN, Edgar. Ciência com consciência. Lisboa: Europa-América, 1982.

_________. O problema epistemológico da complexidade. Lisboa: Europa-América, 1996.

PADOVANI, U. e CASTAGNOLA, L. O criticismo kantiano; O positivismo, in História da filosofia. São Paulo: Melhoramentos, 1990.

PARSONS, Talcott. Sugestões para um tratado sociológico da teoria de organização, in Etzioni, A. (org.), Organizações complexas. São Paulo: Atlas, 1967.

PIERUCCI, A. F. Secularização em Max Weber: Da contemporânea serventia de voltarmos a acessar aquele velho sentido. In: Revista brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 13, n. 37, Junho 1998.

PRIGOGINE,I., STENGERS, I. A nova aliança: metamorfose da ciência. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 1997.

SERVA, M.; DIAS, T.; ALPERSTEDT, G.D.; O Paradigma da Complexidade e a Teoria das Organizações: Uma Reflexão Epistemológica. In: Anais do XXXIII Encontro da ANPAD. São Paulo: Anpad, 2009.

SERVA, Maurício. O paradigma da complexidade e a análise organizacional, in Revista de Administração de Empresas, 32(2):26-35, abr/jun 1992.

________ . A importação de metodologias administrativas no Brasil – uma análise semiológica, in Revista de Administração Pública, 26(4):128-44, out/dez 1992.

________ . O fato organizacional como fato social total, in Revista de Administração Pública, 35(3):131-52, mai./jun., 2001.

SOUZA SANTOS, Boaventura. Um discurso sobre as ciências na transição para uma ciência pós-moderna. Estudos Avançados, no 3, maio/agosto 1988.

Downloads

Publicado

2022-09-17

Edição

Seção

Artigos