Atenção à criança no contexto prisional: um olhar das agentes penitenciárias / Child care in the prison setting: a view from the prison staff

Authors

  • Denise Santana Silva dos Santos Brazilian Journals Publicações de Periódicos, São José dos Pinhais, Paraná
  • Climene Laura de Camargo
  • Tânia Christiane Ferreira Bispo

DOI:

https://doi.org/10.34119/bjhrv4n2-028

Keywords:

Prisões, Criança, Agente Penitenciário, Vulnerabilidade.

Abstract

Objetivo: Descrever a percepção das agentes penitenciárias em relação a atenção à criança no contexto prisional. Método: Estudo exploratório-descritivo, com abordagem qualitativa, realizado com nove agentes penitenciárias do sistema prisional. A coleta de dados ocorreu em duas unidades prisionais femininas por meio de entrevistas semi-estruturadas, organizadas e tratadas pelo software Nvivo 12 e, posteriormente, submetidas à análise de conteúdo na modalidade temática. Resultados: Emergiram 02 categorias temáticas (1) A infraestrutura da prisão e a vigilância da criança; (2) A relação da agente penitenciária com a criança no ambiente prisional. Considerações finais: A estrutura prisional gera sofrimento físico e psíquico para as crianças que vivem na prisão com suas mães. O estudo revela as dificuldades vivenciadas pelas agentes penitenciárias e aponta para a necessidade da efetivação das políticas públicas direcionadas para os filhos das mulheres privadas de liberdade.

References

Foucault M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. 42 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

Goffman E. Manicômios, prisões e conventos. São Paulo: Perspectiva, 2015.

Harris MS. Incarcerated Mothers: Trauma and Attachment Issues, Smith College Studies in Social Work, 2017; 87(1):26-42.http://dx.doi.org/ 10.1080/00377317.2017.1246796

Génuit P. La maternité détenue. Soins Pediatr Pueric; 2015; 36 (287): 24-26. https://www.em-consulte.com/article/1014490/article/la-maternite-detenue

Sleeda M, Baradon T, Fonagya P. New Beginnings for mothers and babies in prison: A cluster randomized controlled trial. Attachment & Human Development, 2013; 15(4): 349–367. http://dx.doi.org/10.1080/14616734.2013.782651

Diuana V, Corrêa MCDV, Ventura M. Mulheres nas prisões brasileiras: tensões entre a ordem disciplinar punitiva e as prescrições da maternidade. Physis Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 2017; 27 (3): 727-747. http://dx.doi.org/10.1590/s0103-73312017000300018.

Alves da silva DP, Figueiredo Filho DB, Silva AH. O poderoso NVivo: Uma introdução a partir da análise de conteúdo. Revista Política Hoje. 2015, 24 (2):119-134.

https://periodicos.ufpe.br/revistas/politicahoje/article/view/3723/3025

Bardin L. Análise de conteúdo. 5 ed. Lisboa, PT: Edições 70; 2011.

Matão MEL, Miranda DB, Malaquias A, Souza EL. Maternidade atrás das grades: particularidades do binômio mãe-filho. Rev Enferm Centro-Oeste Min. 2016; 6(2):2235-46. http://dx.doi.org/10.19175/recom.v6i2.984.

Teixeira TCA; Paiva TV. Perfil da gestante encarcerada em penitenciária brasileira: importância da assistência à saúde da mulher. J. health Sci Inst. 2015; 33 (3): 235-8. https://www.unip.br/presencial/comunicacao/publicacoes/ics/edicoes/2015/03_jul-set/V33_n3_2015_p235a238.pdf

Andrade ABCA de, Gonçalves MJF. Maternidade em regime prisional: desfechos maternos e neonatais. Rev enferm UFPE on line. 2018; 12(6):1763-71. http://dx.doi.org/10.5205/1981-8963-v12i6a234396p1763-1771-2018.

Soares IR, Cenci CMB, Oliveira LRF. Mães no cárcere: percepção de vínculo com os filhos. Estud. Pesqui. Psicol; 2016;16 (1): 27-45, 2016.

https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revispsi/article/download/24755/17700

Gaté J. Le droit d'être mèreen prison. Soins Pediatr Pueric. 2015; 36 (287): 20-23. http://dx.doi.org/10.1016/j.spp.2015.09.003.

Goshin LS. Ethnographic assessment of an alternative to incarceration for women with minor children. Am J Orthopsychiatry. 2015; 85(5):469-482. http://dx.doi.org/10.1037/ort0000097.

Arinde EL, Mendonça MH. Política prisional e garantia de atenção integral à saúde da criança que coabita com mãe privada de liberdade, Moçambique. Saúde Debate Rio de Janeiro. 2019; 43(120): 43-53. http://dx.doi.org/10.1590/0103-1104201912003.

Benelli SJ. Foucault e a prisão como modelo institucional da sociedade disciplinar. In: A lógica da internação: instituições totais e disciplinares (des)educativas [online]. São Paulo: Editora UNESP, 2014 pp. 63-84. ISBN 978-85-68334-44-7. SciELO Books <http://books.scielo.org>.

Turney K. Stress proliferation across generations? Examining the relationship between parental incarceration and childhood health. J Health SocBehay. Sep 2014; 55 (3): 302-19. https://doi.org/10.1177/0022146514544173.

Lourenço AS. O espaço de vida do agente de segurança penitenciária no cárcere: entre gaiolas, ratoeiras e aquários. 1ª ed. (Jurua). Curitiba: Jurua; 2011.

Jaskowiak CR, Fontana RT. O trabalho no cárcere: reflexões acerca da saúde do agente penitenciário. Revs Bras Enferm [internet]. 2015; 68(2):235-243. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_ar ttext&pid=S0034-71672015000200235&lng=em

Lima EMM de, Soares IP, Santos ACM dos et al. Saúde dos agentes penitenciários no contexto brasileiro. Rev enferm UFPE on line. Recife 2018; 12(2):510-9. https://doi.org/10.5205/1981-8963-v12i2a2283.

Akbari J, Akbari R, Shakerian M, Mahaki B. Job demand-control and job stress at work: A cross-sectional study among prison staff. J Educ Health Promot [internet]. 2017;6(15). https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/ PMC5433637/.

Varella D. Carcereiros. 1 ed. São Paulo: Companhia das letras, 2012.

Vieira CMCA; Veronese JRP. Crianças encarceradas: a proteção integral da criança na execução penal feminine da pena privative de liberdade. Rio de Janeiro: Editora Lumen Juris, 2014.

Ventura M, Simas L, Larouzé B. Maternidade atrás das grades: em busca da cidadania e da saúde. Um estudo sobre a legislação brasileira. Cad. Saúde Pública; 31 (3): 607- 619,2015. https://doi.org/10.1590/0102-311X00092914

Published

2021-03-03

Issue

Section

Original Papers