Estudo epidemiológico sobre internações por esclerose múltipla no brasil comparando sexo, faixa etária e região entre janeiro de 2008 a junho de 2019 / Epidemiological study on multiple sclerosis hospitalization in brazil comparing sex, age and region between january 2008 to june 2019

Authors

  • Daniel Pedrosa Cassiano Brazilian Journals Publicações de Periódicos, São José dos Pinhais, Paraná
  • Antônio Henrique Roberti dos Santos
  • Daniel de Christo Esteves
  • Guilherme Neumann de Araújo
  • Isabela Caruso Cavalcanti
  • Marina de Rossi
  • Mylena Sobreira Sena
  • Raquel de Oliveira Souza

DOI:

https://doi.org/10.34119/bjhrv3n6-359

Keywords:

DataSus, Esclerose Múltipla, Internações.

Abstract

INTRODUÇÃO: A esclerose múltipla (EM) é uma doença autoimune do sistema nervoso central que consiste no desenvolvimento de autoanticorpos contra a bainha de mielina nos axônios neuronais causando sítios inflamatórios desmielinizantes. A doença é predominante em mulheres e na faixa etária entre 18 e 55 anos, sendo que no Brasil sua taxa de prevalência é próxima a  15 casos por 100.000 habitantes. É uma doença com alta morbimortalidade e é atualmente incurável. OBJETIVO: realizar uma pesquisa fidedigna sobre a epidemiologia acerca das internações pela Esclerose Múltipla no Brasil. METODOLOGIA: foi realizada uma busca por artigos de revisão na base de dados “New England Journal of Medicine”, “Scielo” e “BVSMS”, utilizando os descritores “esclerose múltipla”, “fatores de risco da esclerose múltipla” e “epidemiologia da esclerose múltipla”, o critério de inclusão foi determinado pela data de publicação mais recente e os de exclusão foram estudos não revisionais sobre a moléstia. Os dados estatísticos foram coletados na base de dados DATASUS mediante o tópico “Informações de Saúde (TABNET)” que apresentou os dados de epidemiologia e morbidade da EM entre janeiro de 2008 a junho de 2019. O “Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas Esclerose Múltipla “do Ministério da Saúde do Brasil de junho/2019 foi utilizado como fonte de dados. RESULTADOS: o índice de internações se eleva a partir dos 15 anos de idade em ambos os sexos e se intensifica nas faixas etárias dos 20-29 anos (22,2%), 30-39 anos (28,6%), 40-49 anos (21,8%), 50-59 anos (13,2%). Dessa forma, 85,9% (24.986) do total de internações (29.088) ocorreram entre 20-59 anos. A partir dos 5 anos de idade há predomínio da doença nas mulheres e as internações acompanham esta tendência. Entre 30-39 anos observou-se a maior incidência de casos em ambos os sexos, numa proporção de 2,33M:1H. Em análise comparativa do ano de 2008 em relação ao ano de 2018 houve aumento de 195% das internações. A Região Sudeste possui o maior índice de hospitalizações pela doença (59,7%), seguida pela Sul (20,6%), Centro-Oeste (9,4%), Nordeste (7,7%) e Norte (2,4%). CONCLUSÃO: Em corroboração com os estudos revisionais, foi observado uma maior prevalência no intervalo de idades entre 15 a 59 anos, e maior importância para os índices a partir dos 20 anos. O predomínio de internações entre as mulheres vai ao encontro da literatura vigente que estabelece maior prevalência neste sexo. Sobre o aumento alarmante de internações nos últimos 10 anos, existem possibilidades a serem analisadas, como uma possível subnotificação dessa doença no passado ou um real aumento de sua incidência.

References

Noseworthy JH, Lucchinetti C, Rodriguez M, Weinshenker BG. Multiple sclerosis. N Engl J Med 2000;343:938-52.

Ghasemi N, Razavi S, Nikzad E. Multiple Sclerosis: Pathogenesis, Symptoms, Diagnoses and Cell-Based Therapy. Cell J. 2017;19(1):1-10. doi:10.22074/cellj.2016.486

NEVES, Conceição Fernandes da Silva et al . Qualidade de vida da pessoa com esclerose múltipla e dos seus cuidadores. Rev. Enf. Ref., Coimbra , v. serIV, n. 12, p. 85-96, mar. 2017 .

MOREIRA, MARCOS AURÉLIO et al . Esclerose múltipla: estudo descritivo de suas formas clínicas em 302 casos. Arq. Neuro-Psiquiatr., São Paulo , v. 58, n. 2B, p. 460-466, June 2000 .

Ribeiro SBF, Maia DF, Ribeiro JB, Cardoso FAG, Silva C. Clinical and epidemiological profile of patients with multiple sclerosis in Uberaba, Minas Gerais, Brazil. Arq Neuropsiquiatr. 2011;69(2A):184-7. doi:10.1590/S0004-282X2011000200008

NEGREIROS, André Augusto Lemos Vidal de et al . Clinical and epidemiological profile of patients diagnosed with multiple sclerosis in João Pessoa, Paraíba, Brazil. Arq. Neuro-Psiquiatr., São Paulo , v. 73, n. 9, p. 741-745, Sept. 2015.

Silva DF, Nascimento VMS. Esclerose múltipla: imunopatologia, diagnóstico e tratamento. Interfaces Científicas - Saúde e Ambiente. Aracaju. V.2, N.3, p. 81 – 90, Jun. 2014

The Multiple Sclerosis International Federation, Atlas of MS, 3rd Edition (September 2020)

Reich DS, Lucchinetti CF, Calabresi PA. Multiple Sclerosis.New England Journal of Medicine 2018;378:169-80

Matías-Guiu JA, Cortés-Martínez A, Montero P, Pytel V, Moreno-Ramos T, Jorquera M, Yus M, Arrazola J, Matías-Guiu J. Identification of Cortical and Subcortical Correlates of Cognitive Performance in Multiple Sclerosis Using Voxel-Based Morphometry. Front Neurol. 2018 Oct 29;9:920.

Loma I, et al. Multiple sclerosis: pathogenesis and treatment. Curr Neuropharmacol. 2011;9:409-416.

Lassmann H. Pathology of neurons in multiple sclerosis. In: Waxman SG, ed. Multiple Sclerosis as a Neuronal Disease. Amsterdam, Netherlands: Elsevier Academic Press; 2005:153-64.

Langdon DW. Cognition in multiple sclerosis. Curr Opin Neurol. 2011 Jun;24(3):244-9.

Amato MP, Langdon D, Montalban X, Benedict RH, DeLuca J, Krupp LB, Thompson AJ, Comi G. Treatment of cognitive impairment in multiple sclerosis: position paper. J Neurol. 2013 Jun;260(6):1452-68.

Chiaravalloti ND, Moore NB, Nikelshpur OM, DeLuca J. An RCT to treat learning impairment in multiple sclerosis: The MEMREHAB trial. Neurology. 2013 Dec 10;81(24):2066-72.

Benedict RH, DeLuca J, Phillips G, LaRocca N, Hudson LD, Rudick R; Multiple Sclerosis Outcome Assessments Consortium. Validity of the Symbol Digit Modalities Test as a cognition performance outcome measure for multiple sclerosis. Mult Scler. 2017 Apr;23(5):721-733.

Grzegorski T, Losy J. Cognitive impairment in multiple sclerosis - a review of current knowledge and recent research. Rev Neurosci. 2017 Nov 27;28(8):845-860.

Artemiadis, et.al. Stress Management and Multiple Sclerosis: A Randomized Controlled Trial. Archives of clinical neuropsychology : the official journal of the National Academy of Neuropsychologists. 27. 406-16. 10.1093/arclin/acs039.

SILVA, Maren de Moraes e et al . Testes de rastreio para alterações psiquiátricas em esclerose múltipla – Revisão sistemática com metanálise. J. bras. psiquiatr., Rio de Janeiro , v. 67, n. 4, p. 255-263, Dec. 2018 .

Habek, M. Immune and autonomic nervous system interactions in multiple sclerosis: clinical implications. Clin Auton Res 29, 267–275 (2019).

SANTANA, Larissa Marques; VALADARES, Eduardo de Jesus Agapito; ROSA-JUNIOR, Marcos. Differential diagnosis of temporal lobe lesions with hyperintense signal on T2-weighted and FLAIR sequences: pictorial essay. Radiol Bras, São Paulo , v. 53, n. 2, p. 129-136, Apr. 2020 .

TINOCO, Inês et al . Esclerose múltipla, o afastar da lupa: relato de caso. Rev Port Med Geral Fam, Lisboa , v. 35, n. 3, p. 232-238, jun. 2019 .

NAVARRO, Cristian Eduardo; ORDONEZ-CALLAMAND, Eliana; ALZATE, Juan Pablo. Disease modifying therapies in multiple sclerosis: cost-effectiveness systematic review. Farm Hosp., Toledo , v. 44, n. 2, p. 68-76, abr. 2020 .

GRZESIUK, Anderson Kuntz. Características clínicas e epidemiológicas de 20 pacientes portadores de esclerose múltipla acompanhados em Cuiabá - Mato Grosso. Arq. Neuro-Psiquiatr. [online]. 2006, vol.64, n.3a, pp.635-638.

Cardoso Eduardo, Fukuda Thiago, Pereira Júlio, Seixas Jamile, Miranda Rafael, Rodrigues Bernardo et al . Clinical and epidemiological profile of multiple sclerosis in a reference center in the State of Bahia, Brazil. Arq. Neuro-Psiquiatr. [Internet]. 2006 Sep [cited 2020 Nov 29] ; 64( 3b ): 727-730.

SOUZA, Luciana Moreira de, et al . Perfil epidemiológico e funcional de pacientes com diagnóstico de esclerose múltipla em Manaus, Amazonas. Rev Acta Fisiátrica, v. 25, n. 4, p. 174-178, Dez. 2018.

Poser C, M, Brinar V, V: The Accuracy of Prevalence Rates of Multiple Sclerosis: A Critical Review. Neuroepidemiology 2007;29:150-155.

LANA-PEIXOTO, Marco A. et al . The prevalence of multiple sclerosis in Belo Horizonte, Brazil. Arq. Neuro-Psiquiatr., São Paulo , v. 70, n. 2, p. 102-107, Feb. 2012.

Published

2020-12-30

Issue

Section

Original Papers